Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online

Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online


DisciplinaLiteratura Hispano-americana266 materiais1.185 seguidores
Pré-visualização12 páginas
cidade. Seu pai faleceu neste mesmo ano, 
deixando sua mãe com seis filhos, dos quais Guillén era o mais velho. 
Poeta militante comunista até a morte, Prêmio Nobel da Paz em 54, começa a publicar seus 
versos a partir de 1920, escrevendo para revistas da cidade de Camagüey. Em 1922, começa 
a estudar direito na Universidade de La Habana, mas logo abandona o curso por considerar o 
ensino \u201cdeprimente\u201d. Essa sua impressão foi repassada no poema \u201cAl margen de mis libros de 
estudio\u201d, no qual satiriza a mediocridade da vida universitária. 
Seus mais de 50 anos de fazer poético rendeu uma obra vasta e variada que abarcou 
diferentes âmbitos: a cultura e a linguagem popular, o lado folclórico do povo, a política, o 
negro e a formação \u201cracial\u201d cubana; também abordou o amoroso, o satírico, o épico, a 
natureza; falou sobre suas viagens pela América Latina e pelo mundo. Vivenciou uma 
realidade que lhe permitiu aprofundar sua visão de mundo e tecer, em sua poesia, uma série 
de escritos que o consagraram como \u201ccantor da América e do planeta\u201d. O ritmo \u201cson\u201d foi a 
matriz geradora de seus primeiros livros: Motivos de son (1930) e Sóngoro, cosongo (1931), 
considerado um livro de grande estrutura artística e vocação reflexiva sobre a cultura cubana. 
Cronologia 
\uf0b7 Em 1926, trabalha na Secretaria do Governo e se instala na capital cubana. Seus 
interesses literários e intelectuais começam a se intensificar. 
\uf0b7 Em 1930, publica no Diário de la Marina algumas polêmicas sobre celebridades, o que 
aumenta sua popularidade. 
\uf0b7 Em 1932, recebe uma carta de admiração do escritor espanhol Miguel de Unamuno 
(clássico da literatura espanhola). 
\uf0b7 Em 1934, ocorre o golpe militar em Cuba, chefiado por Fulgêncio Batista. A situação 
econômica e política do país ficam confusas e sobrevêm a intervenção dos Estados 
Unidos da América. 
\uf0b7 Em 1940, Guillén candidata-se às eleições pelo partido da União Revolucionária 
Comunista, mas não consegue se eleger. 
\uf0b7 Entre 1939 e 1941, divide o seu tempo entre a política e a cultura, pois torna-se 
dirigente da Frente Nacional Antifacista. 
\uf0b7 Em 1942, viaja ao Haiti como enviado cultural do Governo Cubano, e como Delegado 
da Frente Nacional Antifacista. 
\uf0b7 Em 1945, inicia uma viagem pela América do Sul, que será fundamental para sua 
projeção nacional. 
\uf0b7 Em 1954, está em Estocolmo, para o Congresso da Paz, e recebe o Prêmio Nobel da 
Paz. 
\uf0b7 Em 1956, viaja por Paris, Varsóvia, Bruxelas, etc. A situação política da ilha o converte 
em exilado. 
\uf0b7 Em 1959, acontece o triunfo revolucionário cubano. Imediatamente regressa a Cuba e 
em 1961 funda a União dos Escritores e Artistas de Cuba (UNEAC), na qual ocupará o 
cargo de presidente até a sua morte. Nesta organização, tem participação direta e 
sistemática em toda a história cultural e artística cubana. 
Características da Poesia de Nicolás Guillén 
A musicalidade é um dos aspectos mais significativos na poesia de Guillén, é o que ele chama 
de \u201ccor cubana\u201d de sua escrita. Guillén foi em busca dos ritmos afro-cubanos, especificamente 
o son. O son é um canto acompanhado de percussão, que se faz com versos. Graças ao son, 
esta percussão que estava restrita aos bairros pobres das cidades cubanas teve a 
oportunidade de revelar, na poesia de Guillén, seus recursos musicais expressivos, alcançando 
categoria de valor universal. 
Seu canto foi de rebeldia e esperança, de combate e saudação. Guillén nasce no início da 
Nova República Cubana, que ganha sua liberdade em relação à Espanha, em 1898. 
Entretanto, a nova nação cubana torna-se livre, com a ajuda dos Estados Unidos da América. 
País que interveio na briga entre Cuba e Espanha para decidi-la interessadamente, é claro, a 
seu favor. Deste então, os Estados Unidos da América passa a ocupar militarmente a ilha de 
Cuba. 
Tem um lado de sua poesia que apresenta uma linguagem simples, salpicada de repetições e 
onomatopéias, muitas de origem africana, que provocam um ritmo animado, que na verdade 
funcionam como uma contraposição à realidade cubana poetizada. 
Seus poemas também têm uma natureza evocadora, perturbadora e revolucionária. Mostram 
a tensão entre a musicalidade e a dura experiência representada. 
De Colorido local, criou uma tonalidade mulata, com uma colorida afirmação geográfica e 
ética. 
AULA 8 \u2013 A POESIA DE PABLO NERUDA 
O escritor criou uma obra renovadora que, segundo suas próprias palavras, \u201caceitou a paixão, 
desenvolveu o mistério e abriu caminho entre os corações do povo\u201d. 
Situou-se diante dos acontecimentos de sua época, consciente da realidade que lhe tocou 
viver. Era um apaixonado pela vida, pelo homem agônico do século XX. Soube relativizar em 
sua poesia os valores absolutos do conhecimento puramente racional, considerando que não 
há uma verdade única, mas valores e perspectivas. A poesia é \u201ca realidade atrás da realidade\u201d 
e nada poderia definir melhor a poesia de Pablo Neruda, seu olhar retrospectivo, sua 
autocontemplação. 
Pablo Neruda, conhecido como \u201cpoeta do povo\u201d, transporta para a poesia suas viagens pelo 
mundo, suas amizades, seus amores. Seu verdadeiro nome era Neftalí Ricardo Reyes 
Basualto. Nasceu em Parral, pequeno povoado do Sul do Chile. Exerceu carreira diplomática 
na Ásia e na Europa. 
Suas idéias políticas o conduziram a vários momentos de exílio e perseguições. 
Desde muito jovem, viu-se interessado pela poesia e com apenas 13 anos escreve um artigo, 
\u201cEntusiasmo y perseverancia\u201d, que é publicado em um jornal de Temuco, em 1917. Temuco é 
a terra de sua infância, e será recuperada em muitos de seus poemas. Aos 16 anos adota de 
modo definitivo o pseudônimo de Pablo Neruda, em virtude da admiração que sentia pelo 
poeta checo Jan Neruda. Mas somente em 1946, já com 42 anos, converte-se em seu nome 
verdadeiro, registrado em cartório. 
De acento personalíssimo, escreveu cinco livros antes dos 22 anos. E desde então sua 
maestria poética e sua criatividade são reconhecidas no mundo das artes, alcançando 
estrondoso sucesso de vendas. Romântico, pelo sentimento tumultuoso; expressionista em 
virtude de seu modo eruptivo de se manifestar, sua poesia parece que se escapa de seu 
coração como os sonhos de que fala em sua poesia. 
Vida e Obra 
No início de sua vida poética, parte de uma poesia sensual, de dúvida e insatisfação. A 
paisagem de sua terra natal, universo de sua infância, se constitui no embasamento de seu 
imaginário. A terra, a mulher e amante, é sacralizada como divindade feminina. Estes 
elementos são vistos nas primeiras obras lançadas. Suas primeiras publicações, escritas aos 
20 anos, deram-lhe grande renome local e reconhecimento imediato no exterior. São elas: 
Crepusculario (1923), El Hondero, entusiasta (1923) e Veinte poemas de amor y uma canción 
desesperada (1924). Dizia que amava este último livro, pois \u201ca pesar de su aguda melancolia 
está en el goce de la existência\u201d. É o momento das paixões juvenis, das dúvidas. 
Na publicação do livro Tentativa Del hombre infinito (1926), já se percebe uma transição para 
o surrealismo, uma consubstanciação dos elementos cósmicos. Já em Residencia en la Tierra 
(1932), percebe-se um sistema de imagens materialistas, que marca uma mudança em sua 
expressão poética. O poeta se apresenta como um ordenador do caos surrealista. Confere à 
poesia o dever de entender o homem e realizar-se nele. Sua preocupação máxima é, agora, o 
social. 
Em Canto general, publicado em 1950, proclama sua fé na função social da arte. Quando 
começa a trabalhar em Canto general afirma que precisava de um lugar de trabalho. Então 
com a ajuda de alguns editores, compra, em 1939, a sua \u201ccasa de trabalho em Isla Negra\u201d. 
Canto general tem a idéia de agrupar as incidências históricas do continente americano, as 
condições geográficas, a vida e as lutas dessas nações. Declara Neruda que a escrita deste