Acd Agrop
18 pág.

Acd Agrop


DisciplinaÉtica e Relações Humanas no Trabalho183 materiais3.014 seguidores
Pré-visualização4 páginas
(Vendas)
	R$ 16.044.480,00
	(-) Impostos sobre a Receita 12%
	R$ 1.925.337,60
	(-) Custos Variáveis 
	R$ 4.264.568,30
	(=) Margem de Contribuição
	R$ 9.854.574,10
	(-) Custos Fixos e Despesas
	R$ 835.842,16
	(=) Lucro Operacional
	R$ 9.018.731,94
	(-) Impostos Sobre o Lucro 10%
	R$ 901.873,19
	(=) Lucro Líquido
	R$ 8.116.858,75
Aquisição de terceiros Fornecedor: B
	AQUISIÇÃO DE TERCEIROS FORNECEDOR B
	
	Janeiro
	Fevereiro
	Março
	Abril
	Maio
	Junho
	Julho
	Agosto
	Setembro
	Outubro
	Novembro
	Dezembro
	TOTAL
	Aquisição de Terceiros
	840000
	840000
	840000
	660000
	660000
	660000
	660000
	660000
	660000
	660000
	660000
	660000
	8.460.000
O fornecedor B precisará adquirir da produção de terceiros 8.460.000 mil toneladas de laranjas devido a sua capacidade de produção e a caixa com 40,8 kg custa em média R$19,90 logo teremos o custo de:
	8.460.000 kg
	 40,8 kg
= 207.352,94 x R$ 19,90 = R$ 4.126.323,53
Custos com Embalagem:
	Produção Anual
	Demanda Projetada em Garrafas.
	Demanda em Lts.
	Demanda em Ml
	6.048.000 lts.
	60% garrafas de 300 ml
	3.628.800 lts.
	3.628.800.000 ml
	6.048.000 lts.
	30% garrafas de 500 ml
	1.814.400 lts.
	1.814.400.000 ml
	6.048.000 lts.
	10% garrafas de 1.000 ml
	604.800 lts.
	604.800.000 ml
Então para encontrarmos o valor que será gasto com as compras de embalagens se adotarmos o fornecedor B teremos que dividir a demanda em ML pela demanda projetada de garrafas contendo 300 ml; 500 ml e 1000 ml respectivamente e após multiplicamos os respectivos valores pelos preços de cada embalagem como representado na tabela abaixo.
	Demanda em Ml
	Demanda Projetada 
	Resultado da Divisão
	Valor das Embalagens
	Total Gasto
	3.628.800.000 ml
	300 ml
	12.096.000
	 R$ 0,45 
	R$ 5.443.200,00
	1.814.400.000 ml
	500 ml
	3.628.800
	 R$ 0,72 
	R$ 2.612.736,00
	604.800.000 ml
	1000 ml
	604.800
	 R$ 0,95 
	R$ 574.560,00
	 
	 
	 
	 
	R$ 8.630.496,00 
Receita com vendas fornecedor B:
Para encontrarmos a receita de vendas do fornecedor B apenas multiplicamos a quantidade de garrafas envasadas pelo valor de cada uma:
	Referência
	Quantidades de Garrafas
	Valor por Unidade
	Receita com vendas
	300 ml
	12.096.000
	 R$ 1,90 
	R$ 22.982.400,00
	500 ml
	3.628.800
	 R$ 3,00 
	R$ 10.886.400,00
	600 ml
	604.800
	 R$ 5,90 
	R$ 3.568.320,00
	 
	 
	 
	R$ 37.437.120,00 
DRE Fornecedor B
	(=) Receita Liquida (Vendas)
	R$ 37.437.120,00
	(-) Impostos sobre a Receita 12%
	R$ 4.492.454,40
	(-) Custos Variáveis 
	R$ 12.756.819,53
	(=) Margem de Contribuição
	R$ 24.680.300,47
	(-) Custos Fixos e Despesas
	R$ 1.252.763,16
	(=) Lucro Operacional
	R$ 23.427.537.31
	(-) Impostos Sobre o Lucro 10%
	R$ 2.342.753.73
	(=) Lucro Líquido
	R$ 21.084.783,58
Observa-se nas demonstrações do Resultado de ambos os fornecedores que o melhor para a implantação da indústria é sem duvidas o fornecedor B; pois a relação de demanda é melhor atendida trazendo maiores lucros.
Fica evidente em relação às embalagens tanto do fornecedor A quanto do B que as garrafas de 300 ml são muito melhores em relação custo beneficio, trazendo uma maior lucratividade!
Conclusão
Concluímos que a gestão da produção, também chamada de gestão de operações, planejamento e controle de processos industriais para garantir que eles se movam suavemente em nível exigido. Técnicas de gestão da produção são empregadas em serviço, bem como nas indústrias transformadoras. É uma responsabilidade semelhante em nível e âmbito de aplicação a outras especialidades, tais como marketing ou recursos humanos e gestão financeira. Em operações de fabricação a gestão da produção inclui a responsabilidade por questões de design de produto e processo, de planejamento e controle, envolvendo capacidade e qualidade, e organização e supervisão da força de trabalho.
Bibliografia
CORRÊA, H. L.; CORRÊA, GIANESI, I. G. N. CAON, M. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II / ERP conceitos, uso e implantação. São Paulo : Atlas.2001.
GAITHER, N.; FRAIZER, G. Administração da produção e operações. São Paulo: Pioneira, 2002.
MARTINS, P. G.; LAUGENI, F. P. Administração da produção. São Paulo: Saraiva, 2005.
TUBINO, D.F.Planejamento e controle da produção.São Paulo: Atlas, 2007.
CORREA, H; CORRÊA, Carlos. Administração de produção e operações: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. São Paulo: Atlas, 2004.
DAVIS, M. et. al. Administração da Produção para a Vantagem Competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2006.
PAIVA E. L.; CARVALHO Jr J. M de.; FENSTERSEIFER J. E. Estratégia de Produção e de Operações Conceitos, Melhores Práticas, Visão de Futuro. Porto Alegre. Bookman. 2002.
RITZMAN, L; KRAJEWSKI, L. J. Administração da produção e operações. São Paulo. 2004.
RUSSOMANO, Victor H. Planejamento e controle da produção. São Paulo: Pioneira, 1995.
SLACK, Nigel et al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 2002.
THOMAS E. VOLLMANN et al. Sistemas de planejamento & controle da produção para o gerenciamento da cadeia de suprimentos. Porto Alegre. Bookman. 2006.