Semiologia Veterinária, EV   UFMG, 2015
104 pág.

Semiologia Veterinária, EV UFMG, 2015


DisciplinaPatologia Geral4.363 materiais198.072 seguidores
Pré-visualização19 páginas
Reação de propriocepção: Carrinho de mão 
 Hemicaminhada \u2013 hemiestação 
Saltitar: Reação extensora de suporte 
 Reação de posição e localização 
 Reação de aprumo vestibular 
 
Avaliação da propriocepção em grandes animais: 
Parar o animal subitamente após locomoção em linha reta, círculos ou após afastá-lo \u2013 
observar o tempo necessário para o retorno dos membros à posição normal. Afastar ou 
cruzar os membros. 
 
Lesões medulares discretas ou parciais causam anormalidades locomotoras e 
sensoriais. 
 
 
 
 
96 
 
As alterações de origem neurológica causam: 
 
\uf0b7 Sinais de fraqueza muscular (paresia ou incapacidade parcial de realizar movimentos 
voluntários). Caracterizada pela diminuição do arco durante a troca do passo, passos 
mais curtos, retardo na troca do passo, pisar sobre o boleto, pivô sobre o membro interno 
durante a manobra de andar em círculos fechados, raspar a pinça no chão, tropeçar em 
objetos, diminuição da força para resistir a deslocamentos laterais (quando puxado pela 
cauda ou empurrado) 
 
\uf0b7 Sinais de ataxia: caracterizada pelo aumento dos deslocamentos laterais do tronco e da 
garupa, passo mais largo, abdução do membro posterior posicionado externamente 
durante os movimentos em círculos, cruzar os membros abaixo do corpo e pisar no 
membro oposto. 
 
\uf0b7 Sinais de espasticidade: diminuição da flexão articular acarretando em passos mais 
curtos, definida como andar rígido ou espástico. Os animais irão resistir às manobras 
de deslocamento lateral (observado nas lesões de neurônios motores superiores na 
substância branca da medula espinhal) 
 
\uf0b7 Sinais de hipermetria: caracterizada pela exagerada flexão articular, sendo 
particularmente observadas em lesões do trato espinocerebral na medula espinhal. 
 
Exame da cabeça: 
1. Inspeção: 
Posição em relação ao pescoço e tronco: Girada, estendida, fletida, virada 
lateralmente 
Forma: Simetria (edema, atrofia muscular) 
 Assimetria (neoplasia, hematoma, fratura) 
Músculos mastigatórios: Temporal, masseter, mandibular (nervo trigêmio) 
Deglutição: Nervo vago e glossofaríngeo 
Músculos faciais: Nervo facial 
Pálpebras: Músculo orbicular do olho (nervo facial), elevador da pálpebra superior 
(nervo oculomotor). 
 
Avaliação dos pares de nervos cranianos: 
Podem ser: motores, sensoriais ou ambos 
97 
 
Origem cerebral e tronco encefálico. 
 
I. OLFATÓRIO: 
Localiza-se fora do tronco encefálico. Está no bulbo olfatório. 
Aroma, atração por alimentos. 
Anosmia: perda total do olfato 
Hiposmia: pouco olfato 
 
II. ÓPTICO: 
Também localiza-se fora do tronco encefálico 
Relação com o meio ambiente 
Resposta à ameaça 
Testes: 
Piscar/ teste do algodão 
Teste da ameaça 
Anisocoria: Uma pupila responde mais que a outra. 
 
III. OCULOMOTOR: 
Núcleos motores e parassimpáticos se encontram no mesencéfalo 
Inervação: reto dorsal, ventral, medial; oblíquo ventral e elevador da pálpebra superior 
Estrabismo ventrolateral, ptose 
Testes: 
Movimento e posicionamento do globo ocular 
Simetria de pupilas, reflexo pupilar e reflexo consensual 
98 
 
IV. TROCLEAR: 
Núcleos no mesencéfalo 
Movimento e posicionamento do globo ocular. 
Músculo oblíquo dorsal 
Estrabismo dorsomedial 
 
V. TRIGÊMIO: 
Três ramos: uma motora (ramo mandibular) e duas sensitivas (ramo maxilar e ramo 
oftálmico) 
Emerge dos núcleos na ponte. 
Sensibilidade facial (oftálmico e maxilar) 
Oftálmico (canto medial do olho, espelho nasal) 
Maxilar (canto lateral do olho) 
Reflexo palpebral 
Estímulo da mucosa nasal 
Beliscamento da face 
Inervação motora: Mandibular (região mandibular) 
Tamanho e simetria dos músculos mastigatórios 
Resistência a abertura de boca. 
 
VI. ABDUCENTE: 
Núcleos parte rostral do bulbo 
Movimento e posicionamento do globo ocular 
Músculo reto lateral 
Músculo retrator do bulbo 
Olho se retrai quando toca a córnea 
Estrabismo medial 
 
 
 
99 
 
VII. FACIAL: 
Núcleos parte rostral do bulbo 
Inervação motora dos músculos da face 
Inervação de glândula lacrimal e salivares 
Avaliação: 
Paladar parte rostral da língua 
Secreção lacrimal (Teste de Schirmer) 
Expressão Facial 
Resposta à ameaça 
Paralisia facial, lábio caído, desvio de narina para o lado que o nervo está normal. 
 
VIII. VESTIBULOCOCLEAR: 
Núcleos no bulbo 
Equilíbrio e Audição 
Posicionamento de cabeça 
Ataxia: incoordenação motora 
Andar em círculos 
Cabeça inclinada: Head Tilt 
Nistagmo: movimento constante dos olhos 
 
IX. GLOSSOFARÍNGEO: 
Núcleo parte caudal do bulbo 
Inervação da faringe e palato 
Inervação sensorial terço caudal da língua 
Reflexo deglutição 
Regurgitação, alimento na narina, assimetria 
 
X. VAGO: 
Núcleo parte caudal do bulbo 
Principal nervo motor visceral 
Funções autonômicas 
Dispnéia, tosse, queda performance 
Teste deglutição e pressão do globo ocular: essa pressão causa bradicardia reflexa. 
 
XI. ACESSÓRIO: 
Núcleo parte caudal do bulbo 
100 
 
Inervação do Músculo trapézio 
Atrofia muscular, paralisia cervical 
 
XII. HIPOGLOSSO: 
Núcleo parte caudal do bulbo 
Atividade motora da língua 
Língua pendente, desvios 
Teste: Oferecer alimento 
 
Reflexos espinhais ou miotáticos: 
Formam uma unidade básica de investigação do SNC 
Devem ser realizados com o animal em decúbito lateral 
Membro tenso pode anular a atividade do reflexo 
Começar o exame com reflexos que causam menos desconforto 
 
Reflexo espinhal ausente ou deprimido é indicador de doença de Neurônio Motor 
Inferior. 
 
Reflexos espinhais hiperativos estão associados com lesões do Neurônio Motor 
Superior em qualquer parte rostral da medula espinhal, tronco e córtex cerebral. 
 
 
 
101 
 
 
Localização da Lesão: 
 
C1-C5: Tetraparesia/plegia, dor no pescoço 
 Reflexos espinhais normais ou exacerbados 
 Perda progressiva de sensibilidade na extremidade de membros 
 
C6-T2: Tetraparesia/plegia, dor no pescoço 
 Reflexos torácicos diminuídos/ausentes 
 Reflexos pélvicos normais/exacerbados 
 
T3-L3: Paraparesia/plegia, dor no dorso 
 Reflexos torácicos normais 
 Reflexos pélvicos normais/exacerbados 
 
L4-S3: Paraparesia/plegia, dor inferior dorso 
 Reflexos torácicos normais 
 Reflexos pélvicos diminuídos/ausentes 
 
Cauda: Paresia/plegia da cauda 
 Diminuição do tônus e sensibilidade da cauda 
 
 
 
Membros torácicos: 
Reflexo extensor carpo radial (C7, T2) 
102 
 
Reflexo Tríceps (C8, T2) 
Reflexo Bíceps (C6, T2) 
 
Membros pélvicos: 
Reflexo patelar (L4,5, 6) nervo femoral 
Reflexo Tibial cranial (L6,7) nervos ciáticos e tibial 
Reflexo Gastrocnêmio (L1,2) nervo ciático 
Ciático superior (flexor pélvico) (L6 S1). 
 
Períneo: 
Reflexo anal: Nervo pudendo 
Reflexo bulbo cavernoso 
Reflexo vulvar: Nervo pudendo 
 
Sensibilidade superficial e profunda: 
 
Reflexo flexor ou reflexo de retirada: 
Última parte do exame. Sentido crânio-caudal. 
Dor Superficial: pressionar membrana interdigital 
Dor Profunda: pressionar o periósteo 
 
Sinal de Babinski 
 
Reflexo cruzado: Indicam lesão mais cranial da medula espinhal 
 
Síndromes neurológicas 
 
Cerebral: Movimento anormais ou postura anormal: andar compulsivo, círculos, mesmo 
lado da lesão 
Demência, apatia, incapacidade de aprender, desorientação,