AULA 5   GERAÇÃO VIAGENS
10 pág.

AULA 5 GERAÇÃO VIAGENS


DisciplinaPlanejamento de Transportes60 materiais190 seguidores
Pré-visualização2 páginas
14/09/2016
1
Centro Universitário do Vale do Ipojuca
transportes2016unifavip@gmail.com (SENHA: Transportes)
PROCESSO DE PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES
\uf0fcObjetivos e Metas
\u25bc
\uf0fcColeta de dados (Pesquisa)
\u25bc
Demanda futura (modelos)
\u25bc
Definir as alternativas que melhor se adaptam a área 
estudada
\u25bc
Implementação do Plano escolhido
INTRODUÇÃO
Para se trabalhar de forma planejada é necessário 
prever demanda;
\uf097 ADMINISTRADOR: precisa prever para ter volume de
compras que atenda para o futuro;
\uf097 ECONOMISTA: a microeconomia procura o equilíbrio
entre a oferta e demanda;
PREVISÃO DE DEMANDA
\uf050Conceitos
\uf097 Tempos de Previsão
\uf097 Técnicas de Previsão
Prever é a arte e a ciência de predizer,
antecipar eventos futuros, utilizando-se
de dados históricos para uma projeção
futura.
PREVISÃO DE DEMANDA
\uf050Conceitos
\uf050Tempos de Previsão
\uf097 Técnicas de Previsão
Curto Prazo
(Nível Operacional)
Programação de 
semáforos, espaçamento e 
localização de paradas de 
ônibus, freqüência de um 
serviço de ônibus
Médio Prazo
(Nível Tático -nível de projeto)
Elaboração de projeto das 
vias, sinalização e de 
controle eletrônico do 
tráfego.
Desenvolver programas 
para que o sistema 
integrado de transportes 
possa ser desenvolvido 
(rede viárias,infraestrutura
de terminais)
Longo Prazo
(Nível Estratégico)
PREVISÃO DE DEMANDA
\uf097 A técnica de previsão \u201cclássica\u201d utilizada para
planejamento de Transportes para uma região é o modelo
sequencial de demanda (modelo 4 etapas).
\uf050Conceitos
\uf050Tempos de Previsão
\uf050Técnicas de Previsão
14/09/2016
2
MODELO SEGUE UMA SEQUENCIA
1) Determinam a quantidade de viagens
geradas em cada zona de tráfego para
ano de projeto;
2) Determinam a partir do total de viagens
geradas em cada zona, a distribuição das
mesmas entre as demais zonas de tráfego;
3) Definem a distribuição das viagens nos
vários modos de Transporte;
4) Fazem a alocação do fluxo de viagens às
rotas do sistema viário de transportes.
1
2
3
4
1ª ETAPA:
GERAÇÃO DE VIAGENS
MODELOS DE GERAÇÃO DE VIAGENS
Objetivo
\uf097 Prever o número total de viagens que são produzidas
e/ou atraídas por diferentes motivos para cada zona de
tráfego da área de estudo.
Importância do método
\uf097 Os seus resultados são o ponto de partida de todo o
procedimento, assim deve-se cuidar para que o
resultado desta etapa seja a mais precisa possível.
TERMOS USADOS
GERAÇÃO = PRODUÇÃO + ATRAÇÃO (de viagens)
\uf097 Viagem: É qualquer movimento de um ponto de origem a
um ponto de destino.
\uf097 Produção: viagens que se iniciam numa determinada zona
de tráfego;
\uf097 Atração: viagens que chegam numa determinada zona de
tráfego;
EXEMPLO
PRODUZIDAS
A
T
R
A
Í
D
A
S
O QUE GERA UMA VIAGEM
Os motivos são extremamente variados refletindo as
diversas atividades das pessoas:
\uf097 Trabalho
\uf097 Educação
\uf097 Saúde
\uf097 Compras
\uf097 Recreação
\uf097 Outros
14/09/2016
3
FATORES QUE AFETAM NA GERAÇÃO DE VIAGENS
A geração de viagens pode ser diretamente afetada pelo
uso do solo e pelas características socioeconômica da
população na região em estudo.
1. USO DO SOLO
\uf097 Os diferentes tipos de uso do solo produzem características
diferentes na geração de viagens.
A. Fins Residenciais
B. Fins Comerciais
C. Fins Educacionais e Recreação
FATORES QUE AFETAM NA GERAÇÃO DE VIAGENS
Fins Residenciais
\uf097 área residencial densamente povoada certamente
produzirá mais movimentos de pessoas do que uma
área residencial pouco povoada.
\uf097 Maior poder aquisitivo produz maior número de
viagens em veículos particulares
FATORES QUE AFETAM NA GERAÇÃO DE VIAGENS
Fins Comercial e indústria
\uf097 Centros geradores de empregos - atrai viagens
\uf097 Diferentes tipos de atividades produzem volumes diferentes
de viagens.
Fins educacionais ou de recreação
\uf097 Estabelecimentos educacionais - geram grande quantidade
de movimento.
FATORES QUE AFETAM NA GERAÇÃO DE VIAGENS
2. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICA DAS
RESIDÊNCIAS
\uf097 Tamanho das famílias : aumenta a frequência média
de viagens.
\uf097 Propriedade de veículos: geram mais viagens
\uf097 Renda familiar: possibilidade financeira de poder
pagar por uma viagem.
PRINCIPAIS MODELOS DE PREVISÃO DE GERAÇÃO
DE VIAGENS
1. Fator de Crescimento
2. Taxas de Viagem
3. Classificação Cruzada ou Análise de
Categoria
4. Regressão Linear
14/09/2016
4
FATOR DE CRESCIMENTO
\uf097 Primeiro modelo de geração de viagens utilizado, o valor futuro
do número de viagens para uma determinada zona é estimado
aplicando um fator de crescimento resultando numa equação do
tipo:
Fórmula Geral: Ti = Fi . ti
Onde: 
\uf097 Ti = num. de viagens futuras produzidas na zona de tráfego i;
\uf097 Fi = fator de crescimento
\uf097 ti = num de viagens do ano base (atual).
FATOR DE CRESCIMENTO
\uf097 A estimativa do fator de crescimento leva em consideração
a dimensão da população, o nível de renda e o número de
veículos motorizados particulares:
\uf097 Pi = população da zona i;
\uf097 Ri = renda da zona i;
\uf097 Ci = propriedade de veículos na zona i;
\uf097 a, f = indicam valores atuais e futuros respectivamente.
FATOR DE CRESCIMENTO
\uf097 Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas 
de Pernambuco - CONDEPE/FIDEM
\uf097 Prover o estado de Pernambuco de base de dados,
informações e estudos, necessários à produção do
conhecimento e ao acompanhamento da sua realidade
física, territorial, ambiental, socioeconômica,
demográfica, histórica e cultural.
EXERCÍCIO
\uf097 Qual o número de viagens para o horizonte planejado,
sabendo-se que para o ano base a população é de 800
pessoas e um total de 1500 viagens/dia.
\uf097 População horizonte planejado (1600) - pesquisa
\uf097 Fator de crescimento: 1600/800 = 2 
\uf097 Fórmula: Ti = Fi * ti
Ti = 2 * 1500
Ti = 3000 viagens/dia
FATOR DE CRESCIMENTO
OBSERVAÇÕES
\uf097 É um modelo que trabalha dados agregados
\uf097 Utilizado quando não posso utilizar outro método por não
haver pesquisa mais aprofundada dos seus dados
14/09/2016
5
MÉTODO DAS TAXAS DE VIAGENS
\uf097 Este método determina o número de viagens pelo tipo
de ocupação do solo.
\uf097 Para cada tipo de atividade define-se uma taxa de
produção e/ou atração de viagens.
\uf097 Esta taxa na maioria das vezes relaciona o número de
viagens por unidade de área construída.
MÉTODO DAS TAXAS DE VIAGENS
EXEMPLO
\uf097 Considerando uma cidade que tenha aproximadamente
1.115.000 m² de residência, 2.870.000 m² de lojas
comerciais, 1.500.000 m² de prestação de serviços , 870.000
m² de serviço público e 900.000 m² de transporte, estima-
se que a quantidade de viagens geradas será :
\uf097 T = 1.115 x 2,4 + 2.870 x 8,1 + 1.500 x 5,2 + 870 x 3,4 + 900 x
4,0 = 40. 281 viagem./dia
MODELO DE USO DO SOLO
Residência
1.115.000
10%
Comercio 
2.870.000
30%
Transporte
900.000
Serviços
1.5000.000
15%
Para 10 anos se prever esse crescimento
As taxas de viagens são as mesmas, as viagens geradas mudam porque a área de 
uso do solo aumentou. 
HIPÓTESES BÁSICAS 
\uf097 1. A residência é a unidade básica no processo de
geração de viagens;
\uf097 2. A quantidade de viagens realizadas pelos indivíduos
de uma dada residência depende das características
(estrutura familiar / condições econômicas)
14/09/2016
6
TIPOS DE CATEGORIAS 
1. . Propriedade de veículos:
\uf097 Não possui carro / possui 1 carro / possui mais de 1
carro;
2. Renda familiar:
\uf097 Dependendo da variação entre o menor e o maior
salário, pode-se ter até 6 classes de salários;
3. Tamanho da familiar:
\uf097 Refere-se ao número de adultos empregados ou não na
residência considerada.
ANÁLISE DE CATEGORIAS E CLASSIFICAÇÃO CRUZADA 
Nº de Carros
1 Hab 2 a 3 Hab 4 Hab mais de 5 Hab
(0) Carro H11 H12 H13