estudo da  lei de drogas
30 pág.

estudo da lei de drogas


DisciplinaDireito Penal I67.378 materiais1.087.285 seguidores
Pré-visualização14 páginas
em que se desenvolveu a 
ação, às circunstâncias sociais e pessoais, bem como à conduta e aos antecedentes do 
agente. 
 
- Dispositivo importante, pois traça critérios para distinguir o traficante do usuário: 
 
NATUREZA E 
QUANTIDADE 
LOCAL E CONDIÇÕES CIRCUNSTÂNCIAS SOCIAIS E 
PESSOAIS 
CONDUTA E 
ANTECEDENTES 
 
 
 
 
 
 
 
6 
WWW.FOCANORESUMO.COM 
 MARTINA CORREIA 
\uf0b7 DA REPRESSÃO À PRODUÇÃO NÃO AUTORIZADA E AO TRÁFICO ILÍCITO DE DROGAS 
 
- Em primeiro lugar, não se pode esquecer o elemento normativo do tipo presente em toda e 
qualquer atividade relacionada a drogas: \u2018sem prévia autorização da autoridade competente\u2019 (art. 
31). 
 
Art. 32. As plantações ilícitas serão imediatamente destruídas pelo delegado de polícia na 
forma do art. 50-A, que recolherá quantidade suficiente para exame pericial, de tudo 
lavrando auto de levantamento das condições encontradas, com a delimitação do local, 
asseguradas as medidas necessárias para a preservação da prova. 
§1º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.961, de 2014) 
§2º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.961, de 2014) 
§3º Em caso de ser utilizada a queimada para destruir a plantação, observar-se-á, além das 
cautelas necessárias à proteção ao meio ambiente, o disposto no Decreto no 2.661/1998, no 
que couber, dispensada a autorização prévia do órgão próprio do Sistema Nacional do Meio 
Ambiente - Sisnama. 
§4º As glebas cultivadas com plantações ilícitas serão expropriadas, conforme o disposto no 
art. 243 da Constituição Federal, de acordo com a legislação em vigor. 
 
- Renato Brasileiro entende que é necessária a prévia autorização judicial para a destruição das 
drogas. Ele explica que o caput do art. 32 diz que a destruição imediata das plantações ilícitas deve 
ser executada pelo delegado de polícia na forma do art. 50-A. Este, por sua vez, dispõe que a 
destruição de drogas apreendidas sem a ocorrência de prisão em flagrante será feita por incineração, 
no prazo máximo de 30 dias contado da data de apreensão, guardando-se amostra necessária à 
realização do laudo definitivo, aplicando-se, no que couber, o procedimento dos §§3º a 5º do art. 50. 
O §3º do art. 50, por sua vez, dispõe que a destruição de drogas apreendidas deve ser determinada 
pela autoridade judiciária competente. Logo, conclui que é necessária prévia determinação judicial. 
Todavia, a doutrina majoritária (e o CESPE) entendem que é desnecessária a autorização judicial. 
- O procedimento de expropriação das propriedades cultivadas com plantações ilícitas na Lei 
8.257/91. Atenção à mudança na redação do art. 243 da CF/88: 
 
ANTES DA EC 81/2014 DEPOIS DA EC 81/2014 
Art. 243. As glebas de qualquer região do País onde 
forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas 
serão imediatamente expropriadas e especificamente 
destinadas ao assentamento de colonos, para o cultivo 
de produtos alimentícios e medicamentosos, sem 
qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de 
outras sanções previstas em lei. 
Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor 
econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito 
de entorpecentes e drogas afins será confiscado e 
reverterá em benefício de instituições e pessoal 
especializados no tratamento e recuperação de viciados e 
no aparelhamento e custeio de atividades de fiscalização, 
controle, prevenção e repressão do crime de tráfico 
dessas substâncias. 
Art. 243. As propriedades rurais e urbanas de 
qualquer região do País onde forem localizadas 
culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou a 
exploração de trabalho escravo na forma da lei 
serão expropriadas e destinadas à reforma 
agrária e a programas de habitação popular, sem 
qualquer indenização ao proprietário e sem 
prejuízo de outras sanções previstas em lei, 
observado, no que couber, o disposto no art. 5º. 
Parágrafo único. Todo e qualquer bem de valor 
econômico apreendido em decorrência do tráfico 
ilícito de entorpecentes e drogas afins e da 
exploração de trabalho escravo será confiscado e 
reverterá a fundo especial com destinação 
específica, na forma da lei. 
 
 
7 
WWW.FOCANORESUMO.COM 
 MARTINA CORREIA 
- O \u201ctráfico de drogas\u201d engloba as condutas previstas no art. 33, caput e §1º, art. 34 e art. 36 (crimes 
equiparados a hediondo). 
- O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA NÃO PODE SER APLICADO AO TRÁFICO DE DROGAS. 
 
Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, 
produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, 
oferecer, ter em depósito, transportar, trazer 
consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a 
consumo ou fornecer drogas, ainda que 
gratuitamente, sem autorização ou em desacordo 
com determinação legal ou regulamentar: 
 
Pena - reclusão de 5 a 15 anos e pagamento de 500 
a 1.500 dias-multa. 
 
 
- CRIME EQUIPARADO A HEDIONDO. 
- Crime de ação múltipla ou de conteúdo variado (28 
núcleos). Se praticar um núcleo ou mais de um 
núcleo, haverá crime único, e não concurso de 
crimes. 
- Algumas condutas são permanentes. 
- Tráfico de drogas nas dependências da 
administração militar: art. 290 do CPM. 
- Se a finalidade é ter a posse da droga para consumo 
pessoal: art. 28. 
- Atenção ao \u201cainda que gratuitamente\u201d (não precisa 
haver finalidade especial). 
- Competência da Justiça Estadual, salvo se o tráfico 
for internacional (Justiça Federal). 
- Os crimes praticados nos Municípios que não sejam 
sede de vara federal serão processados e julgados na 
vara federal da circunscrição respectiva (art. 70). 
FIGURAS EQUIPARADAS AO TRÁFICO DE DROGAS (também são equiparados a hediondos) 
§1º Nas mesmas penas incorre quem: 
I - Importa, exporta, remete, produz, fabrica, 
adquire, vende, expõe à venda, oferece, fornece, 
tem em depósito, transporta, traz consigo ou 
guarda, ainda que gratuitamente, sem autorização 
ou em desacordo com determinação legal ou 
regulamentar, matéria-prima, insumo ou produto 
químico destinado à preparação de drogas; 
- Prevalece que as condutas listadas no §1º são 
subsidiárias, de forma que o agente só pode por elas 
ser punido se sua conduta não se enquadrar no 
caput. Assim, ainda que praticadas no mesmo 
contexto, não há concurso material entre os crimes 
do caput e do §1º. Há apenas um crime (progressão 
criminosa). 
- O inciso II abrange não apenas substâncias 
destinadas exclusivamente à preparação da droga, 
mas também aquelas que, eventualmente, se 
prestem a essa finalidade. É necessário o exame 
pericial para atestar essa condição. 
- Prevalece que o inciso III abrange apenas locais 
abertos ao público e privados. Não estão abrangidos 
os locais públicos de uso comum. 
- A conduta (III) só estará tipificada se o local for 
utilizado ou cedido para o tráfico de drogas (não se 
relaciona à utilização do local para o uso indevido de 
droga, conduta que deve ser analisada à luz do art. 
33, §2º). 
- Se o agente que permite que outrem utilize de seu 
imóvel para a prática do crime de associação para o 
tráfico (art. 35), sem que este local seja utilizado para 
a distribuição da droga, não estará tipificado o inciso 
III. 
II - Semeia, cultiva ou faz a colheita, sem autorização 
ou em desacordo com determinação legal ou 
regulamentar, de plantas que se constituam em 
matéria-prima para a preparação de drogas; 
III - Utiliza local ou bem de qualquer natureza de 
que tem a propriedade, posse, administração, 
guarda ou vigilância, ou consente que outrem dele 
se utilize, ainda que gratuitamente, sem autorização 
ou em desacordo com determinação legal ou 
regulamentar, para o tráfico ilícito de drogas. 
 
- A esses crimes (art. 33, caput e §1º) aplica-se o §4º, um dos dispositivos mais comentados da Lei: 
 
§4º - Nos delitos definidos no caput e no §1º deste artigo, as penas poderão ser reduzidas de 
1/6 a 2/3,