Linguística Aplicada ao Ensino da Língua Portuguesa - Avaliando o Aprendizado
36 pág.

Linguística Aplicada ao Ensino da Língua Portuguesa - Avaliando o Aprendizado


DisciplinaLinguística Aplicada ao Ensino da Língua Portuguesa216 materiais734 seguidores
Pré-visualização14 páginas
\* MERGEFORMATINET 
	A falta de concordância marca as pessoas socialmente.
	
	A concordância não precisa ser estudada.
	
	Somente na universidade se aprende a concordância
	
	A concordância só é importante para a escola privada
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	A concordância não é importante para a escola pública.
	
	4a Questão (Ref.: 201504637183)
	
	
	Já sabemos a importância de combatermos o preconceito linguístico em sala de aula, tendo em vista que a variação é uma característica inerente às línguas do mundo. Nesse sentido, o livro didático de português tem que acompanhar essa mudança. Para isso, é necessário que ele: 
I. esteja isento de erros conceituais graves. 
II. seja capaz de combater a discriminação. 
III. seja responsável e eficaz, do ponto de vista das opções teóricas e metodológicas que faz. 
Estão corretos os comentários: 
	
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	I, II e III
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	I e II apenas 
	
	I apenas
	
	I e III apenas 
	
	II apenas 
	
	5a Questão (Ref.: 201504637198)
	
	
	Leia a citação a seguir. 
"Assim sendo, o primeiro passo para o estabelecimento de uma metodologia adequada ao ensino da concordância é o conhecimento real dos fatores que presidem à opção do falante pela aplicação ou não da regra, visto que a presença da marca de número na forma verbal não é categórica em nenhuma variedade do português brasileiro. Nesse sentido, apresentam relevante contribuição à compreensão do fenômeno os resultados oriundos de pesquisas de natureza variacionista, que permitem conhecer os possíveis elementos favorecedores da realização ou da não-realização de determinada variante." (Vieira, S. Concordância verbal. In: Vieira, S. R. & Brandão, S. F. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2008) 
A citação apresentada ilustra a ideia de que a pesquisa linguística é 
	
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	uma aliada a um ensino reflexivo da gramática.
	
	um modo subjetivo de ensinar a gramática. 
	
	uma forma de investigar um fenômeno incomum na língua. 
	
	um entrave ao ensino da gramática.
	
	uma investigação científica que atrapalha o ensino. 
	
	6a Questão (Ref.: 201505205932)
	
	
	"O ensino de língua materna na sala de aula, mais especificamente o ensino de gramática, tem sido foco de muitas discussões no sentido de estabelecer novas bases teóricas e práticas, visto que tal ensino encontra-se distante da realidade de seus aprendentes, não fazendo nenhum sentido para eles. É importante que o professor considere que o ensino da língua não se restringe a determinação do certo e do errado, mas a reflexão sobre a adequação da linguagem a determinados contextos e de ser capaz de produzir efeitos pretendidos." (https://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/21531/analise-e-reflexao-sobre-o-ensino-de-gramatica) 
De acordo com a perspectiva acima, pode-se afirmar que 
	
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	É importante que se discuta a diversidade dos contextos de colocação dos pronomes, sejam eles prescritos ou não. 
	
	Devemos ensinar ao aluno que a forma a ser usada é Fa\u2264-me':opapeldaescolaéens\u2208aropadrã\u2299
	
	O ensino das regras deve seguir uma perspectiva abstrata da linguagem utilizando-se, sempre, frases criadas pelo professor. 
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	As ideias do parágrafo acima reforçam a proposta de ensino da colocação pronominal através de regras. 
	
	A relação certo e errado deve ser enfatizada nas aulas de Língua Portuguesa. 
	
	7a Questão (Ref.: 201504733354)
	
	
	Já vimos que há muitas diferenças estruturais entre o português brasileiro e o europeu. Um dos pontos que marca bem essa diferença se refere:
	
	
	à regência
	
	ao tipo de texto
	
	à ortografia
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	à escrita
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	à colocação pronominal
	
	8a Questão (Ref.: 201504734630)
	
	
	São propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais no que tange ao ensino de leitura e escrita: 
I- As aulas de língua portuguesa devem considerar que linguagem é, na verdade, uma atividade que lida com múltiplos discursos. 
II- É preciso desenvolver nos alunos a competência discursiva. 
III- Deve-se focar os gêneros textuais que circulam nos contextos formais de comunicação. 
IV- O aluno deve ser capaz de produzir e compreender textos diferenciados, assim como de adequá-los a diferentes situações. 
Estão corretas apenas as alternativas: 
	
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	I, II e IV
	
	I e II 
	
	I e III 
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	II e III
	
	I, II e III 
Aula 6
	1a Questão (Ref.: 201504637202)
	
	
	É fato que devemos considerar o texto como unidade de trabalho em Língua Portuguesa e utilizá-lo adequadamente nas práticas de ensino. Para isso, não podemos ignorar que 
I- os textos manifestam-se em gêneros distintos. 
II- o conhecimento da organização e do funcionamento dos gêneros é fundamental para sua produção e compreensão. 
III- há gêneros que os alunos precisam aprender a compreender e há aqueles que eles devem aprender a produzir. 
IV- A multiplicidade das situações sócio-comunicativas no ato de comunicação impede elencar os gêneros. 
Estão corretos os comentários: 
	
	
	II e III apenas 
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	I, II, III e IV
	
	I e II apenas 
	
	IV apenas 
	
	III e IV apenas 
	
	2a Questão (Ref.: 201505236830)
	
	
	Leia o texto abaixo.
"Todo dia, você acorda de manhã e pega o jornal para saber das últimas novidades enquanto toma café. Em seguida, vai até a caixa de correio e descobre que recebeu folhetos de propaganda e (surpresa!) uma carta de um amigo que está morando em outro país. Depois, vai até a escola e separa livros para planejar uma atividade com seus alunos. No fim do dia, de volta a casa, pega uma coletânea de poemas na estante e lê alguns antes de dormir. Não é de hoje que nossa relação com os textos escritos é assim: eles têm formato próprio, suporte específico, possíveis propósitos de leitura - em outras palavras, têm o que os especialistas chamam de 'características sociocomunicativas', definidas pelo conteúdo, a função, o estilo e a composição do material a ser lido."
(Revista Nova Escola. Disponível em:http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/generos-como-usar-488395.shtml. Acesso em 05 out. 2015.) 
A soma das características apresentadas no trecho define o que chamamos de
	
	
	aspectos normativos.
	
	análises textuais.
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_nao.gif" \* MERGEFORMATINET 
	tipologias textuais.
	
	suportes textuais.
	\ufffd\ufffd INCLUDEPICTURE "http://simulado.estacio.br/img/imagens/peq_ok.gif" \* MERGEFORMATINET 
	gêneros textuais.
	3a Questão (Ref.: 201504637185)
	
	
	Vimos que o livro didático de português passou a ser objeto de interesse de educadores e pesquisadores. No que se refere à escolha do livro didático nas escolas, leia os comentários abaixo. 
I- O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) estabeleceu perspectivas teóricas e metodológicas bastante definidas para o livro didático