Literatura Brasileira I - Avaliando o Aprendizado

Literatura Brasileira I - Avaliando o Aprendizado


DisciplinaLiteratura Brasileira I2.963 materiais50.723 seguidores
Pré-visualização10 páginas
sucessivas, 
predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo. 
 Temática naturalista, assimetria total de construção, ordem direta predominando sobre a ordem inversa. 
 
5
a
 Questão (Ref.: 201504667591) 
 
 
Ao Braço do Mesmo Menino Jesus Quando Appareceo O todo sem a parte não é todo, A parte sem o todo não é parte; 
Mas se a parte fez todo, sendo parte, não se diga que é parte, sendo todo. Valorização da imagem é formulada com base 
na metáfora, pormenorizando seus detalhes. 
Como exemplo desse "jogo de palavras", tem-se esse fragmento de Gregório de Matos, no qual observamos traços da 
tendência: 
 
 c) Hipérbole 
 b) Conceptismo 
 e) Conflito 
 d) Antítese 
 a) Cultismo 
 
6
a
 Questão (Ref.: 201504582322) 
 
 
Todas as alternativas fazem referência à obra de Gregório de Matos, exceto: 
 
 compôs sátiras impiedosas que lhe conferiram a alcunha de Boca do Inferno 
 manifesta críticas contra os nobres da Colônia, os caramurus 
 expressa, em prosa, seu desconcerto diante da transitoriedade da vida 
 revela sua mestria técnica e agilidade verbal 
 escreveu poemas religiosos, em que se observam características conceptistas 
 
7
a
 Questão (Ref.: 201504529726) 
 
 
Sobre a poética de Gregório de Matos Guerra, seria adequado afirmar: 
 
 A defesa da independêncial cultural e política da colônia, claramente perceptível em seus poemas, como "À 
Cidade da Bahia" ("Triste Bahia")". 
 A restrição de seus poemas ao gênero satírico. 
 A consciência nativista e a valorização do nativo mestiço, de sua linguagem e de sua inserção na sociedade local, 
em sua esfera mais alta. 
 A opção pela sátira como um elemento moralizante, como postulado pelas convenções poéticas clássicas, 
conforme defende João Adolfo Hansen, em A sátira e o engenho. 
 A vinculação total de uma postura anárquica do eu-biográfico ao eu-lírico de seus poemas, este totalmente 
original e afastado das convenções poéticas de seu tempo. 
 
8
a
 Questão (Ref.: 201505186441) 
 
 
Assinale a alternativa que apresenta um tema que não é comum à lírica amorosa e filosófica de Gregório de Matos: 
 
 as considerações sobre o ciúme 
 o silêncio 
 a transitoriedade da vida 
 as declarações amorosas 
 o desejo de ser perdoado 
Aula 7 
1
a
 Questão (Ref.: 201504628556) 
 
 
Em Literatura, um grupo de escritores, no século XVIII, defendeu o bucolismo, a necessidade de revalorização da vida 
simples, em contato com a natureza. Estamos fazendo referência aos escritores do: 
 
 REALISMO, fugindo às exibições subjetivas e mantendo a neutralidade diante daquilo que era narrado; as 
referências à natureza eram feitas em terceira pessoa. 
 BARROCO, movimento que valorizava a tensão de elementos contrários, celebrando Deus ou as delícias da 
vida nas formas da natureza. 
 ROMANTISMO, para quem encontrar-se com a natureza significava alargar a sensibilidade. 
 SIMBOLISMO quando estes escritores se mostravam mais emotivos, transformando as palavras em símbolos 
dos segredos da alma. A natureza era puro mistério. 
 ARCADISMO, propondo um retorno à ordem natural, como na literatura clássica, na medida em que a natureza 
adquire um sentido de simplicidade, harmonia e verdade. 
 
2
a
 Questão (Ref.: 201504758643) 
 
 
No século XVIII, registra-se um período estético batizado com três nomes diferentes. Assinale a alternativa que correta 
sobre as diferentes denominações do período: 
 
 A filosofia da época se denominava neoclássica. 
 O Arcadismo procurava valorizar a vida nas cidades e sua dinâmica urbana. 
 Pode-se denominar o período de neoclássico porque ignora a estética da Antiguidade. 
 Iluminismo é o nome preferido por abarcar os demais. 
 O nome Arcadismo é originário da referência à Arcádia, região da Grécia antiga 
 
3
a
 Questão (Ref.: 201504621509) 
 
 
Leia a estrofe abaixo e assinale a alternativa que a interpreta corretamente: 
Destes penhascos fez a natureza 
O berço em que nasci: oh! quem cuidara 
Que entre penhas tão duras se criara 
Uma alma terna, um peito sem dureza! 
 
 A tensão do eu-lírico se manifesta pelo conflito entre os desejos da carne e a salvação da alma. 
 O contraste entre a alma delicada e refinada do poeta e a rusticidade do ambiente da terra natal aponta para o 
desejo de segurança e a necessidade de adequação 
 O eu-lírico expressa a delegação da voz poética aos pastores 
 O poeta se identifica com a natureza de sua terra natal, procurando representá-la, no entanto, de maneira 
idealizada. 
 A referência à natureza exótica é um traço romântico denominado cor local 
 
4
a
 Questão (Ref.: 201504551949) 
 
 
Com relação ao Arcadismo, é correto afirmar: 
 
 Priorizou o dualismo como forma de representar os dilemas metafísicos do homem num contexto bucólico. 
 Desenvolveu-se no segundo século de nossa história literária, procurando combater o barroco decadente. 
 Denominou-se também como Neoclassicismo e contextualizou-se historicamente na Inconfidência Mineira. 
 Apresentou como principais escritores Claudio Manoel da Costa, Bento Teixerira e Tomás Antônio Gonzaga. 
 Apresentou como característica peculiar o retorno mitológico cristão, reforçando, dessa maneira, o equilíbrio 
artístico por meio da nacionalidade. 
 
5
a
 Questão (Ref.: 201504628557) 
 
 
Os poemas de Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga foram escritos: 
 
 à época da Inconfidência Mineira, relacionando-se intimamente com os ideais desse movimento. 
 em reação ao sentimentalismo romântico, contrapondo-lhe sua linguagem clara e equilibrada. 
 em apoio à consolidação de nossa recente Independência, contra a qual ainda se insurgiam grupos descontentes. 
 em meados do século XIX, dedicando-se à propagação dos ideais da Contra-Reforma. 
 ainda dentro do espírito barroco, conforme o atestam sua religiosidade conflituosa e seu estilo artificial. 
 
6
a
 Questão (Ref.: 201504628388) 
 
 
(UFMS) No prefácio de suas Obras, escreveu Cláudio Manuel da Costa: 
Não são estas as venturosas praias da Arcádia, onde o som das águas inspirava a harmonia dos versos. Turva e feia, a 
corrente destes ribeiros, primeiro que arrebate as idéias de um Poeta, deixa ponderar a ambiciosa fadiga de minerar a 
terra, que Ihes tem pervertido as cores. 
Afirma o poeta, portanto, que 
 
 a inspiração, que brota harmoniosa da natureza arcádica, é perturbada pela realidade das águas turvas dos 
rios em mineração 
 a harmonia dos versos arcádicos é embalada pelo som dos ribeiros de sua terra, graças à mineração que 
Ihes turva as águas. 
 a beleza natural dos rios da Arcádia e dos de sua terra é afetada pela ambição econômica, que perverte a 
uns e a outros. 
 é preciso esquecer a harmonia dos versos arcádicos, em vista da beleza maior dos inspiradores rios de 
mineração. 
 a natureza de sua região natal guarda harmoniosa correspondência com a da Arcádia. 
 
7
a
 Questão (Ref.: 201504628554) 
 
 
(Santa Casa SP) - Texto I 
É a vaidade, Fábio, nesta vida, 
Rosa, que da manhã lisonjeada, 
Púrpuras mil, com ambição dourada, 
Airosa rompe, arrasta presumida. 
Texto II 
Depois que nos ferir a mão da morte, 
ou seja neste monte, ou noutra serra, 
nossos corpos terão, terão a sorte 
de consumir os dous a mesma terra. 
O texto I é barroco; o texto II é arcádico. Comparando-os, é possível afirmar que os árcades optaram por uma expressão: 
 
 que aprofunda o naturalismo da expressão barroca, fazendo que o poeta assuma posição eminentemente 
impessoal. 
 impessoal e, portanto, diferenciada do sentimentalismo barroco, em que o mundo exterior era projeção do caos 
interior