Curso Direito Penal SP
143 pág.

Curso Direito Penal SP


DisciplinaDireito Penal I67.292 materiais1.085.658 seguidores
Pré-visualização45 páginas
público o emanado de entidade paraestatal, o título ao portador 
ou transmissível por endosso, as ações de sociedade comercial, os livros 
mercantis e o testamento particular (art. 297, §2º, do CP). Nas mesmas 
penas previstas para o caput do artigo 297, incorre quem insere ou faz 
inserir: a) na folha de pagamento ou em documento de informações que seja 
destinado a fazer prova perante a previdência social, pessoa que não 
possua a qualidade de segurado obrigatório; b) na Carteira de Trabalho e 
Previdência Social do empregado ou em documento que deva produzir efeito 
perante a previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria ter 
sido escrita; c) em documento contábil ou em qualquer outro documento 
relacionado com as obrigações da empresa perante a previdência social, 
declaração falsa ou diversa da que deveria ter constado. Também incorre 
nas mesmas penas, conforme salienta o parágrafo quarto do artigo 297, 
quem omite, nos documentos acima mencionados, nome do segurado e 
seus dados pessoais, a remuneração, a vigência do contrato de trabalho ou 
de prestação de serviços. 
 Já o segundo caso, que trata da falsificação de documento particular, 
dispõe como típica a conduta daquele que falsificar, no todo ou em parte, 
documento particular ou alterar documento particular verdadeiro. 
 O artigo 299, por sua vez, aborda o delito de falsidade ideológica. 
Comete esse crime quem omitir, em documento público ou particular, 
declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração 
falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, 
criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante. 
 A pena para o crime de falsidade ideológica é de reclusão, de 1 (um) 
a 5 (cinco) anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de 1 (um) a 
3 (três) anos, e multa, se o documento é particular. 
 Se o agente que comete a falsidade ideológica é funcionário público, 
e se vale do cargo para cometê-lo, ou se a falsificação ou alteração é de 
assentamento de registro civil, aumenta-se a pena em 1/6 (um sexto). 
 Também é criminosa a conduta de quem reconhece, como 
verdadeira, no exercício de função pública, firma ou letra que o não seja (art. 
300, do CP). 
 Conforme tipifica o caput artigo 301 do Código Penal, pratica um fato 
típico aquele que atestar ou certificar falsamente, em razão de função 
pública, fato ou circunstância que habilite alguém a obter cargo público, 
isenção de ônus ou de serviço de caráter público, ou qualquer outra 
vantagem (certidão ou atestado ideologicamente falso). Consoante 
parágrafo primeiro do artigo em estudo, também comete crime quem 
falsifica, no todo ou em parte, atestado ou certidão, ou altera o teor de 
certidão ou de atestado verdadeiro, para prova de fato ou circunstância que 
habilite alguém a obter cargo público, isenção de ônus ou de serviço de 
caráter público, ou qualquer outra vantagem (crime de falsidade material de 
atestado ou certidão). Em qualquer caso, se o crime for praticado com intuito 
de lucro, aplica-se, além da pena privativa de liberdade, a de multa. 
 O artigo 302 do Código Penal tipifica a conduta de falsificação de 
atestado médico. Segundo o dispositivo em análise, comete crime o médico 
 
117 
que, no exercício de sua profissão, dá atestado falso. Se o crime for 
praticado com intuito de lucro, aplica-se também a pena de multa. 
 Quem faz uso de qualquer dos documentos falsificados ou alterados, 
dos artigo 297 a 302, comete o crime de uso de documento falso, previsto no 
artigo 304 do Código Penal, e sujeita-se a pena cominada para à falsificação 
ou à alteração respectiva. 
 É vedado pelo artigo 303 do Código Penal, reproduzir ou alterar selo 
ou peça filatélica que tenha valor para coleção, salvo quando a reprodução 
ou a alteração está visivelmente anotada na face ou no verso do selo ou 
peça. 
 Por fim, o artigo 305 do Código Penal dispõe acerca do crime de 
supressão de documento, tipificando a conduta daquele que destrói, suprime 
ou oculta, em benefício próprio ou de outrem, ou em prejuízo alheio, 
documento público ou particular verdadeiro, de que não podia dispor. 
 
 
11.4 Outras falsidades 
 
 O primeiro artigo que abre o último capítulo dos crimes contra a fé 
pública, tipifica a conduta de falsificação do sinal empregado no contraste de 
metal precioso ou na fiscalização alfandegária. Segundo o artigo 306 do 
Código Penal, incorre em crime aquele que falsificar, fabricando-o ou 
alterando-o, marca ou sinal empregado pelo poder público no contraste de 
metal precioso ou na fiscalização alfandegária, ou usar marca ou sinal dessa 
natureza, falsificado por outrem. 
 Já os artigos 307 e 308 do Código Penal tratam da falsa identidade. 
Segundo o artigo 307, é vedado atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa 
identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para 
causar dano a outrem. O artigo 308, por sua vez, veda o uso, como próprio, 
de passaporte, título de eleitor, caderneta de reservista ou qualquer 
documento de identidade alheia, assim como o ato de ceder a outrem, para 
que dele se utilize, documento dessa natureza, próprio ou de terceiro. 
 O artigo 309 do Código Penal dispõe como crime a conduta do 
estrangeiro que, para entrar ou permanecer no território nacional, utilizar 
nome que não é o seu. 
 Também é criminosa a conduta daquele que preste-se a figurar como 
proprietário ou possuidor de ação, título ou valor pertencente a estrangeiro, 
nos casos em que a este é vedada por lei a propriedade ou a posse de tais 
bens (art. 310, do CP). 
 Por fim, o artigo 311 do Código Penal dispõe como crime a conduta 
de quem adulterar ou remarcar número de chassi ou qualquer sinal 
identificador de seu veículo automotor, de seu componente ou equipamento. 
Se o agente que comete esse crime está no exercício da função pública ou 
em razão dela, terá sua pena aumentada de 1/3 (um terço). Nas mesmas 
penas incorre o funcionário público que contribui para o licenciamento ou 
registro do veículo remarcado ou adulterado, fornecendo indevidamente 
material ou informação oficial (art. 311, §2º, do CP). 
 
 
 
 
118 
12. Crimes contra a administração pública 
12.1 Crimes praticados por funcionário público contra a administração 
em geral 
 
 Funcionário público, para fins penais, é aquele que embora sem 
remuneração e de forma transitória, exerce cargo, emprego ou função 
pública. Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou 
função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora 
de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da 
Administração Pública. 
 Verifica-se que o conceito de funcionário público para fins penais é 
extremamente mais amplo que o conceito utilizado pelo Direito 
Administrativo. 
 É importante frisar que quando particulares exercerem condutas 
típicas juntamente com funcionários públicos, cientes de que estes ostentam 
essa condição, incorrerão nas mesmas penas, pois há que se lembrar a 
comunicabilidade, entre co-autores e partícipes, das circunstâncias 
elementares dos crimes. 
 
 
12.1.1 Peculato 
 
 O caput do artigo 312 do Código Penal tipifica a conduta do peculato 
apropriação (ou desvio), verificável quando o funcionário público se apropria 
de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que 
tem a posse em razão do cargo, ou o desvia, em proveito próprio ou alheio. 
 O parágrafo primeiro do dispositivo em estudo tipifica a conduta do 
peculato furto, verificável quando o funcionário público, embora não tendo a 
posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja 
subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe 
proporciona a qualidade de funcionário. 
 Já o parágrafo segundo do mesmo artigo apresenta a figura do 
peculato culposo, que ocorre