Curso Direito Penal SP
143 pág.

Curso Direito Penal SP


DisciplinaDireito Penal I67.382 materiais1.087.381 seguidores
Pré-visualização45 páginas
8 (oito) a 16 (dezesseis) anos. 
 Aumenta-se a pena de 1/6 (um sexto) até 1/3 (um terço): 
 a) se o crime é cometido por agente público; 
 b) se o crime é cometido contra criança, gestante, portador de 
deficiência, adolescente ou maior de 60 (sessenta) anos; ou 
 c) se o crime é cometido mediante sequestro. 
 A condenação pelo crime de tortura acarreta a perda do cargo, função 
ou emprego público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo da 
pena aplicada (art. 1º §5º, da Lei de Tortura). 
 Recorde-se que o crime de tortura, conforme mandamento 
constitucional e previsão legal, é insuscetível de fiança, graça e anistia. Mas 
enquanto a Lei dos Crimes Hediondos (Lei n.º 8.072/90) prevê que a tortura 
é também insuscetível de indulto, a Lei de Tortura (Lei n.º 9.455/97) 
silenciou sobre o assunto, mantendo apenas a redação constitucional, que 
trata da inafiançabilidade, da graça e da anistia. 
 
 
136 
 Acerca do assunto, duas são as posições. A primeira reputa que o 
silêncio da Lei de Tortura, que é posterior à Lei dos Crimes Hediondos, 
trouxe um permissivo para aplicação do indulto. Já a segunda e 
prevalecente, reputa que o indulto está contido na expressão graça, já que 
ele nada mais é do que uma espécie de graça concedida coletivamente. 
 O condenado por crime de tortura inicia o cumprimento da pena em 
regime fechado. 
 Por derradeiro, a teor da disposição contida no artigo 2º, da Lei de 
Tortura, o conteúdo desta lei aplica-se ainda que o crime não tenha sido 
cometido em território nacional, desde que a vítima seja brasileira ou o 
agente encontre-se em local sob jurisdição brasileira. 
 
 
5. CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO 
 
 O Código de Trânsito Brasileiro, lei n.º 9.503/97, aborda vasta 
disciplina sobre o tráfego de veículos automotores, das quais interessa ao 
presente curso o Capítulo XIX, que dispõe sobre os crimes de trânsito. 
 Para os crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro se aplicam 
as disposições gerais dos Códigos Penal e de Processo Penal, desde que 
não haja estipulação específica, que prefere às normais gerais em alguns 
casos, como nas hipóteses de lesão corporal culposa em crimes de trânsito. 
 No entanto, só se aplicam as disposições atinentes à composição dos 
danos civis, ou à aplicação imediata de pena restritiva de direitos aos crimes 
de lesão corporal culposa, desde que estes não tenham sido cometidos: 
 a) sob a influência de álcool ou qualquer outra substância psicoativa 
que determine dependência; 
 b) mediante participação, em via pública, de corrida, disputa ou 
competição automobilística, de exibição ou demonstração de perícia em 
manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente; 
 c) transitando em velocidade superior à máxima permitida para a via 
em 50 km/h (cinquenta quilômetros por hora). 
 Nos crimes de trânsito, a suspensão ou a proibição de se obter 
permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor pode ser imposta 
como penalidade principal, isolada ou cumulativamente com outras 
penalidades (art. 292, do CTB). 
 Conforme disposição do artigo 294 do Código de Trânsito Brasileiro, 
em qualquer fase da investigação ou da ação penal, havendo necessidade 
para a garantia da ordem pública, poderá o juiz, como medida cautelar, de 
ofício, ou a requerimento do Ministério Público ou ainda mediante 
representação da autoridade policial, decretar, em decisão motivada, a 
suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor, ou 
a proibição de sua obtenção. Nesse caso, da decisão que decretar a 
suspensão ou a medida cautelar, assim como da que indeferir o 
requerimento do Ministério Público, cabe recurso em sentido estrito, sem 
efeito suspensivo (art. 294, parágrafo único, do CTB). 
 São circunstâncias que sempre agravam as penalidades dos crimes 
de trânsito, ter o condutor cometido a infração (art. 298, do CTB): 
 
 
137 
 a) com dano potencial para duas ou mais pessoas ou com grande 
risco de grave dano patrimonial a terceiros; 
 b) utilizando o veículo sem placas, com placas falsas ou adulteradas; 
 c) sem possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação; 
 d) com Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação de categoria 
diferente da do veículo; 
 e) quando a sua profissão ou atividade exigir cuidados especiais com 
o transporte de passageiros ou de carga; 
 f) utilizando veículo em que tenham sido adulterados equipamentos 
ou características que afetem a sua segurança ou o seu funcionamento de 
acordo com os limites de velocidade prescritos nas especificações do 
fabricante; 
 g) sobre faixa de trânsito temporária ou permanentemente destinada a 
pedestres. 
 Ponto importante do Código de Trânsito Brasileiro consta de seu 
artigo 301, segundo o qual, ao condutor de veículo, nos casos de acidentes 
de trânsito que resulte vítima, não será imposta a prisão em flagrante, nem 
será exigida fiança, se for prestado pronto e integral socorro àquela. 
 E quando não seja possível ao condutor, por motivo de segurança, 
prestar socorro à vítima, desaparece o dever de agir, mas não o de solicitar 
auxílio da autoridade pública. 
 
 
5.1 Crimes em espécie 
 
 São as principais condutas típicas descritas pelo Código de Trânsito 
Brasileiro: 
a) Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo 
automotor: 
Penas - detenção, de dois a quatro anos, e suspensão ou 
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo 
automotor. 
Parágrafo único. No homicídio culposo cometido na direção de 
veículo automotor, a pena é aumentada de um terço à metade, se o 
agente: 
I - não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação; 
II - praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada; 
III - deixar de prestar socorro, quando possível fazê-lo sem risco 
pessoal, à vítima do acidente; 
IV - no exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo 
veículo de transporte de passageiros. 
b) Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo 
automotor: 
 
138 
Penas - detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou 
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo 
automotor. 
Parágrafo único. Aumenta-se a pena de um terço à metade, se 
ocorrer qualquer das hipóteses do parágrafo único do artigo anterior. 
c) Art. 304. Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente, de 
prestar imediato socorro à vítima, ou, não podendo fazê-lo 
diretamente, por justa causa, deixar de solicitar auxílio da autoridade 
pública: 
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se o fato 
não constituir elemento de crime mais grave. 
Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo o 
condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida por 
terceiros ou que se trate de vítima com morte instantânea ou com 
ferimentos leves. 
d) Art. 305. Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente, 
para fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser 
atribuída: 
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa. 
e) Art. 306. Conduzir veículo automotor, na via pública, estando com 
concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a 6 (seis) 
decigramas, ou sob a influência de qualquer outra substância 
psicoativa que determine dependência: 
Penas - detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão 
ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir 
veículo automotor. 
Parágrafo único. O Poder Executivo federal estipulará a 
equivalência entre distintos testes de alcoolemia, para efeito de 
caracterização do crime tipificado neste artigo. 
f) Art. 307. Violar a suspensão ou a proibição de se obter a 
permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor imposta com 
fundamento neste Código: 
Penas - detenção, de seis meses