Vocabulário Jurídico
788 pág.

Vocabulário Jurídico


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.149 materiais526.363 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Feira, \u2014 Terça Feira, \u2014Quarta 
Feira,\u2014Quinta Feira, \u2014 Sexta Feira, (indicando por certo que 
o Mundo, redusido á uma\u2014Semana\u2014 (que antes se-chamou\u2014
Somana)\u2014 era nada menos, que um\u2014Lo-gdr de Feira\u2014, só 
distinado\u2014 à compras e vendas, \u2014 d trocas de mal pêlo bem\u2014. 
Foi innovação do Papa S. Silvestre, celebrado péla Folhinha no 
dia 31 de Dezembro, ultimo do anno ; e com diflerença de 
todas as outras Nações Christãs, que ainda usão de suas 
Denominações Gentílicas: Singularidade notável tanto mais, 
porque a divisão do Tempo Movei em Semanas nada tem, com 
as outras divisões d'èlle, com os seus nomes referentes á 
movimentos de Planetas\u2014. 
Féitôr (termo usado pelo nosso Cod. do Commercio) diz 
Per. e Souza sêr quem administra negocio ou fazenda alheia; 
sendo por muito tempo palavra referente às Feitorias, que 
erão Estabelecimentos da Costa d'Africa para o trafico de 
Africanos : 
96 VOOA.BUI.ARIO JtraiDICO 
Feitor é o verdadeiro nome commerciâl (Perr. Borg) 
de commwario, ou encarregado de qualquer negocio por 
conta de outrem ; entretanto qne agora, entre nós, disigna 
ordinariamente \u2014administrador de Fazendas, Estabeleci 
mentos ruráes, Bocas, Chácaras, Quintas &\u2014. I 
\u2014 Felonia, em sentido extenso (Per. e Sousa) se-tomal por 
toda a sorte de Crimes, em que se-attenta contra a pessoa de 
outrem, exceptuado o crime de Lesa-Magestade: Palavra sem 
algum uso no Brasil\u2014. 
\u2014 Ferimentos (e outras Offensas Physicas), crimes 
punidos pelos Arts. 201 á 206 do nosso Cod. Pen.\u2014. H 
\u2014 Feudos, velha instituição jurídica, pela qual se-fazião 
doações com o encargo de prestarem os doados aos doadores, 
conjuncta e separadamente, serviços militares, ou domésticos : 
Não tem hoje algum uso \u2014. 
\u2014 Fiança (Perr. Borges) ê o contracto, pelo qual um 
terceiro se-sujêita para com o Credor á satisfazer a obrigação 
do devedor, se este por si não a-satisfizér : 
 fiança só pode existir sobre uma obrigação valida, salvo 
se a obrigação poder sêr an nu liada por uma excepção 
puramente pessoal do Devedor; como, por exemplo, quando o 
Devedor fôr incapaz por menoridade: 
A Fiança não pode exceder a divida afiançada, nem sêr 
contrahida sob condições mais onerosas ; mas, n'êstes casos, 
não é nulla, e só reductivel á seus justos termos: 
A fiança não se-presume, deve sêr expressa, e a indefinida 
de uma obrigação principal extende-se â todos os acce3sorios 
da divida; mas a prestada por Armador para Corso não se-
extende senão aos damnos e juros, não comprehendendo a 
restituição do que foi illegalmente apresado : 
O Beneficio de discussão (ou de excussão) é desconhecido 
nas Fianças Commercides (o mesmo no nosso Cod. do Comm., 
segundo o qual toda a Fiança Commerciâl é solidaria). 
VOCABULÁRIO JURIDI CO 97 
Fiança (Per. e Souza) é o contracto, pêlo qual alguém se-
obriga por um devedor para com o credor â pagar á este o todo, 
ou parte, do que o devedor lhe-deve, accedendo á sua 
obrigação: 
A Fiança pode sêr convencional, legdl, judicial, etc. (o 
mesmo na cit. Consolid. Art. 776): 
O Fiador do Juizo é mais fortemente obrigado, que o 
Fiador do Contracto \u2014 Ord. Liv, 3.» Tit. 92: 
Fiador è quem se-obriga por divida de outrem, pro-
mettendo pagar por êlle no caso de faltar ao crêdôr: 
O Fiador differe do Coobrigado, ou\u2014Corréo debendi\u2014, 
em que responde este pela obrigação principal com os outros\u2014
Corréos\u2014; mas o Fiador se-obriga subsidiariamente, isto é, 
no caso de não pagar o Devedor Principal, etc. 
Sobre as Fianças temos a cit. Consolid. Arts. 776 á 797, e 
o Cod. do Comm. Arts. 256 á 263\u2014. 
\u2014 Ficção, lê-se em Per. e Souza, significa o modo 
de considerar um objecto debaixo de uma relação não redl, 
e que a Lêi introduzio ou autorisou ; mas eu accrescento 
\u2014 não redl ao tempo da Lêi \u2014, se bem que realidade para 
tempos futuros, quando melhores idéas forem adoptadas, e 
^h o mundo não persistir em suas illusões ou em seus erros : Em 
summa, as Ficções são provavelmente outras tantas " Figuras de 
Verdade : Vêja-se infra a palavra \u2014 Figura \u2014. 
\u2014 Fideicomuiisso é a deixa por herança ou legado, 
ou a doação, com a obrigação de restituição á outrem, 
para que esse outrem, em caso de sobrevivência, cumpra 
um ou mais encargos: Tal é o sentido rigoroso desta 
palavra, posto que se-applique geralmenta â disposições 
condiciondes. 
Fideicommisso (Per. e Souza) é palavra composta das duas 
latinas, fides-fé, e committere \u2014 confiar, denotando 
propriamente o que se-confia á boa fé de alguém : 
Entre os Romanos era a disposição, péla qual um Testador 
(ou Doador, como vê-se no Cod. Chileno) en- 
YOOAB. JUR. 7 
 
98 VOCABULÁRIO JURÍDICO 
carregava por termos indirectos e deprecatorios, ao seu 
herdeiro ou (primeiro beneficiado, que entregasse á pessoa por 
êlle indicada, ou todos, ou parte dos bens, para os quaes era 
instituído herdeiro (ou designado para donatário) : 
O Fideicommisso era Universal ou Particular ; 
Universdl, quando continha a restituição inteira da deixa; 
ou de uma porção aliquota, como a terça, ou quarta parte, 
d'ella; 
Particular, quando só obrigava â uma instituiç&o parcial: 
O herdeiro (o beneficiado) não podia sêr constrangido & 
entregar o Fideicommisso, comtudo, se o não cumpria, era 
taxado de mà fé etc: Como o Instituído, depois de têr restituido 
a herança, era responsável pélas dividas respectivas, acontecia 
frequentemente, que êlle regêitava, e o Fideicommisso então 
se-inutilisava ; e d'ahi, para remediar tal inconveniente, veio a 
deducção do Se-natus-Consulto Trebeliano, e a do Pegasiano, 
etc, etc. 
Autorisados assim os Fideicommissos por Leis, tornarão-se 
um modo ordinário de fazer passar as liberalidades à terceiras 
pessoas; mas os Fideicommissos Tácitos, pêlos quaes se-
procura passar as liberalidades por pessoas interpostas á 
pessoas prohibidas, são nullos, como feitos para fraudarem as 
Leis: 
Fideicommisso temporário, ou perpetuo, podia-se esta-
belecer (Alv. de 7 de Junho de 1755 § 50, e outras Leis) em 
Acções de Companhias: Actualmente não ha duvida sobre a 
liberdade de táes deixas, ou doações. 
Fideicommissario (o mesmo Per. e Souza) é a pessoa, j em 
favor da qual se-constitúe o Fideicommisso: 
Fiduciário (ou Gravado) é a pessoa encarregada de 
entregar o Fideicommisso, entrega com o nome de restituição: 
Substituição Fideicommissaria é a própria, péla qual o 
Primeiro Beneficiado é substituído pêlo Fiduciário ou Gra- í 
vado, quando para este se-transmittem os bens: 
Não se-confunda o Fideicommisso com o Vsufructo, e 
vêja-se esta ultima palavra no seu logar, e sobre a Subs- 
VOCABULÁRIO JUBIDICO 99 
tituição Fideicommissaria a Nota ao Art. 1052 da Consolid. das 
Leis Civis\u2014. 
I. \u2014 Fidelidade é a virtude consistente na observância exacta e 
sincera da palavra, das promessas, e das estipulações, que não 
sêjão illegàes : 
Sem a Fidelidade Mutua (Directório confirmado pêlo Air. 
de 17 de Agosto de 1758 § 38), não se-pode augmentár, e não 
pode subsistir, o Commercio \u2014. 
Fidelíssimo, titulo de honra, com o qual o Pontífice 
Benedicto XIV por um Motu-Próprio de 21 de Abril de 1769, 
condecorou à El-Rêi D. João V de Purtugál, e á seus Suc-
cessòres\u2014. 
Fiducia (Per. e Sousa), ou Pacto de Fiducia, era entre os 
Romanos, uma venda simulada feita ao comprador debaixo da 
condição de retroceder a cousa para o vendedor depois de 
certo tempo. 
A origem de Pacto de Fiducia provém, de que por muito 
tempo se-desconheceu o uso das Hypothecas: 
N. B. E' apenas uma noticia histórica sem importância 
actual, porque hoje a Fiducia nada mais pode exprimir, do 
que a confiança dos Fideicommissos, depositada no Fiduciário 
ou Gravado, para restituir a cousa fideicommettda em seu 
tempo ao Fidei-commissario\u2014. I 
I' Figura (Per. e Souza) é a forma externa, ou feição, de qualquer 
cousa: 
Também é synonimo