ETAPA II   Engenharia   2017.1   QUESTIONÁRIO GERAL DE DIREITO
17 pág.

ETAPA II Engenharia 2017.1 QUESTIONÁRIO GERAL DE DIREITO


DisciplinaDireit554 materiais243 seguidores
Pré-visualização6 páginas
INFORMAÇÕES SOBRE A AVALIAÇÃO 
 
 ETAPA II - dois alunos - QUESTIONÁRIO DE DIREITO - Valor 15 pontos (TRABALHO II) 
INFORMAÇÕES DOCENTE 
CURSO: 
Engenharia 
DISCIPLINA: 
Tópicos de Direito e Legislação 
TURNO 
MANHÃ TARDE NOITE PERÍODO/SALA: 
 x 
PROFESSOR (A): Weser Francisco Ferreira Neto 
 
 
 INFORMAÇÕES DISCENTE 
ALUNO(A): 
Diretrizes gerais para a realização do trabalho: 
1) Responda os questionários e apresente o trabalho impresso. 
2) Utilizar este próprio formulário para apresentar as respostas e anexar outros documentos/informações. 
3) Consultar livros na biblioteca e sites: www.confea.org.br e www.crea-mg.org.br 
4) Deverá ser apresentado um modelo de contrato pela dupla. 
 Boa Pesquisa e Felicidades! 
 
QUESTÕES: 
1) Quais os ramos do Direito? Comente-os. 
Direito Administrativo 
O direito administrativo é observado sob duas formas, a saber: o legal, no que diz respeito à 
manutenção e regulamentação das leis que regulam a organização e a atividade política; o doutrinário 
na sistematização de princípios jurídicos e sistematização de leis sobre a organização e atividade da 
sociedade política. 
O direito administrativo é analisado segundo três formas; a primeira colocava o direito administrativo 
no ordenamento jurídico da organização, de interpretações de leis e regulamentando o relacionamento 
da sociedade com o poder executivo. Já a segunda tomava por base o crescimento e desenvolvimento 
adquirido durante sua história e a aplicação prática de seus princípios por meio dos textos e informes 
existentes; a última considera basicamente o estudo de teorias que dizem respeito a esse ramo bem 
como a análise e observação das obrigações e leis que os direcionam. 
Direito Financeiro 
Um ideal de promover o bem estar, o desenvolvimento das potencialidades e além da noção do que 
seja bem comum constituem a finalidade do Estado. 
Entre as atividades que o Estado desenvolve, tutelando necessidades públicas, algumas são essenciais 
(segurança pública, prestação jurídica, etc.) outras complementares, protegendo outros itens 
(secundários), exercidas através de concessionárias. 
Direito Constitucional 
Direito constitucional é o estudo da constituição e da estrutura institucional, política e jurídica do 
estado, de suas normas fundamentais, da definição e do funcionamento dos seus órgãos, dos direitos 
públicos individuais, além de outros assuntos consignados ou não no texto da constituição. 
O estado é o principal objeto do direito constitucional. A noção jurídica de estado apóia-se em quatro 
elementos básicos: território, povo, governo e soberania. Território é a base geográfica do estado; 
juridicamente, é o espaço físico dentro do qual o estado exerce sua soberania e sobre o qual o governo 
tem competência. Povo é a população do estado, excluídos os estrangeiros e, no estrito sentido jurídico, 
a comunidade habilitada ao exercício dos direitos políticos. O governo, considerado sociológica ou 
historicamente, é um grupo de pessoas que toma decisões obrigatórias para a coletividade. A soberania 
é exercida pelo governo, agindo por meio da autoridade, que é a investidura e a limitação impostas 
pela lei. 
Direito Penal 
Finalidade do Direito Penal 
\u201cProteção dos bens jurídicos essenciais aos indivíduos e a sociedade\u201d 
(Luiz Regis Prado) 
Ou seja, visa tutelar àqueles bens jurídicos mais importantes e necessários a sobrevivência da 
sociedade. Por isso, se denomina a pena criminal como a última ação da política social, vale dizer, se 
define sua missão como a última proteção à salvaguarda de bens jurídicos. 
Direito Internacional 
Direito Internacional Público 
Deve-se conceituar o direito internacional público como a disciplina jurídica que estuda o complexo 
normativo das relações de direito público externo. As relações interestatais não constituem, contudo, 
o único objeto do direito internacional público: além dos estados, cuja personalidade jurídica 
internacional resulta do reconhecimento pelos demais estados, outras entidades são modernamente 
admitidas como pessoas internacionais, ou seja, como capazes de ter direitos e assumir obrigações na 
ordem internacional. 
Direito Internacional Privado 
A despeito de sua designação, o direito internacional privado não tem nenhuma correlação especial ou 
dependência em relação ao direito internacional público. 
2) Analisando a Constituição Federal podemos afirmar que quais são os princípios fundamentais 
da República Federativa do Brasil? 
A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do 
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: 
I - A soberania; 
II - A cidadania; 
III - A dignidade da pessoa humana; 
IV - Os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; 
V - O pluralismo político. 
 
3) Analisando a Constituição Federal cite alguns direitos e deveres individuais coletivos. 
Os direitos e deveres individuais e coletivos garantidos pela ordem jurídico-constitucional brasileira 
não se resumem aos constantes do artigo 5º da Constituição. O rol do mencionado artigo é, pois, 
meramente exemplificativo. 
 
Ao longo dos seus 78 incisos, o artigo 5º da Constituição Federal assegura, entre outros, os seguintes 
direitos: 
 
a) à vida; 
b) à igualdade; 
c) à liberdade de ir, vir e permanecer, de pensamento, de opinião, de consciência e crença, de 
associação e de reunião; 
d) à resposta, proporcional ao agravo; 
e) à indenização por danos materiais, morais e estéticos; 
f) à privacidade e à intimidade; 
g) à inviolabilidade de domicílio; 
h) à inviolabilidade das correspondências; 
i) à informação; 
j) à propriedade; 
k) à impenhorabilidade da pequena propriedade rural, nos casos em que especifica; 
l) à herança; 
m) à defesa do consumidor; 
 
n) ao direito autoral; 
o) à inafastabilidade do Poder Judiciário; 
p) à inexistência de tribunais de exceção; 
q) à anterioridade da lei penal; 
r) à presunção de inocência; 
s) à retroatividade da lei benéfica ao réu; 
t) à vedação à pena de morte, perpétua, de trabalhos forçados, de banimento e cruéis; 
u) à celeridade e à razoável duração do processo. 
 
O direito à vida, além da tutela explicitamente mencionada no caput do artigo 5º da Constituição 
Federal, está preservado no inciso XLVII do mesmo artigo. Veremos a seguir um trecho do artigo 5°. 
 
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos 
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à 
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: 
 
XLVII - não haverá penas: 
 
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX; 
b) de caráter perpétuo; 
c) de trabalhos forçados; 
d) de banimento; 
e) cruéis. 
 
(BRASIL. Constituição Federal 1988, Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 
Senado, 2010 - grifo nosso). 
 
Como se vê, em caso de guerra declarada admite-se a instituição da pena de morte, conhecimento 
que é relevante para concursos públicos. No Brasil, a vedação ao aborto também é uma garantia de 
proteção à inviolabilidade do direito à vida, o qual só é admitido em duas hipóteses excepcionais: 
 
a) no caso de estupro; 
 
b) no caso de fundado risco de vida para a mãe. 
 
No entanto, a inviolabilidade do direito à vida encontra respaldo em diversos outros dispositivos 
constitucionais e legais. Quando o Estado garante o direito à saúde, à previdência e a assistência 
social também está contribuindo para a inviolabilidade da vida humana.