Anatomia Unid I LIVRO
48 pág.

Anatomia Unid I LIVRO


DisciplinaAnatomia I39.035 materiais288.294 seguidores
Pré-visualização7 páginas
ossos dos membros superiores e inferiores e unindo os dois esqueletos, 
as cinturas (ou cíngulos ou raízes), totalizando 114 ossos. Localizam\u2011se:
\u2014 nos membros superiores;
\u2014 nos membros inferiores.
A B
Figura 22 
27
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Entretanto, o esqueleto apendicular é unido ao esqueleto axial por meio dos cíngulos, totalizando 
seis ossos:
\u2022 cíngulo do membro superior: composto pela clavícula e pela escápula;
\u2022 cíngulo do membro inferior: composto pelo osso do quadril.
3.4 Número de ossos
No indivíduo adulto, o número total de ossos é 206; todavia, alguns fatores podem alterar esse número:
\u2022 Fatores hereditários: do nascimento à senilidade, há uma diminuição do número de ossos, uma 
vez que dois ou mais ossos podem se unir. Por exemplo, no feto, o osso frontal é formado por 
dois ossos, mas no adulto, somente por um; o feto apresenta três ossos no quadril: o ílio, o ísquio 
e o púbis, mas o adulto apresenta a união desses três ossos, compondo o osso do quadril. Além 
disso, em indivíduos idosos, há uma tendência à união de dois ou mais ossos do crânio, com isso 
diminuindo o número e determinando um processo denominado sinostose.
Figura 23 
\u2022 Fatores individuais: em alguns indivíduos, pode haver persistência da divisão do osso frontal no 
adulto (a persistência dos dois ossos no indivíduo adulto indica a presença da sutura metópica, 
assim, nesse caso, o indivíduo passa a apresentar 207 ossos) e a presença de ossos extranumerários, 
como no caso da polidactilia, ou ainda ausência de ossos, como no caso de indivíduos que se 
apresentam sem um membro.
28
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 24 
\u2022 Critérios de contagem: os anatomistas utilizam às vezes critérios pessoais para a contagem dos 
ossos; consideram ou não a patela, os ossículos da orelha média (martelo, estribo e bigorna) etc.
Figura 25 
3.5 Tipos de ossos: classificação morfológica
Os ossos longos são quando o comprimento excede a largura e espessura. Por exemplo: rádio, ulna, 
úmero, fêmur, tíbia, fíbula, metacarpais e metatarsais, falanges etc. As principais características é que 
possuem um corpo (diáfise) e duas extremidades (epífises proximal e distal), normalmente compondo 
uma articulação e um canal medular.
29
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Figura 26 
Os ossos alongados são quando o comprimento excede a largura e a espessura, porém não têm 
canal medular. Por exemplo: costelas e clavícula.
Figura 27 
Os ossos curtos apresentam as três dimensões aproximadamente iguais. Por exemplo: ossos do 
carpo e tarso, patela.
30
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 28 
Os sesamoides são um tipo de osso curto, situado geralmente no interior de um músculo estriado 
esquelético (no tendão) ou observado ao redor de algumas articulações sinoviais (nas cápsulas articulares, 
geralmente nas articulações interfalângicas). Por exemplo: patela.
Figura 29 
O plano tem comprimento e largura equivalentes, predominando sobre a espessura. Tem duas 
camadas de osso compacto com uma camada média de osso esponjoso e medula óssea. Além disso, não 
apresenta canal medular. Por exemplo: esterno, escápula, frontal, parietal, occipital etc.
31
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Figura 30 
O osso irregular apresenta morfologia complexa, que não encontra correspondência em formas 
geométricas conhecidas. Por exemplo: vértebras, osso do quadril, esfenoide, temporal.
Figura 31 
Os ossos pneumáticos são aqueles que contêm cavidades ou seios revestidos por mucosa e 
preenchidos por ar. Por exemplo: maxila, frontal, esfenoide e etmoide.
32
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 32 
3.6 Estrutura dos ossos
Substância óssea
A substância óssea pode ser compacta, formada por trabéculas ósseas imediatamente aplicadas 
umas às outras sem cavidades, ou esponjosa, formada por lâminas de diferentes orientações que 
entram em contato apenas em certos pontos, deixando entre si um sistema de pequenas cavidades, nas 
quais acumula\u2011se medula óssea. Apresenta\u2011se com o aspecto de esponja.
Figura 33 
Medula óssea
A medula óssea é um tecido mole, de consistência polposa, observado em todas as cavidades da 
substância óssea, quer seja no canal medular ou na substância esponjosa dos diferentes tipos de ossos. A 
33
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
função é contribuir juntamente com outros órgãos para a formação de células do sangue. Apresenta\u2011se 
vermelha (medula óssea rubra) e amarela (medula óssea flava).
\u2022 Medula óssea vermelha: ocupa todas as cavidades dos ossos do feto; no adulto, encontra\u2011se no 
interior do esterno, vértebras, costelas, ossos do quadril e epífises de alguns ossos longos.
\u2022 Medula óssea amarela: ocupa quase a totalidade das cavidades ósseas do adulto, principalmente 
no canal medular dos ossos longos. Composta por tecido adiposo, sem a propriedade de produzir 
células sanguíneas.
Figura 34 
 Saiba mais
O Programa de Doação de Medula da Óssea pode salvar vidas. Acesse o 
site para maiores informações:
<www.ameo.org.br>.
3.7 Periósteo
Os ossos são revestidos externamente em toda extensão, exceto nas superfícies articulares, 
por uma membrana fibrocelular com aspecto esbranquiçado, sendo sua espessura proporcional às 
dimensões ósseas.
34
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Apresenta duas camadas: uma superficial, fibrosa, externa, bastante resistente, por meio do 
qual os tendões e ligamentos se fixam nos ossos, e uma profunda, interna, celular, a camada 
osteogênica, responsável pelo crescimento em espessura do osso e pela reparação óssea em caso 
de fraturas ou fissuras.
Figura 35 
 Observação
Para que seja possível um processo de recuperação de uma fratura 
óssea, é necessário que, inicialmente, seja realizada uma limpeza da região. 
Esse procedimento é realizado por células conhecidas como macrófagos. 
4 MINIATLAS DE OSTEOLOGIA
Figura 36 
35
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Figura 37 
Figura 38 
Figura 39 
36
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 40 
Figura 41
37
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Figura 42 
Figura 43 
38
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 44 
Figura 45 
Figura 46 
39
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
ANATOMIA
Figura 47 
Figura 48 
Figura 49 
40
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: J
ef
fe
rs
on
 -
 0
7/
07
/1
6
Unidade I
Figura 50 
Figura 51 
41
Re
vi
sã
o:
 A
lin
e 
- 
Di