ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA DE GESTÃO DE OBRAS PÚBLICAS REFERÊNCIA
8 pág.

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA DE GESTÃO DE OBRAS PÚBLICAS REFERÊNCIA


DisciplinaGestão de Obras e Logística8 materiais85 seguidores
Pré-visualização3 páginas
como, gerenciar os planos de pequeno e médio prazo. Geralmente, um planejamento caracteriza-se pelas obras ou serviços de grande vulto e/ou volume. Mas vale ressaltar que elaborar um plano não significa, necessariamente, pensar somente em longo prazo, pois tudo o se que programa se torna mais eficaz. Portanto, segundo Montalvão (2013, p. 93), para a gestão de obras públicas o planejamento estratégico deve ser aplicado em um processo dinâmico, sistêmico, coletivo, participativo e contínuo tanto para a determinação dos objetivos e estratégias, assim como estabelecer as estratégias e ações mais eficazes. 
PLANO DE GOVERNO Antes de dar início às obras públicas, a administração tem por obrigação elaborar um programa de gestão ou um plano de governo que deve ser anunciado como uma política eleitoral, ainda no período da campanha, quando o candidato apresenta seus planos à comunidade. Após a eleição, esse plano deve ser colocado em prática, de acordo com as diretrizes orçamentárias e com as necessidades da população. O prefeito eleito para a gestão do munícipio terá um mandato de 04 (quatro) anos, prorrogável por mais 04 (quatro) em caso de reeleição, e para esse período deve apresentar suas metas e diretrizes que devem estar contidas no Plano Plurianual (PPA). Todo programa da Lei Orçamentária Anual (LOA), por intermédio d Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deverá estar inserido no PPA. Por isso o PPA, a LDO e a LOA são ferramentas do planejamento governamental e estão vinculados um ao outro.
 PLANO DIRETOR De acordo com o artigo 39, parágrafo 2º do Estatuto da Cidade, o Plano Diretor abrange todo o território municipal (as regiões urbanas e rurais) e está direcionado aos aspectos ambientais, turísticos, culturais, econômicos e sociais, de acordo com as questões municipais. O estatuto da cidade é exatamente a lei que regulamenta esse plano diretor (Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001) se configurando em uma gestão de política urbana. 
Capítulo 3 \u2013Implantação de Obras Públicas (p. 109) A palavra \u201cobras\u201d está ligada à construção civil e à execução. Já a palavra \u201cpública\u201d está relacionada à sociedade civil, às pessoas de uma coletividade e sua necessidade. Assim, entende-se que as obras públicas pressupõem a construção de uma determinada obra para um determinado público e/ou situação de uma coletividade.
ELABORAÇÃO DO PROJETO DE OBRAS PÚBLICAS A elaboração dos projetos é realizada por órgãos responsáveis pelo planejamento da cidade (como a secretaria de planejamento) ou outras instituições (como por exemplo o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) que deve obedecer às normas do Conselho Regional de Engenharia, Agronomia e Arquitetura (CREA). Os projetos fazem parte das diretrizes de um plano de governo e de um plano de obras, e posteriormente, são enviados à entidade, secretaria ou órgão responsável por sua execução.
 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DAS OBRAS PÚBLICAS O CONTROLE INTERNO na Administração Pública é entendido como o controle administrativo e suas respectivas competências. É uma ferramenta de utilidade pública, que visa não somente o controle, mas a transparência e autenticidade do que é executado pelo município.
 Já o CONTROLE EXTERNO, de acordo com os princípios da Administração Pública, é entendido aquele que é realizado por órgãos fiscalizadores externos, sendo que para os municípios, os fiscalizadores são o Tribunal de Contas do Estado da União, a Assembleia Legislativa e a Câmara Municipal.
 O CONTROLE SOCIAL é aquele que é exercido diretamente pela população interessada, acompanhando os gastos públicos, seja por direito (em audiências públicas ou por meio de orçamento participativo), e/ou por fiscalizar e monitorar o exercício do poder público na construção e na execução das obras públicas. O poder público deve fiscalizar as obras e para tal nomeia um engenheiro fiscal a quem cabe especificamente a medição e o monitoramento das características das obras e serviços. O acompanhamento das obras deve obedecer aos procedimentos definidos pelo Sistema da Qualidade. Em linhas gerais, este procedimento exige verificações do ponto de vista técnico \u2013 administrativo e o atendimento das cláusulas contratuais. 
INDICADORES DE QUALIDADE PARA AS OBRAS PÚBLICAS Segundo Minayo apud Montalvão (2013, p. 130) a qualidade de vida deve ser entendida como o \u201cconjunto dos elementos sociais, econômicos, físicos, políticos e culturais, com validade universal, que contribuem para o bem estar da população\u201d. A partir do momento que os indicadores de qualidade são satisfeitos, o ambiente se torna sustentável.
 A sustentabilidade, segundo o Estatuto da Cidade, (Brasil, 2002, p.163) é \u201co direito a cidades sustentáveis \u2013 ou seja, o direito aos meios de subsistência, à moradia, ao saneamento, à saúde, à educação, ao transporte público, à alimentação, ao trabalho, ao lazer e à informação.\u201d Segundo Montalvão (2013, p. 132), esses indicadores são fundamentais e estão envolvidos diretamente na gestão de obras públicas, compondo o plano de governo e o plano de metas de um gestor urbano. Para o administrador reconhecer e medir esses indicadores, algumas políticas públicas são necessárias, como para saber com o está a satisfação dos clientes em relação às obras públicas. Para que os serviços sejam prestados com qualidade e o atendimento aos cidadãos seja feito de maneira eficiente, é preciso que a gestão pública esteja atenta aos indicadores de satisfação, pois estes servirão de parâmetro para que o gestor saiba se as políticas públicas estão alcançando o objetivo desejado ou se há necessidade de alguma alteração para o cumprimento do estabelecido.
 Capítulo 4 \u2013 Procedimentos Licitatórios 
Licitação é o procedimento administrativo mediante o qual a Administração Pública seleciona a proposta mais vantajosa para o contrato de seu interesse. [...]
 É o meio técnico-legal de verificação das melhores condições para a execução de obras e serviços, compra de materiais e alienação de bens públicos. (Meirelles, 2006, p. 27) A licitação compreende várias modalidades, dentre elas: 
A concorrência, que é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que, na fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possuir os requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital para a execução de seu objeto. 
A Tomada de preços é a modalidade de licitação que ocorre entre interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para o cadastramento até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação. O prazo mínimo para o recebimento das propostas, ou o início do evento na modalidade de licitação é de 30 dias, para licitação com melhor técnica ou técnica e preço.
O convite é a modalidade de licitação entre os interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número de 3 (três) pela unidade administrativa.
O concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores, conforme os critérios do edital.
O leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou penhorados, ou para a alienação de bens imóveis.
 Entre os princípios que devem ser observados nos atos licitatórios, aquele considerado primordial é o Princípio da igualdade, que está previsto e confirmado no artigo 37, inciso XXI, da Constituição Federal de 1988. De acordo com o que determina a Lei nº 8666/1993, a primeira fase cronológica do procedimento licitatório compreende a divulgação aos interessados em participar da licitação. O objetivo é mostrar os itens e as regras do processo evitando que os interessados se candidatem sem apresentar os requisitos fixados no edital.
 Após a abertura da licitação/edital, que é a primeira fase do processo licitatório, chega-se