Metodologia Científica - Conteúdo Online
53 pág.

Metodologia Científica - Conteúdo Online


DisciplinaMetodologia Científica53.612 materiais1.069.639 seguidores
Pré-visualização16 páginas
no trabalho?\u2016 
\uf0b7 Problemas de valor: Aqueles que indagam se algo é bom ou mau, desejável ou 
indesejável, certo ou errado, melhor ou pior, se algo deve ou não ser feito. 
\u2015Os pais devem dar palmadas nos filhos?\u2016 
\u2015Qual a melhor técnica para a propaganda?\u2016 
Problema científico: Um problema é considerado de natureza científica quando envolve 
variáveis1 que podem ser tidas como testáveis, podem ser observadas e manipuladas. 
1 O termo variável é o dos mais empregados na linguagem dos pesquisadores. Seu objetivo é 
o de conferir maior precisão aos enunciados científicos, sejam hipóteses, teorias, leis, 
princípios ou generalizações. O conceito de variável refere-se a tudo aquilo que pode assumir 
diferentes valores ou diferentes aspectos, segundo os casos particulares ou as circunstâncias 
(GIL, 2002, p.36). 
\u2015Em que medida a escolaridade determina a preferência político-partidária?\u2016 
Aqui temos duas variáveis relacionando-se: 
Variável 1: escolaridade 
Variável 2: preferência político-partidária 
As variáveis podem ser de três tipos: 
\u2022 Independente: variável que influencia, determina ou afeta outra variável, dando a 
condição ou a causa para certo resultado, efeito ou consequência. 
Exemplo: \u2015Se dermos uma pancada no joelho dobrado de um indivíduo, sua perna esticará\u2016. 
\u2022 Dependente: consiste nos valores a serem explicados ou descobertos, em virtude de 
serem influenciados, determinados ou afetados pela variável independente. 
Exemplo: \u2015Se dermos uma pancada no joelho dobrado de um indivíduo, sua perna esticará\u2016. 
\u2022 Interveniente: é aquela que em uma sequência causal se coloca entre a variável 
independente e a dependente, tendo como função ampliar, diminuir ou anular a 
influência de uma sobre a outra. 
Exemplo: \u2015A liderança autoritária influencia na motivação dos colaboradores.\u2016 
Dos Problemas às Hipóteses 
Ao seguirmos a ordem das razões, podemos afirmar que a formulação de uma hipótese de 
pesquisa decorre da problematização. 
As hipóteses são as possíveis respostas encontradas para o problema formulado. 
A problematização requer possibilidades de respostas, que compõem alternativas que devem 
ser consideradas e examinadas. 
Exemplo de hipótese 
Tema: mortalidade infantil 
Problematização: em que medida o fenômeno da mortalidade infantil está relacionado à 
desnutrição da criança? 
Você percebeu que o pesquisador ao constatar a relação entre as variáveis (mortalidade 
infantil e desnutrição) formulou uma hipótese? 
Agora que já sabemos como começar, vamos ver os tipos de trabalhos acadêmicos mais 
comuns. 
1. Relatório: é a parte final de uma pesquisa. Seu objetivo consiste em dar ao leitor o 
resultado completo do estudo, apresentando fatos, dados, procedimentos utilizados, 
resultados obtidos, chegando a certas conclusões e recomendações (RAMPAZZO, 2005). 
O Relatório está estruturado em: 
Elementos Pré-textuais (capa e folha de rosto): são aqueles que antecedem o texto co 
informações que ajudam na identificação e utilização do trabalho. 
Elementos Textuais (introdução, revisão de bibliografia, metodologia e conclusão): é a parte 
do trabalho em que é exposta a matéria, formando o corpo do trabalho 
\uf02d Introdução: escolha do assunto, delimitação, justificativa e objetivos; 
\uf02d Revisão da bibliografia: apresentação da pesquisa bibliográfica sobre o assunto; 
\uf02d Metodologia: procedimentos empregados para obtenção dos dados; 
\uf02d Conclusão: análise e interpretação dos dados. 
Elementos Pós-Textuais (Lista de referências usadas no texto, no qual, devem ser elaboradas 
conforme as normas da ABNT): são os elementos que complementam o trabalho e que 
figuram após a exposição do conteúdo, compondo a última parte deste. 
2. Comunicação Científica ou Paper: segundo a ABNT (1989), paper é um pequeno artigo 
científico elaborado sobre determinado tema ou resultados de um projeto de pesquisa. É 
utilizado nas comunicações em congressos e reuniões científicas, sujeitos à sua aceitação por 
julgamento. 
A finalidade de um paper é formar um problema, estudá-lo, adequar hipóteses, cotejar dados, 
prover uma metodologia própria e, finalmente, concluir ou eventualmente recomendar. 
Por ser bastante técnico, o paper pode conter fórmulas, gráficos, citações e pés de página, 
anexos, adendos e referências. 
A última coisa que se destaca neste tipo de trabalho é a opinião do autor. Por isso, em um 
paper, o julgamento de quem o escreveu é velado e tem a aparência imparcial e distante, não 
deixando transparecer tão claramente as crenças e as preferências do escritor. 
Conforme Carmo-Neto (1996), os dados de um paper são geralmente experimentais, 
mensuráveis objetivamente. Mesmos os mais intuitivos ou hipotéticos sempre imprimem certo 
aspecto científico e quase sempre são formados a partir de uma metodologia própria para 
aquele fim. 
3. Seminário: é um procedimento didático que consiste em levar o aluno a pesquisar a 
respeito de um tema, a fim de apresentá-lo e discuti-lo cientificamente. 
Poderá funcionar com um só grupo ou dividir-se em subgrupos, dedicando cada um deles ao 
estudo de aspectos particulares de um mesmo tema ou temas diferentes de uma disciplina. 
Cada integrante terá uma tarefa individualizada. 
Neste caso, a exposição poderá ficar a cargo de um representante do grupo ou poderá haver 
a apresentação de cada integrante individualmente. 
Para a dinâmica desta atividade em grupo, Eva Maria Lakatos (2004) sugere que o trabalho 
seja organizado com os seguintes participantes: 
Coordenador: é representado pelo professor. É ele que propõe os temas, indica a bibliografia 
inicial, estabelece a agenda de trabalho e fixa a duração das apresentações. 
Organizador: é representado por um integrante do grupo. Este ficará responsável pelas 
reuniões, coordenará as etapas da pesquisa e poderá designar tarefas para cada componente 
do grupo. 
Relator: será o componente responsável pela exposição dos resultados dos estudos do grupo, 
porém não é o único a falar em sala de aula. 
Secretário: será representado pelo integrante designado pelo professor para anotar as 
conclusões finais, após os debates. 
Comentadores: são os escolhidos pelo professor para o aprofundamento crítico do tema. 
Devem estudar com antecedência o tema a ser apresentado com o intuito de fazer críticas 
adequadas à exposição, antes da discussão e por ocasião do debate com os demais 
participantes. 
Debatedores: são todos os alunos da classe. Participam fazendo perguntas, pedindo 
esclarecimentos, colocando objeções, reforçando argumentos ou dando alguma contribuição. 
Etapas do Seminário 
O coordenador propõe o estudo, indicando a bibliografia mínima. Ele também formaliza os 
grupos e escolhe a figura do comentador e do secretário. 
O grupo formado escolherá o organizador e decidirá o número de relatores. Após esta etapa 
inicial, o grupo organizará reuniões sucessivas, sob a orientação do organizador para: 
\u2022 Determinar o tema central (\u2015o fio condutor\u2016); 
\u2022 Dividir o tema central em tópicos; 
\u2022 Analisar o material coletado; 
\u2022 Sintetizar as ideias dos diferentes autores, divididas sob a forma de introdução (breve 
exposição do tema central), desenvolvimento (explicação, discussão e demonstração), 
conclusão (síntese de toda a reflexão) e referências (de acordo com as normas da 
ABNT). 
Depois do que analisamos, podemos concluir que a atividade do seminário se resume em: 
\uf0b7 Reunião da classe sob a orientação do coordenador; 
\uf0b7 Apresentação dos resultados da pesquisa do(s) relator(es), em aula; 
\uf0b7 Após a exposição, intervenção do comentador com os subsídios e críticas; 
\uf0b7 Participação da classe nas discussões e debates, através de indagações, sugestões e/ou 
dúvidas; 
\uf0b7 Para