GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS
318 pág.

GESTÃO DE ESTOQUES E OPERAÇÕES INDUSTRIAIS


DisciplinaGestão de Estoques74 materiais405 seguidores
Pré-visualização50 páginas
várias categorias, as quais apresentam características 
próprias e importâncias relacionadas às suas funções:
Estoque de antecipação ou sazonal
É o estoque utilizado para produtos que possuam um comportamento sazonal 
de demanda. As empresas não projetam suas linhas produtivas de maneira a atender 
picos de demanda (demandas sazonais), ou seja, buscam sempre trabalhar com ritmo 
de produção estável e estocam os produtos previamente para serem consumidos du-
rante os períodos de demanda.
O ideal seria possuir equipamentos que pudessem fazer produtos diferenciados 
com épocas de demandas diferentes, usando a mesma linha de produção, para que 
fossem consumidos nos seus respectivos períodos de demandas. Ou, de outra forma, 
possuir equipamentos que atendam o pico e possam ser utilizados da mesma maneira 
na entressafra. Por exemplo, a cerveja bock, no inverno, quando o consumo de cerveja 
convencional cai, apresenta maior demanda, minimizando a possibilidade de grandes 
estoques de antecipação e mantendo a empresa produzindo com regularidade.
Devem-se procurar alternativas para manter um ritmo de produção linear duran-
te o período de baixas demandas, outros exemplos, são as gráficas no período escolar; 
hotéis na baixa temporada etc.
Também existe a ocorrência de produtos não sazonais, porém ingredientes sazo-
nais como, por exemplo, o doce de pêssego. O pêssego é uma fruta sazonal, sua safra 
ocorre no verão, com isso, é nesse período que deve ser produzido o doce e estocado 
esse produto para consumo estável durante todo o ano.
G
es
tã
o 
de
 E
st
oq
ue
s 
e 
O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
185
Estoques
Estoque de segurança (flutuação)
A função do estoque de segurança é proteger a empresa contra imprevistos na 
demanda (demanda inesperada), atrasos na entrega de insumos ou aumentos ines-
perados no consumo que podem gerar falta de produtos. Na maioria das vezes, essas 
faltas significam perdas reais de vendas.
O estoque de segurança é o estoque acrescido ao estoque normal necessário para 
suprir as condições de demanda média e, com isso, prevenir algum eventual desvio 
dessa demanda média. De uma forma criteriosa, esse quantitativo de estoque pode 
ser obtido por procedimentos estatísticos que trabalham com condições aleatórias de 
ocorrências em variáveis envolvidas nos processos operacionais.
O estoque de segurança permite a redução dos riscos de falta por motivos como: 
atrasos nas entregas de materiais; entrega de materiais com qualidade fora de tole-
rância; materiais errados; condições climáticas; problemas de transporte; atrasos de 
negociação; quebras de equipamentos etc.
A existência do estoque sazonal não pressupõe a inexistência do estoque de 
segurança.
Estoque de proteção ou especulação
Esse tipo de estoque é mantido para fins especulatórios, em que, por exem-
plo, a importância vantajosa dos preços num determinado período se sobrepõe 
às necessidades previsíveis de suprimento da produção. Ou seja, o objetivo desse 
tipo de estoque é de proteger contra eventualidades que envolvem especulações 
de mercado relacionadas a aumento de preços, situação econômica e políticas de 
governo instáveis, ambientes inflacionários e imprevisíveis. Esse tipo de estoque 
constitui-se mais numa preocupação do departamento financeiro do que o de 
logística.
O estoque de proteção guarda certa semelhança com o estoque de segurança. No 
entanto, enquanto o estoque de segurança, cujo objetivo é atender às oscilações de 
consumo e fornecimento, é perene, permanente, duradouro, o estoque de proteção é 
circunstancial, ocorre em situações eventuais.
186
Estoque de ciclo ou estoque por tamanho de lote
O estoque de ciclo é originado quando os pedidos exigem um lote mínimo de 
produção ou de venda, geralmente bem maior que a quantidade necessária para 
satisfazer a demanda prevista. Essas condições podem estar vinculadas ao tamanho 
mínimo do lote em função da produção, do fornecimento ou especialmente do trans-
porte. Por exemplo, o custo para transportar dez mil tijolos é o mesmo para transportar 
cem. Outro exemplo, se as vendas de um varejista atingem dez caminhões de livros 
por mês, ele poderia pedir dez caminhões uma vez por mês, ou um caminhão a cada 
três dias. A escolha básica que o gerente da cadeia de suprimento deve fazer é entre o 
custo pela manutenção de lotes maiores de estoque (quando o estoque cíclico é alto) 
e o custo da constante emissão de pedidos (quando o estoque cíclico é baixo).
Estoque em trânsito ou estoque de canal
Esse tipo de estoque corresponde à movimentação física de materiais e produ-
tos. São estoques que estão no canal, ou seja, em trânsito entre os elos do canal de 
suprimentos. Geralmente ocorre onde a movimentação dos produtos é longa e lenta. 
Materiais ou componentes movimentando-se de um fornecedor até a planta, de uma 
operação para outra, de uma planta a um centro de distribuição, do centro de distribui-
ção ao cliente; são considerados como estoques em trânsito.
Políticas de estoques
A política de estoque é a elaboração de um conjunto de diretrizes e normas que 
servem de parâmetros para o gerenciamento destes. O objetivo fundamental da po-
lítica de estoques de uma empresa consiste essencialmente na busca do equilíbrio 
entre o estoque e o consumo, maximizando a produtividade e minimizando o custo, 
ou seja, maximizar os recursos da empresa, fornecendo um nível satisfatório de serviço 
ao cliente. Alguns critérios e regras genéricas necessários na política de estoques são 
fundamentais para atingir os objetivos mencionados anteriormente:
 manter o estoque o mais baixo possível para atendimento compatível com as 
necessidades;
 centralizar informações que possibilitem o permanente acompanhamento e 
planejamento das atividades de gestão;
 determinar para cada material as quantidades a comprar, por meio dos res-
pectivos lotes econômicos;Ge
st
ão
 d
e 
Es
to
qu
es
 e
 O
p
er
aç
õe
s 
In
du
st
ria
is
187
Estoques
 analisar e acompanhar a evolução dos estoques da empresa, desenvolvendo 
estudos estatísticos;
 não permitir condições de falta ou excesso em relação à demanda.
Decisões para a formalização 
de políticas de estoques nas empresas
É importante que algumas decisões sejam avaliadas e tomadas para elaboração 
de políticas de estoques que caminhem para atingir os objetivos previstos, como a 
maximização do nível de serviço oferecido com minimização dos custos. E algumas 
questões podem ser formuladas de forma a encaminhar a formalização de políticas de 
estoques coerentes com os objetivos pretendidos (WANKE, 1999):
Onde localizar os estoques na cadeia de suprimentos?
Essa análise de decisão é relacionada à centralização ou à descentralização dos 
estoques, ou seja, em um ou mais armazéns ou centros de distribuição na cadeia de 
suprimentos. Essa análise é efetuada em função das características específicas da em-
presa e envolve algumas dimensões importantes que influenciam na localização dos 
estoques como: o grau de giro dos produtos estocados; lead time do fornecedor; valor 
agregado dos produtos; e disponibilidade exigida pelo mercado.
É importante analisar o possível impacto de cada uma dessas dimensões sobre a 
decisão de localização dos estoques na cadeia de suprimentos.
 Giro do material: quanto maior for o giro do material estocado, maior a tendência 
à descentralização por diversos armazéns ou centros de distribuição, pois maio-
res serão as respostas e menores os volumes estocados. Além disto, pode-se ob-
servar que materiais com elevado giro absorvem uma parcela menor dos custos 
fixos de armazenagem, comparativamente aos materiais de giro mais baixo.
 Lead time do fornecedor: quanto maior o tempo de resposta desde a colocação 
do pedido até o atendimento ao cliente final, maior
José
José fez um comentário
Estoques
0 aprovações
Carregar mais