Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online
29 pág.

Literatura Hispano-Americana - Conteúdo Online


DisciplinaLiteratura Hispano-americana266 materiais1.188 seguidores
Pré-visualização11 páginas
revolucionário cubano. Imediatamente regressa a Cuba e em 1961 funda a União dos Escritores e Artistas de Cuba (UNEAC), na qual ocupará o cargo de presidente até a sua morte. Nesta organização, tem participação direta e sistemática em toda a história cultural e artística cubana.
Características da Poesia de Nicolás Guillén
A musicalidade é um dos aspectos mais significativos na poesia de Guillén, é o que ele chama de \u201ccor cubana\u201d de sua escrita. Guillén foi em busca dos ritmos afro-cubanos, especificamente o son. O son é um canto acompanhado de percussão, que se faz com versos. Graças ao son, esta percussão que estava restrita aos bairros pobres das cidades cubanas teve a oportunidade de revelar, na poesia de Guillén, seus recursos musicais expressivos, alcançando categoria de valor universal.
Seu canto foi de rebeldia e esperança, de combate e saudação. Guillén nasce no início da Nova República Cubana, que ganha sua liberdade em relação à Espanha, em 1898. Entretanto, a nova nação cubana torna-se livre, com a ajuda dos Estados Unidos da América. País que interveio na briga entre Cuba e Espanha para decidi-la interessadamente, é claro, a seu favor. Deste então, os Estados Unidos da América passa a ocupar militarmente a ilha de Cuba.
Tem um lado de sua poesia que apresenta uma linguagem simples, salpicada de repetições e onomatopéias, muitas de origem africana, que provocam um ritmo animado, que na verdade funcionam como uma contraposição à realidade cubana poetizada.
Seus poemas também têm uma natureza evocadora, perturbadora e revolucionária. Mostram a tensão entre a musicalidade e a dura experiência representada.
De Colorido local, criou uma tonalidade mulata, com uma colorida afirmação geográfica e ética.
AULA 8 \u2013 A POESIA DE PABLO NERUDA
O escritor criou uma obra renovadora que, segundo suas próprias palavras, \u201caceitou a paixão, desenvolveu o mistério e abriu caminho entre os corações do povo\u201d.
Situou-se diante dos acontecimentos de sua época, consciente da realidade que lhe tocou viver. Era um apaixonado pela vida, pelo homem agônico do século XX. Soube relativizar em sua poesia os valores absolutos do conhecimento puramente racional, considerando que não há uma verdade única, mas valores e perspectivas. A poesia é \u201ca realidade atrás da realidade\u201d e nada poderia definir melhor a poesia de Pablo Neruda, seu olhar retrospectivo, sua autocontemplação. 
Pablo Neruda, conhecido como \u201cpoeta do povo\u201d, transporta para a poesia suas viagens pelo mundo, suas amizades, seus amores. Seu verdadeiro nome era Neftalí Ricardo Reyes Basualto. Nasceu em Parral, pequeno povoado do Sul do Chile. Exerceu carreira diplomática na Ásia e na Europa.
Suas idéias políticas o conduziram a vários momentos de exílio e perseguições.
Desde muito jovem, viu-se interessado pela poesia e com apenas 13 anos escreve um artigo, \u201cEntusiasmo y perseverancia\u201d, que é publicado em um jornal de Temuco, em 1917. Temuco é a terra de sua infância, e será recuperada em muitos de seus poemas. Aos 16 anos adota de modo definitivo o pseudônimo de Pablo Neruda, em virtude da admiração que sentia pelo poeta checo Jan Neruda. Mas somente em 1946, já com 42 anos, converte-se em seu nome verdadeiro, registrado em cartório.
De acento personalíssimo, escreveu cinco livros antes dos 22 anos. E desde então sua maestria poética e sua criatividade são reconhecidas no mundo das artes, alcançando estrondoso sucesso de vendas. Romântico, pelo sentimento tumultuoso; expressionista em virtude de seu modo eruptivo de se manifestar, sua poesia parece que se escapa de seu coração como os sonhos de que fala em sua poesia.
Vida e Obra
No início de sua vida poética, parte de uma poesia sensual, de dúvida e insatisfação. A paisagem de sua terra natal, universo de sua infância, se constitui no embasamento de seu imaginário. A terra, a mulher e amante, é sacralizada como divindade feminina. Estes elementos são vistos nas primeiras obras lançadas. Suas primeiras publicações, escritas aos 20 anos, deram-lhe grande renome local e reconhecimento imediato no exterior. São elas: Crepusculario (1923), El Hondero, entusiasta (1923) e Veinte poemas de amor y uma canción desesperada (1924). Dizia que amava este último livro, pois \u201ca pesar de su aguda melancolia está en el goce de la existência\u201d. É o momento das paixões juvenis, das dúvidas.
Na publicação do livro Tentativa Del hombre infinito (1926), já se percebe uma transição para o surrealismo, uma consubstanciação dos elementos cósmicos. Já em Residencia en la Tierra (1932), percebe-se um sistema de imagens materialistas, que marca uma mudança em sua expressão poética. O poeta se apresenta como um ordenador do caos surrealista. Confere à poesia o dever de entender o homem e realizar-se nele. Sua preocupação máxima é, agora, o social.
Em Canto general, publicado em 1950, proclama sua fé na função social da arte. Quando começa a trabalhar em Canto general afirma que precisava de um lugar de trabalho. Então com a ajuda de alguns editores, compra, em 1939, a sua \u201ccasa de trabalho em Isla Negra\u201d. Canto general tem a idéia de agrupar as incidências históricas do continente americano, as condições geográficas, a vida e as lutas dessas nações. Declara Neruda que a escrita deste livro apresentava-se a ele \u201ccomo o tumultuoso movimento oceânico\u201d.
Suas Odas elementales (1954,1956,1957) apresentam um canto ao dinamismo da matéria, onde a realidade é manifestada com evidência. Neles Neruda tem os sentidos abertos a uma realidade e natureza não idealizadas. Vê as coisas e assuntos com olhos cotidianos, fotográficos. Vê com os ouvidos, com o olfato, com o paladar. O amor e a natureza se manifestam através de metáforas românticas.
Cronologia
Homem engajado politicamente, participante da vida pública de seu país, Neruda foi cônsul geral do Chile em 1927 (permanecendo no cargo por 5 anos). Em 1936, quando se dá o início da guerra civil espanhola, o escritor Garcia Lorca, seu amigo, é assassinado pelos nacionalistas, seguidores do General Francisco Franco. Esta dolorosa experiência redireciona a poesia de Neruda para conteúdos mais libertários, como pode ser visto nas obras: Residencia en la Tierra (1942), Ode a Stalingrado (1942), Tercera Residencia (1947), e Canto general (1950), sendo este último uma epopéia de amor profundo à América.
Em 1945 é eleito senador pelo Partido Revolucionário.
Em 30 de setembro de 1968 é designado à presidência da República do Chile pelo Partido Comunista Chileno.
Em 1969, o partido lança a sua candidatura. Posteriormente renuncia para dar lugar à designação de seu amigo, Salvador Allende, que passa a ser então candidato único pelos Partidos Populares Chilenos (União Popular).
Em 1970, participa ativamente da campanha presidencial de Allende. Com o triunfo de seu amigo, Neruda é nomeado embaixador de seu país, em Paris. Mas em 1973, renuncia ao cargo, na França. E, em meados deste mesmo ano, dirige um apelo aos intelectuais latino-americanos e europeus para que evitassem a guerra civil no Chile.
Em 11 de setembro de 1973, um golpe militar, chefiado pelo general Augusto Pinochet, derruba o governo da Unidade Popular, invadindo o Palácio do Governo. Neste movimento Salvador Allende é morto.
Em 23 de setembro de 1973, morre Pablo Neruda.
Pablo Neruda e suas premiações:
Recebe, no decorrer de sua vida, vários títulos nacionais e internacionais.
É declarado Doutor Honoris Causa em Filosofia e Letras da Universidade de Oxford (1965). Título dado pela 1 a. vez a um sul-americano.
Em 1968 é condecorado com a Medalha de Prata que se confere aos filhos ilustres do Chile.
Sua poesia foi honrada com o Prêmio Lênin da Paz, em 1953, e o Prêmio Nobel de Literatura, em 1971, em Estocolmo.
A grande característica da poesia de Neruda é a intensidade, que pode estar tanto nos eventos da história do continente, quanto nas pequenas coisas, como nos vários livros de Odes. Poeta do movimento, da inconstância, do susto. Neruda apontou para a riqueza inesgotável