Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online

Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online


DisciplinaLiteratura Hispano-americana266 materiais1.185 seguidores
Pré-visualização12 páginas
Andrés Bello acreditava que sua literatura alcançaria características próprias. Não através de 
um \u201cindigenismo\u201d ou de uma volta ao passado, mas assimilando os valores positivos da 
civilização contemporânea. Foi ele, no seu tempo, considerado o homem de maior cultura no 
Novo Mundo. 
Seus poemas são um convite ao cultivo do solo, são a exaltação do homem e da natureza 
hispano-americana apresentados em sua mais alta categoria. 
AULA 4 \u2013 O ROMANTISMO HISPANO-AMERICANO: A LITERATURA 
\u201cGAUCHESCA\u201d. O MOVIMENTO REALISTA 
O Romantismo se inicia na América após 1830, em uma época das lutas pelas independências 
e proclamações de República. Neste período tormentoso, liquida-se a tutela espanhola, mas 
não ainda o espírito e os interesses que esta representava. 
A história literária da América sofre o impacto desses acontecimentos. O pensamento estético 
aplica-se à realidade social, pois os escritores foram homens de ação. Neste momento, 
destaca-se a formação da \u201cLiteratura Gauchesca\u201d, própria do movimento romântico hispânico, 
que observará a temática campesina versus a citadina, representadas pelas obras de 
escritores como José Hernández (Martín Fierro) e Domingo Faustino Sarmiento (Facundo), 
respectivamente. 
A atmosfera romântica que se alastrou na metade do século XIX foi captada também por 
escritores Hispano-americanos. O Romantismo hispano-americano vai corroborar para a 
formação das novas nações, das novas repúblicas. Como nos movimentos anteriores dentro 
da América, este pensamento estético aplica-se à realidade social: os escritores hispânicos 
foram homens de ação. 
Podemos citar Andrés Bello como exemplo de homem de ação. Conforme vista em aula 
anterior, ele usou sua escrita em prol da libertação dos povos da América e da formação das 
novas repúblicas. Também são exemplos aqueles que, além da escrita, estiveram também à 
frente das batalhas emancipadoras. 
Neste momento da História e da literatura hispânicas, não podemos deixar de mencionar a 
importância do grande libertador da América, Simon Bolívar (Venezuela \u2013 1783/1830). Sua 
importância, além de político-econômica, faz-se também por suas qualidades literárias. 
Diferentemente do sentimento coletivista neoclassicista, o romântico vive envolto em 
sentimentos de melancolia e individualismo exasperado. Se no neoclassicismo Hispano-
americano a idéia era formar uma única consciência cultural americana, no romantismo nasce 
o sentimento da preponderância do \u201ceu\u201d. Por outro lado, este movimento estético acelera a 
criação de uma literatura autóctone, que buscava inspiração na própria terra americana. 
A \u201cliteratura gauchesca\u201d vai ter como \u201cherói\u201d o cidadão natural da terra, trabalhador dos 
pampas, das planícies americanas. Homem viril, forte e valente, que foi solicitado durante as 
lutas pelas independências das regiões da América, guerreando nas revoluções para a 
formação das novas repúblicas. 
Entretanto, quando estas repúblicas se estabelecem, quando as independências ocorrem e as 
novas nações já são realidades, aquele homem tão importante nas frentes das batalhas 
emancipadoras deixa de ter valor. 
As nações hispano-americanas encontram no movimento romântico a primeira oportunidade 
de expressão autêntica de seu temperamento. É neste movimento que os escritores 
descobrem as singularidades de suas paisagens e de sua história, de suas gentes e de seus 
problemas sociais. 
Neste momento da literatura Hispano-americana, surgem dois grandes grupos literários na 
América: o grupo dos \u201ccitadinos\u201d e o grupo dos \u201ccampesinos\u201d, que serão representados por 
alguns dos mais importantes escritores hispânicos. Ambos os grupos vão defender a questão 
do homem do campo, o \u201cgaúcho\u201d, fazendo nascer assim a \u201cliteratura gauchesca\u201d. 
O Romantismo se inicia na América após 1830. O percurso hispano-americano é marcado por 
uma série de lutas pelo poder entre os chefes revolucionários, revelando-se uma época 
tormentosa. Dentro destas lutas teremos os nomes de homens de letras, que foram desde os 
inícios homens de ação, como já vimos anteriormente. Esses homens eram tanto envolvidos 
com a vida política de suas repúblicas quanto escritores literários. Liquida-se, neste período, a 
tutela espanhola com as revoluções e independências, mas ainda não o espírito e os 
interesses que representava. 
Dessa forma, teremos pelo menos três nomes de destaque, que conduzirão o povo rumo à 
emancipação literária hispânica, almejada anteriormente por Andrés Bello. Esses nomes 
estarão diretamente ligados ao que chamam os teóricos de \u201cliteratura gauchesca\u201d: 
 a) Estéban Echeverría (Argentina \u2013 1805/1851); 
 b) José Hernández (Argentina \u2013 1834/1894); 
 c) Domingo Faustino Sarmiento (Argentina \u2013 1811/1888). 
Com estes escritores, a literatura hispano-americana apresenta como características 
específicas uma constante relação entre política, história e ficção. É comum que os teóricos 
dividam a expressão romântica na América em dois períodos: 
 1ª Geração \u2013 poesia romântica, de 1810 a 1837; 
 2ª Geração da poesia romântica, na segunda metade do século XIX. 
É na sua escrita que se inicia a poetização da geografia americana, tão ansiada e exortada por 
Andrés Bello. 
A primeira geração da poesia romântica caracteriza-se por movimentos de revolução, 
independência e organização política que se concluem com a formação das novas repúblicas. 
Destaca-se, neste período, o escritor Estéban Echeverría (Argentina \u2013 1805/1851), 
considerado iniciador da estética romântica em terras da América. Sua estética era 
nacionalista, mas desenvolvia uma atitude aberta diante do mundo. Concebia a idéia de uma 
literatura nacional e a inicia, tornando o pampa um lugar comum na literatura, embora o tipo 
do \u201cgaúcho\u201d ainda não apareça em sua obra romântica. 
Como poeta, foi considerado um versificador fraco. Entretanto, apesar de suas falhas 
apontadas por estudiosos, é um escritor visto como iniciador de nova estética, sendo 
teorizador e formador de uma escola literária na América. Foi o homem que nacionalizou o 
movimento romântico, empregando categoria viva e nacional aos pampas argentinos. 
La Viguela 
Aqui me pongo a cantar 
Al compás de la viguela, 
Que el hombre que lo desvela 
Una pena estraordinaria 
Como el ave solitaria 
Com el cantar se consuela. 
 
Vengan Santos milagrosos, 
Vengan todos em mi ayuda, 
Que la lengua se me aniuda 
Y se me turba la vista; 
Pido a mi Dios que me asista 
Em esta ocasion tan ruda. 
 
Aqui me pongo a cantar 
Al compás de la viguela, 
Que el hombre que lo desvela 
Una pena estraordinaria 
Como el ave solitária 
Com el cantar se consuela. 
É na sua escrita que se inicia a poetização da geografia americana, tão ansiada e exortada por 
Andrés Bello 
A Estéban Echeverría é atribuída também a iniciação do movimento realista, com o conto El 
matadero. 
Embora tenha sido escrito no período chamado romântico e nem tenha sido publicado em vida 
pelo autor, foi publicado por amigos e seguidores seus em 1871 e reflete de modo 
contundente a busca pelo escritor de características argentinas. Essa procura de identificar a 
Argentina dentro da história contada marca o início do Realismo na América. Escrito no 
período da ditadura de Juan Manuel Rosas, esta narrativa é considerada o primeiro conto da 
América Hispânica. 
El matadero narra um episódio brutal e sangrento, descrito com admirável vigor e audácia 
realista. 
Principais características: 
\uf0b7 A honra e o sacrifício, norma de conduta social do homem dos pampas argentinos; 
\uf0b7 Liberdade e igualdade; 
\uf0b7 Continuação das tradições progressistas da Revolução de Maio; 
\uf0b7 Emancipação do espírito americano; 
\uf0b7 Confraternidade de princípios e fusão das doutrinas progressistas em um centro