AULA DE ERGONOMIA   enviar
86 pág.

AULA DE ERGONOMIA enviar


DisciplinaErgonomia e Segurança do Trabalho615 materiais2.493 seguidores
Pré-visualização4 páginas
danos materiais e econômicos à empresa. 
 
 
A definição prevencionista não limita o acidente à 
ocorrência de uma lesão física no trabalhador, 
todo acidente deve ser considerado importante, 
mesmo aqueles em que não há lesão. 
 
 
Busca-se eliminar a ocorrência destes, ampliando 
o registro das ocorrências com ou sem lesão. 
 
 
ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO OU 
PREVENTIVA: 
Visa à elaboração de propostas e recomendações - 
fundamentadas em estudos e pesquisas, para o 
estabelecimento de especificações e exigências ergonômicas 
\u2013 a serem utilizadas no planejamento de máquinas, 
instrumentos e sistemas produtivos. 
 
ICEBERG DOS ACIDENTES DE TRABALHO 
CAUSA DOS ACIDENTES 
 
As causas dos acidentes sempre foram tema de 
debates no âmbito da segurança do trabalho. 
Entretanto, as discussões se restringiam muitas vezes 
ao campo dos custos econômicos dos acidentes. 
 
Em 1930, entretanto, H. W. Heinrich iniciou alguns 
estudos mais aprofundados sobre o tema, sendo que 
sua teoria pode ser considerada precursora das que 
atualmente são utilizadas no mundo da segurança do trabalho. 
 
 
HEINRICH 
Realizou investigações para verificar a relação entre acidentes 
com danos materiais (sem lesão) e acidentes com lesão 
incapacitante (inapto, incapaz, inaptidão, inabilidade). 
 
A pesquisa realizada concluiu que há sempre um causador 
anterior. Descobriu também que nem sempre o homem se 
encontra preparado para executar a atividade e acaba por 
cometer atos inseguros. 
 
 
Além disso, existem condições inseguras que comprometem a 
segurança, portanto, os atos inseguros e as condições inseguras 
constituem o fator principal na causa dos acidentes. 
 
 
SUA PESQUISA APRESENTOU OS 
SEGUINTES RESULTADOS: 
 
 
Para cada lesão incapacitante (inapto, incapaz, 
inaptidão, inabilidade), havia 29 lesões menores e 300 
acidentes sem lesão 
 
 
Heinrich, durante seu estudo, comparou as causas de 
acidentes às peças de um dominó. 
 
 
Caso não se consiga eliminar alguns traços de personalidade 
negativos, poderá ocorrer a produção de atos inseguros e 
condições inseguras, que poderão ocasionar acidentes de trabalho. 
 
CASO ISSO OCORRA, TOMBA-SE A PEDRA 
\u201cPERSONALIDADE\u201d E ELA OCASIONARÁ A QUEDA, 
EM SUCESSÃO, DE TODAS AS SEGUINTES. 
 
\uf0d8 Deve-se considerar a dificuldade extrema de modificar a 
personalidade dos trabalhadores; 
 
\uf0d8 Portanto, a tentativa de se eliminar as falhas humanas no 
ambiente laboral é um grande desafio; 
 
\uf0d8 Dessa maneira, deve-se buscar principalmente a eliminação 
das causas de acidentes, sem se ater primeiramente à meta 
de modificar a personalidade dos indivíduos. 
 
 
É IMPORTANTE QUE AS CONDIÇÕES INSEGURAS, NO 
AMBIENTE DE TRABALHO, SEJAM ELIMINADAS POR 
COMPLETO; 
 
DEVE-SE, TAMBÉM, CAPACITAR OS OPERÁRIOS PARA QUE 
NÃO PRATIQUEM ATOS INSEGUROS. 
 
ISTO SE CHAMA A BUSCA POR UMA \u201cCULTURA DE 
SEGURANÇA\u201d, OU SEJA, A PRÁTICA DA SEGURANÇA, EM 
SUAS VIDAS, DEVERÁ TRANSFORMAR O HÁBITO DOS 
TRABALHADORES. 
 
 
Se conseguirmos eliminar as causas dos 
acidentes, a personalidade das pessoas poderá 
mudar e o resultado será um ambiente de trabalho 
provavelmente mais seguro para todos. 
 
 
PREVENÇÃO 
TRÊS FATORES CAUSADORES DE 
ACIDENTES: 
 
a) Condições inseguras, inerentes às instalações, 
como máquinas e equipamentos; 
 
b) Atos inseguros, entendidos como atitudes 
indevidas do elemento humano; 
 
c) Eventos catastróficos, como inundações, 
tempestades, atos de sabotagem etc. 
 
 
PARA OS PREVENCIONISTAS, AS CAUSAS 
DE ACIDENTES: 
\u2022 Constituem nos fatores que, se fossem 
removidos antecipadamente do ambiente de 
trabalho, teriam evitado os acidentes. 
 
\u2022 Podem se originar por fatores pessoais ou 
ambientais. Geralmente, constituem-se na união 
desses dois e, na análise dos acidentes, devem 
ser consideradas causas humanas e 
tecnológicas (ato inseguro e condição insegura). 
 
 
 
 
DEVIDO A ESSA FACETA DUPLA DAS 
CAUSAS DE ACIDENTE 
 
 
\uf0fc Existe a necessidade do envolvimento de 
profissionais de outras áreas, principalmente de 
Ciências Humanas, para se obter uma evolução 
nesse setor. 
\uf0fc As formas de comportamento, que devem ser 
levadas em consideração no esforço de 
prevenir atos inseguros, deverão ser analisadas 
de modo bastante abrangente. 
 
 
 
 
PREVENÇÃO DE PERDAS 
 
 
Até a época da Revolução Industrial, percebe-se que 
basicamente a preocupação era em reparar monetariamente o 
dano causado à integridade física do trabalhador, mas não 
havia a preocupação em ações para que tais danos não 
ocorressem. Não se discutia a prevenção. 
 
 
 
PREVENÇÃO DE PERDAS 
Isso ficou bem caracterizado com os estudos de Heinrich (1930), 
que, trabalhando em uma companhia de seguros, observou os 
altos custos representados pelas indenizações decorrentes de 
acidentes e doenças do trabalho. 
 
 
 
\uf0d8 Heinrich (1930) pode ser considerado o precursor do 
prevencionismo e desenvolveu uma série de ideias e formas 
de gerenciamento dos problemas relativos à ocorrência dos 
acidentes e doenças dentro das empresas, enfocando a 
prevenção acima de tudo. 
 
 
 
 
IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE 
SEGURANÇA 
 
 
Antes da implantação de um método ou programa novo, é 
importante que seja feito um mapeamento da situação 
inicial da organização (diagnóstico organizacional), a fim de 
verificar quais são as reais necessidades da empresa. 
 
 
\uf0d8 Se já existe algum programa em andamento, deve-se 
analisar para ver se o mesmo está sendo realizado de 
forma correta e eficaz. Isso é possível por meio da 
caracterização de perfis dos programas de prevenção 
existentes. 
\uf0d8 Para que um perfil possa fornecer, de forma adequada, 
essas informações, o mesmo deve ser dividido em 
seções que contenham os vários itens ou pontos que 
possam ser abrangidos pelo programa de prevenção. 
 
 
PARA ESSES ITENS, SÃO FORMULADAS 
ALGUMAS QUESTÕES... 
...as quais, quando respondida, permitirão 
determinar o grau de execução ou de implantação 
em que se encontra o programa analisado... 
...É necessário, portanto, adotar uma escala de 
avaliação que permita a gradação do item que foi 
implantado, a exemplo da escala sugerida por 
Fletcher: 
A ESCALA FLETCHER: 
*Com a escala de Fletcher, é possível determinar a pontuação 
obtida em cada setor ou seção, a qual representa a situação 
corrente da empresa, em termos de desempenho. 
DETERMINAÇÃO DAS PRIORIDADES 
De posse do perfil do programa estabelecido, pode-se 
confrontar a situação corrente, da organização, e a 
situação ideal esperada para cada seção, com isso os 
gestores podem determinar as prioridades de intervenção. 
 
 
 
No resultado do confronto dessas situações, ficam claras 
as não conformidades e a possível deficiência do programa 
executado, que permite fazer a priorização das seções que 
necessitam de maiores esforços. 
ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE AÇÃO 
Após estabelecidas as partes com maior prioridade de 
intervenção, faz-se necessário elaborar o respectivo plano 
de ação para cada uma delas. 
O principal objetivo será o de prevenir e controlar as 
perdas reais e potenciais, provenientes dos acidentes. 
ERGONOMIA 
75 
Ergonomia = Ciência do Conforto 
ORIGEM DA ERGONOMIA 
ERGONOMIA (FATORES HUMANOS) 
 A figura abaixo mostra a origem da ergonomia, a partir do inter-
relacionamento entre os diversos campos de conhecimento e disciplinas 
científicas envolvidas: