ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA DE GESTÃO DE OBRAS PÚBLICAS REFERÊNCIA
8 pág.

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA DE GESTÃO DE OBRAS PÚBLICAS REFERÊNCIA


DisciplinaGestão de Obras e Logística8 materiais85 seguidores
Pré-visualização3 páginas
à segunda fase que é a documentação, que consiste em uma série de requisitos exigidos pela administração pública às empresas, na comprovação e participação do processo licitatório. A administração pública estabelece em edital os parâmetros legais da participação para os licitantes, de acordo com as especificações técnicas, preços, formas e documentações exigidas. Esses requisitos deverão ser rigorosamente obedecidos, pois é a partir dessas informações e dados fornecidos pela administração que os proponentes realizarão suas propostas. Cada participante, de acordo com o objeto da licitação, indica em sua proposta a forma como a obra ou serviço será realizado, assim como seu preço. Nesta fase, dois fatores são importantes quanto às propostas: O primeiro é o da viabilidade, pelo qual o proponente deverá apresentar( condições viáveis de proposta quanto ao que a administração realmente precisa ou solicitou. O segundo é a conformidade no que diz respeito ao aspecto legal, sendo( que o proponente deverá agir conforme as normas estabelecidas.
 A Homologação é o ato de controle pelo qual a autoridade competente, a quem incumbir a deliberação final sobre o julgamento, confirma a classificação das propostas e adjudica o objeto da licitação ao proponente vencedor (art. 43, VI), é pois, o ato administrativo em que a autoridade superior reconhece a legalidade do processo de licitação e o declara válido. Segundo Montalvão (2013), a adjudicação é considerada a fase mais importante do processo licitatório, pois nela será aceita ou não a melhor proposta. A adjudicação pode ser definida como o ato que confere o aval ao contrato com o vencedor, determinando que este seja o adjudicatário para a efetivação do contrato com a administração, após a efetivação do mesmo.
 Capítulo 5 \u2013 Direitos e deveres na fiscalização de obras públicas (p.191) A fiscalização da obra e/ou serviço público está diretamente relacionada aos participantes legais envolvidos em um contrato administrativo. Assim, segundo Montalvão (2013) o contrato administrativo é um vínculo que existe entre as partes envolvidas em uma relação jurídica, entre os órgãos ou entidades da administração pública e particulares. Quando uma obra ou serviço é contratado pela administração, cabe a ela a fiscalização daqueles. Essa fiscalização consiste em acompanhar, supervisionar e aplicar procedimentos cabíveis quando necessários. Essa função cabe ao engenheiro fiscal.
 As políticas de descentralização do poder público têm o objetivo de incentivar a interação do cidadão com a gestão pública e, assim, a sociedade civil passa a ter participação nas decisões relacionadas aos assuntos importantes para ela. Para essa a efetiva participação nas decisões e realizações da gestão pública, é preciso que a população esteja em consonância com os demais atores, agindo de forma participativa e de \u201colhos abertos\u201d na fiscalização das obras e serviços oferecidos pelo município. Quanto ao ciclo das políticas públicas, as três formas de manifestações para a sua ocorrência são: a Implementação da política, programas, projetos e serviços; a inclusão de demandas na arena política e na agenda pública; planejamento da política. 
Capítulo 6 \u2013 Participação do poder local (p. 211) A rede associada à gestão participativa \u201cforma gestores locais e regionais, multiplica o conhecimento técnico, científico e humano dos diversos atores participantes nos diversos processos promovendo o desenvolvimento local\u201d (Arns, 2003, p. 3). Há algumas entidades que podem ser consideradas como uma TEIA DE RELACIONAMENTOS, como por exemplo os Clubes, as igrejas e as organizações não-governamentais, entre outras. 
A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO AMBIENTE DECIOSIONAL O ambiente decisional de uma comunidade compõe-se de uma estrutura de Decisores que são aqueles a quem foi formalmente ou normalmente o poder de decisão é delegado, e os Facilitadores que são praticantes do paradigma construtivista empenhado no apoio à decisão; sua função é facilitar e apoiar o processo de tomada de decisão. Os serviços essenciais disponibilizados a uma comunidade que se estabelecem apenas pela lei do mercado, sem a interferência do poder público, muitas vezes estão aquém das necessidades dessa mesma comunidade, o que pode aumentar as desigualdades sociais.
 CONSTRUÇÃO DO ESPAÇO SOCIAL E TERRITORIAL Assim, a possibilidade de participação da comunidade nas decisões referentes ao seu espaço territorial reflete na melhoria do seu espaço social. Pensando nessa melhoria, há alguns elementos de infraestrutura que podem melhorar o espaço territorial e consequentemente, o espaço social, são eles: o saneamento, a iluminação, a pavimentação e as edificações, que fazem parte dos serviços essenciais e são algumas das necessidades básicas que o indivíduo precisa para compor o seu estado. Por espaço territorial se entende a estrutura física que é ocupada pela comunidade em sua área de abrangência, e também um lugar em que o indivíduo precisa ser considerado como cidadão. 
MAPAS TEMÁTICOS Os mapas temáticos têm o propósito de contribuir para o planejamento urbano de uma cidade. Eles auxiliam na organização e na análise do espaço social e territorial. Dentre as ferramentas atuais que possibilitam a participação do cidadão na administração de seu município está o Portal Comunitário. Esta ferramenta é resultado Gestão Territorial Participativa. A internet proporciona às comunidades serviços que podem contribuir para a interdependência e para a agilidade nos negócios, eliminando barreiras de tempo e de espaço e proporcionando conveniência e conforto ao cidadão (Rech Filho apud Montalvão, 2013). Entretanto, uma grande parte da população ainda não tem acesso à internet e, portanto, é marginalizada. Esse fenômeno é denominado de \u201cexclusão digital\u201d, que por sua vez, está relacionada de forma proporcional e direta com a exclusão social dos indivíduos.
 AUDIÊNCIAS PÚBLICAS As audiências públicas funcionam com a participação efetiva da sociedade juntamente com os representantes políticos, em um determinado local e tendo em vista um determinado assunto. As audiências públicas constituem-se em importante ferramenta para a Gestão Participativa, portanto, fazem parte desse novo modelo de administração, onde é primordial a participação do cidadão nos processos políticos. Uma política participativa, voltada para as questões dos recursos financeiros, traz \u201cnovas perspectivas dos setores público e privado, dada a necessidade de se recorrer a novas tecnologias para a consolidação das mudanças desejadas.\u201d (Rocha apud Montalvão, 2013). Além dessa iniciativa, as parcerias público-privadas ocorrem também na área de obras e serviços de engenharia, assim como nos incentivos ao treinamento profissional de seus colaboradores (servidores), entre outros.