PROCESSO CIVIL NCPC
263 pág.

PROCESSO CIVIL NCPC


DisciplinaDireito Processual Civil I42.682 materiais741.125 seguidores
Pré-visualização50 páginas
pra contestar), salvo se houver previsão expressa dispondo um prazo 
específico. Como esse caso de prazo para 30 dias para se manifestar. Não se multiplica 
por 2 esse prazo. 
 
Aula 5 (Blocos 13, 14 e 15) \u2013 24/4/2015 
 
\uf0fc Art. 178. O Ministério Público será intimado para, no prazo de 30 (trinta) dias, intervir 
como fiscal da ordem jurídica nas hipóteses previstas em lei ou na Constituição Federal 
e nos processos que envolvam: 
I. interesse público ou social; 
II. interesse de incapaz; 
III. litígios coletivos pela posse de terra rural ou urbana. 
\uf0fc Art. 178, Parágrafo único. A participação da Fazenda Pública não configura, por si só, 
hipótese de intervenção do Ministério Público. 
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Retângulo
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
\uf0fc Acaba a previsão de que o MP tem que intervir em ação de estado (ex.: divórcio 
consensual). 
\uf0fc Fica mantida a intervenção na ação de interdição. 
\uf0fc Conflito de competência: pelo CPC de 73 o MP deve intervir em qualquer conflito de 
competência. O Novo CPC muda isso: o MP apenas intervém nos conflitos de 
competência oriundos de processo em que a intervenção do MP se impõe. 
\uf0fc O mesmo vale para a ação rescisória: havia o entendimento de que o MP deveria intervir 
em toda ação rescisória. O Novo CPC deixa claro que o MP só intervém em rescisória 
nos casos em que ele deva intervir. 
\uf0fc O CPC de 73 dava a entender que o MP interviria em qualquer procedimento de 
jurisdição voluntária. Agora fica claro que o MP só intervém em jurisdição voluntário se 
for uma das hipóteses de intervenção. 
\uf0fc Ou seja, há uma racionalização da intervenção do MP. 
\uf0fc Art. 78, parágrafo único: A participação da Fazenda Pública não configura, por si só, 
hipótese de intervenção do Ministério Público. 
\uf0fc Inciso III: litígios coletivos pela posse de terra rural ou URBANA. Novidade: o CPC previa 
apenas terra rural. 
\uf0fc Inciso I: interesse público ou SOCIAL. Essa mudança decorre da CF, porque essa é a 
terminologia utilizada. 
\uf0fc Consagração da responsabilidade regressiva do membro do MP \u2013 responsabilização do 
ente público e a possibilidade de regresso em relação ao membro do MP \u2013 mesmo 
tratamento da magistratura. 
\uf0fc Possibilidade de multa do membro do MP que atrasar na entrega dos autos. 
\uf0fc Presunção absoluta de intimação em caso de carga dos autos \u2013 se o membro do MP faz 
carga dos autos presume-se que ele tomou ciência de todos os atos do processo, da 
mesma forma que o advogado. 
\uf0fc Art. 279. É nulo o processo quando o membro do Ministério Público não for 
intimado a acompanhar o feito em que deva intervir. 
\uf0fc Art. 279, § 1o Se o processo tiver tramitado sem conhecimento do membro do Ministério 
Público, o juiz invalidará os atos praticados a partir do momento em que ele deveria ter 
sido intimado. 
\uf0fc Art. 279, § 2o A nulidade só pode ser decretada após a intimação do Ministério 
Público, que se manifestará sobre a existência ou a inexistência de 
prejuízo. 
\uf0fc Importante destacar que a nulidade só será declarada se houver prejuízo. 
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Retângulo
isadora
Retângulo
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Retângulo
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
\uf0fc Ex.: ação envolvendo incapaz e ele ganhou, mas o MP não foi intimado. Nesse caso, 
não há necessidade de anular o processo inteiro. 
12. Suspensão do processo 
\uf0fc Art. 313. Suspende-se o processo: 
I. pela morte ou pela perda da capacidade processual de qualquer das partes, de seu 
representante legal ou de seu procurador; 
II. pela convenção das partes; 
III. pela arguição de impedimento ou de suspeição; 
IV. pela admissão de incidente de resolução de demandas repetitivas; 
V. quando a sentença de mérito: 
a. depender do julgamento de outra causa ou da declaração de existência ou de 
inexistência de relação jurídica que constitua o objeto principal de outro processo 
pendente; 
b. tiver de ser proferida somente após a verificação de determinado fato ou a 
produção de certa prova, requisitada a outro juízo; 
VI. por motivo de força maior; 
VII. quando se discutir em juízo questão decorrente de acidentes e fatos da navegação de 
competência do Tribunal Marítimo; 
VIII. nos demais casos que este Código regula. 
\uf0fc Alegação de incompetência relativa não suspende mais o processo, porque essa 
alegação é feita na própria contestação. 
\uf0fc Desaparece a hipótese de suspensão de ação declaratória incidental envolvendo estado 
da pessoa, porque não existe mais ação declaratória incidental no Novo CPC. 
\uf0fc Alegação de impedimento e suspeição do juiz suspende o processo (já era assim no 
antigo CPC) \u2013 O Novo CPC estabelece que o relator dessa ação de suspeição e 
impedimento pode tirar o efeito suspensivo, se ele perceber que a alegação não tem 
embasamento. Essa mudança veio para evitar que se utilize da alegação de 
impedimento e suspeição só para paralisar o processo. 
\uf0fc O juiz que é suspeito ou impedido não pode determinar a realização de atos urgentes. 
Nesse caso, é o juiz substituto que vai determinar essa realização: 
\uf0fc Art. 314. Durante a suspensão é vedado praticar qualquer ato processual, podendo o 
juiz, todavia, determinar a realização de atos urgentes a fim de evitar dano irreparável, 
salvo no caso de arguição de impedimento e de suspeição. 
\uf0fc Art. 146, § 3o Enquanto não for declarado o efeito em que é recebido o incidente ou 
quando este for recebido com efeito suspensivo, a tutela de urgência será requerida ao 
substituto legal. 
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Anotação
OBS: ÚNICA HIPÓTESE RECURSAL DE AMICUS CURIAE
isadora
Selecionar
isadora
Anotação
EX: OPOSIÇÃO VEICULADA APÓS O INÍCIO DA AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO.
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Sublinhar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Selecionar
isadora
Sublinhar
isadora
Anotação
OBS: A impugnação ao deferimento da justiça gratuita nao mais suspende o curso do processo e será resolvida sempre nos mesmos autos. nao será apensada.
\uf0fc A previsão do IRDR (inciso IV) está incompleta: também julgamento de RE e REsp. 
\uf0fc Inciso VII: inclusão da suspensão do processo no caso de acidentes e fatos da 
navegação de competência do Tribunal Marítimo. Fredie diz que o Tribunal Marítimo fez 
bastante lobby no CN. 
\uf0fc Deixa-se claro que a suspensão do processo pela morte da parte deve ser sucedida do 
processo de habilitação (§§ 1º e 2º do art. 213) \u2013 não havia essa previsão no antigo 
CPC. 
\uf0fc Se a parte morresse durante a audiência/instrução, o advogado deveria continuar com a 
audiência. Isso não existe mais. 
\uf0fc Art. 315, § 1º: prazo de 3 meses para ajuizar ação penal para que o processo civil 
continue suspenso. 
13. Justiça gratuita 
\uf0fc Esse instituto foi totalmente revisto. 
\uf0fc A Lei 1.060 é de 1950 e, do ponto de vista processual, é totalmente defasada. 
\uf0fc O Novo CPC consolidou o assunto em 6 dispositivos e revogou expressamente vários 
dispositivos da Lei 1.060/50. 
\uf0fc Não confundir assistência judiciária gratuita e justiça gratuita: 
i. assistência judiciária: patrocínio gratuito da causa; 
ii. justiça gratuita: isenção das custas processuais. 
\uf0fc Mudanças: 
i. deixa-se claro que pessoa jurídica tem direito ao benefício; 
ii. deixa-se claro que o estrangeiro também tem direito ao benefício