2017818 21590 APOSTILA+LOGÍSTICA+(1)
77 pág.

2017818 21590 APOSTILA+LOGÍSTICA+(1)


DisciplinaLogística20.844 materiais76.566 seguidores
Pré-visualização16 páginas
de quantidades requeridas para reposição de estoque. Os custos de 
pedir são definidos em termos monetários por pedido; 
 
b) Custos de manter estoque- Estão associados a todos os custos necessários 
para manter certa quantidade de mercadorias por um período de tempo; e 
 
c) Custo total- É definido como a soma dos custos de pedir e de manter estoque. 
 
6.2.3 OBJETIVOS DO ESTOQUE 
 
a) Objetivos de Custo - O objetivo é encontrar um plano de suprimento que 
minimize o custo total; 
 
b) Objetivos de Nível de pedir- O objetivo é obter o máximo equilíbrio entre a 
produção e o custo total de estoque, de um lado, e o nível de serviço prestado 
aos clientes, de outro lado. 
 
6.2.4 ALGUNS CONCEITOS E TÉCNICAS DE CONTROLE DE ESTOQUE 
 
a) Métodos de empurrar estoque (tipo push)- Um método popular de gestão de 
inventário, especialmente quando há mais de um depósito no sistema de 
distribuição, é alocar estoques aos armazéns conforme a necessidade esperada 
nos mesmos. Este enfoque é particulamente vantajoso quando os lotes 
35 
 
 
Logística Empresarial 
 
econômicos de produção ou compra são maiores que as necessidades de curto 
prazo dos depósitos. As questões básicas que o método deve responder são: 
quanto estoque deve ser enviado para cada depósito? Como alocar as sobras do 
balanço entre oferta e demanda entre os diversos armazéns? 
 
b) Métodos de puxar estoques (tipo pull) - Pode-se manter controle mais apurado 
dos estoques se cada local de armazenagem for tratado separadamente dos 
outros. Apenas o estoque necessário para atender a demanda daquele ponto 
precisa ser mantido. 
 
\uf0b7 Estoque para demanda- Um dos sistemas de puxar estoques mais simples e 
comum. Muitos métodos de fácil entendimento, apesar de não serem os 
teoricamente mais eficientes, são os melhores na prática, pois são sempre 
bem executados. A idéia básica do método é manter os níveis de inventário 
proporcionais a sua demanda. 
 
\uf0b7 Ponto de Reposição- Conhecido também como método do estoque mínimo, 
objetiva manter investimento ótimo em estoques. Ou seja, caso o estoque 
esteja muito elevado, os custos de sua manutenção serão excessivos. Caso 
esteja muito baixo, podem-se perder vendas ou ocasionar freqüentes paradas 
na produção. 
 
6.3 JUST IN TIME (JIT) 
 
Visa atender a demanda instantaneamente, com qualidade e sem desperdícios. Ele 
possibilita a produção eficaz em termos de custo, assim como o fornecimento da 
quantidade necessária de componentes, no momento e em locais corretos, 
utilizando o mínimo de recursos. 
 
A técnica JIT é vantajosa quando (1) os produtos têm alto valor unitário e 
necessitam de alto nível de controle, (2) necessidades ou demandas são conhecidas 
com alto grau de certeza, (3) os tempos de reposição são pequenos e conhecidos e 
36 
 
 
Logística Empresarial 
 
(4) não há benefício econômico em suprir-se com quantidades maiores que as 
requeridas. 
 
O JIT requer os seguintes princípios: 
 
a) Qualidade - deve ser alta porque distúrbios na produção por erros de qualidade 
reduzirão o fluxo de materiais; 
 
b) Velocidade - essencial em caso de pretender atender à demanda dos clientes 
diretamente conectados com a produção, em vez de por meio dos estoques; 
 
c) Confiabilidade - pré-requisito para se ter um fluxo rápido de produção; 
 
d) Flexibilidade - importante para que se consiga produzir em lotes pequenos, 
atingir fluxo rápido e lead time curtos; 
 
e) Compromisso - Essencial comprometimento entre fornecedor e comprador de 
modo que o cliente receba sua mercadoria no prazo e no local determinado sem 
que haja qualquer tipo de problema em seu processo de entrada de mercadorias 
para venda. 
 
6.4 MOVIMENTAÇÃO 
 
A análise de terceirização ou não das atividades de armazenagem está diretamente 
ligada à crítica dos seguintes itens::Foco da organização, Nível de risco estratégico, 
Gerenciamento: disponibilidade e filosofia, Capital: custo e disponibilidade, Mão-de-
obra, Flexibilidade, Controle. 
 
Mas ainda podemos focar claramente que a decisão em realizar o processo de 
armazenagem e, consequentemente, a movimentação de materiais foca-se em duas 
contundentes perguntas: Sua organização possui, atualmente, gerenciamento 
suficiente para uma nova operação de armazenagem? Se a resposta for não, qual é 
o risco de uma terceirização com pessoas desconhecidas? 
 
37 
 
 
Logística Empresarial 
 
6.4.1 PRINCÍPIOS DA MOVIMENTAÇÃO 
 
1. Princípio do planejamento: É necessário determinar o melhor método, do ponto 
de vista econômico, para a movimentação de materiais, considerando-se as 
condições particulares de cada operação. 
 
2. Princípio do sistema integrado: Devemos planejar um sistema que integre o 
maior número de atividades de movimentação, coordenando todo o conjunto de 
operação. 
 
3. Princípio do fluxo de materiais: É fundamental planejar o fluxo contínuo e 
progressivo dos materiais. 
 
4. Princípio da simplificação: Devemos procurar sempre reduzir, combinar ou 
eliminar movimentação e/ou equipamentos desnecessários. 
 
5. Princípio da gravidade: A força motora mais econômica é a gravidade. Ao 
armazenar, lembre-se de usá-la para evitar empilhadeiras, esteiras etc. 
 
6. Princípio da utilização dos espaços (Princípio da verticalização): O 
aproveitamento dos espaços verticais contribui para o descongestionamento das 
áreas de movimentação e para a redução dos custos da armazenagem. 
 
7. Princípio do tamanho da carga (Unitização): A economia em movimentação de 
materiais é diretamente proporcional ao tamanho da carga movimentada. 
 
8. Princípio da segurança: A produtividade aumenta conforme as condições de 
trabalho tornam-se mais seguras. 
 
9. Princípio da mecanização - automação: Usar equipamento de movimentação 
mecanizado ou automático sempre que possível e viável. 
 
38 
 
 
Logística Empresarial 
 
10. Princípio da seleção de equipamento: Na seleção do equipamento de 
movimentação, considerar todos os aspectos do material a ser movimentado, o 
movimento a ser realizado e o(s) método(s) a ser(em) utilizado(s). 
 
11. Princípio da padronização: Padronizar métodos, bem como tipos e tamanhos 
dos equipamentos de movimentação e das cargas utilizadas. 
 
12. Princípio da flexibilidade: Procurar sempre equipamentos versáteis, pois o seu 
valor é diretamente proporcional à sua flexibilidade. 
 
13. Princípio do peso morto: Quanto menor for o peso próprio do equipamento 
móvel em relação à sua capacidade de carga, mais econômicas serão as condições 
operacionais. 
 
14. Princípio do tempo ocioso: Reduzir tempo ocioso ou improdutivo, tanto do 
equipamento quanto da mão-de-obra empregada na movimentação de materiais. 
 
15. Princípio da movimentação: O equipamento projetado para movimentar 
materiais deve ser mantido em movimento. 
 
16. Princípio da manutenção: Planejar a manutenção preventiva e corretiva de 
todos os equipamentos de movimentação. 
 
17. Princípio da obsolescência: Substituir os métodos e equipamentos de 
movimentação obsoletos sempre que métodos e equipamentos mais eficientes 
vierem a melhorar as operações. 
 
18. Princípio do controle: Empregar o equipamento de movimentação de materiais 
para melhorar o controle de produção, controle de estoques e preparação de 
pedidos. 
 
19. Princípio da capacidade: Usar equipamentos de movimentação para auxiliar a 
atingir a plena capacidade de produção. 
39 
 
 
Logística Empresarial 
 
20. Princípio de desempenho: Determinar a eficiência da movimentação de 
materiais em termos de custo por