Vocabulário Jurídico
788 pág.

Vocabulário Jurídico


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.165 materiais526.850 seguidores
Pré-visualização50 páginas
para exercer, absolutamente ou relativamente, actos 
da vida civil; podendo-se porém distinguir a Incapacidade 
Commercídl, e outras Incapacidades Espe-cides, para cada 
classe d'êsses actos\u2014. 
\u2014 Imputação (Per. e Souza) é o juizo, pêlo qual se-
declara, que alguém, sendo autor ou causa moral de uma acção, 
ordenada ou prohibida, deve responder pêlos effêitos bons ou 
raáos, que d'ella se-seguem: 
Não se-deve confundir a Imputabílídade com a Imputação 
; porquanto, a primeira é uma qualidade da acção; e a segunda 
é o acto pelo qual o Legislador, o Juiz, etc., fâz responsável 
alguém por uma acçSo, que pode ser imputada: 
Para a Imputação ser justa, é necessário, que haja alguma 
connexão necessária, ou accidentál, entre o que se-fêz ou 
omittio, e as consequências boas ou mas da 
I 
386 VOCABULÁRIO JURÍDICO 
acção ou da omissão; e que, além disso, o agente tivesse 
conhecimento d'êssa connexão, ou pelo menos po-l desse prever 
os effêitos de sua acção com alguma verosimilhança. 
Imputação de pagamento (o mesmo Per. e Souza) significa 
a compensação de uma somma,\u2014 deducção de uma somma de 
outra\u2014, cessando o pagamento de uma pêlo pagamento da 
outra: 
Quem é devedor de varias sommas á uma mesma pessoa 
pode imputar o pagamento á somma, qug lhe-parecêr, com 
tanto que o-faça no acto do pagamento; e, não o-fazendo assim, 
pode-se imputar o pag; mento á divida mais onerosa para o 
devedor: N'éste caso deve-se applicár o pagamento \u2014 na divida 
liquida, não na illiquida: \u2014 na divida logo exigível,\u2014 na 
divida que vence juros,\u2014 na divida hypothecaria;\u2014 á pessoal, 
não á de fiança;\u2014 á divida com fiador: Emfim, se as dividas 
são da mesma naturêsa, à mais antiga ; e, se são da mesma data, 
à todas proporcionalmente, e segundo a importância de cada 
uma : Vencendo um capital juros, a Imputação se-faz primeiro 
n'éste, que n'aquêlle: (Sobre tal assumpto tem legislado o nosso 
Cod. do Comm., cujas disposições devem ser de preferencia 
applicadas. 
\u2014 Inadvertência é a distracção de um acto do agente, 
e mais por suas poucas idéas\u2014. 
Incêndio era um crime distincto péla nossa velha 
legislação das Ords. do Liv. 5.", como tal considerado por Per. 
e Sousa, Ferr. Borges, e por todas as Legisla-ções; não assim, 
pêlo nosso Cod. Crim., que no Art. 16 § 2.° o-considera uma de 
suas circtmstancías aggravantes: Vêja-se na palavra \u2014 Fogo 
\u2014 . 
\u2014 Incesto (Per. e Souza) é a conjuncção carnal e 
illicita entre parentes em gráo prohibido para se-casarem 
segundo as Leis da Igreja : 
VOCABULÁRIO JURÍDICO 157 
O nosso Código o qualifica, e pune, como crime, que se-
pode incabeçár em seus Arts. 220 a 222, segundo a qualidade 
da Offendida em relação ao Estupradôr\u2014. 
\u2014 Incerteza (Ferr. Borges) diz o Art. 1964 do Código 
Civil Francêz,\u2014que o contracto de Sorte é uma convenção 
reciproca, cujos effêitos relativamente ao ganho, ou a perda, 
de todos os contrahentes, ou de um, ou de alguns d'êlles, 
dependem de um evento incerto \u2014; e que taes são o Contracto 
de Seguro, o de Risco ou Cambio Marítimo, o Jogo, a 
Aposta, e o Contracto Vitalício : 
Os dois primeiros regulão-se pélas Leis Maritimas, e pois a 
incertêsa é que dà logàr aos Contractos chamados Aleatórios, 
\u2014 ou de Sorte, \u2014 ou Azdr; apresentando a Lêi transcripta 
exemplos, e sendo o numero muito maior : E' todavia certo, 
que todas as vezes que o effêito do Contracto depende de um\u2014
evento incerto\u2014, é Aleatório : Sem incerteza de evento o 
Contracto de Seguros não subsiste, segundo o Art. 12 do 
Regul. da Casa de Seguros, (hoje o nosso Cod. do Comm.) , 
assim procedendo, ainda que o Seguro seja feito com o \u2014 
pacto de boas ou más novas\u2014; e compreendendo tal pacto 
unicamente a duvida, mas não a certeza de evento: 
Note-se, que basta a incerteza para sustentar-se o Con-
tracto, embora de facto já não exista risco, etc; e tanto que toda 
a falsa allegação da parte do Segurado, ou oc-cultação de 
circumstancias, que influirião na opinião à respeito do risco, 
annulla o Contracto \u2014. 
\u2014 Incompatibilidade é a repugnância de exercer 
juntamente a mesma pessoa duas ou mais funcções publi- 
cas\u2014: 
As qualidades de herdeiro (escripto), e de legatário, são 
incompatíveis na mesma pessoa \u2014. 
\u2014 Incompetência é a falta de jurisdicção na pessoa 
do Juiz para tomar conhecimento de algum negocio : 
BnRHJ 
158 VOCABULÁRIO JURÍDICO 
A Incompetência é \u2014 em razão da pessoa, ou \u2014 em razão 
da matéria; tendo logár no primeiro caso a prorogação do 
Juiz, porém não no segundo caso. I 
E' o estado do Juiz (Ferr. Borges), que não tem poder legal 
para conhecer de uma contestação judicial: Dívide-se em 
Incompetência Material (ratione matéria), e Incompetência 
Pessoal, (ratione personce) : 
A primeira tem logâr, quando o Juiz conhecesse de uma 
causa de competência particular de outro ; por exemplo, se um 
Juiz Secular conhecesse de um Negocio Eccle-siastico, ou vice-
versa: 
A Incompetência \u2014 ratione personce \u2014 é, quando, ainda 
que a matéria sujeita seja da alçada do Juiz, as pessoas comtudo 
não são da sua jurisdicção : I O vicio da Incompetência 
Material é radical, e não pode prorogar-se, nem por 
acquiescencia, nem pêlo comparecimento das Partes; e esta 
chama-se igualmente\u2014absoluta\u2014, em contraposição â \u2014 
relativa \u2014; que se-pode legitimar, não só pêlo consentimento 
expresso das Partes, como muitas vezes pêlo consentimento 
tácito \u2014. 
H \u2014 Incorporai,\u2014incorpórea, é a cousa pertencente à classe 
das que não tem corpo, que se-lhe-possa tocar\u2014 quoe Ungi 
non possunt\u2014, como os direitos, e as acções\u2014, 
\u2014 Indébito exprime pagamento do que não se-deviao 
e que se-póde reclamar, com a denominação de\u2014repetlçã de 
indébito \u2014(repetltio indebiti): 
Tudo o que se-paga sem sêr devido (Ferr. Borges),; é 
repetível etc.; mas não se-admitte repetição nas obrigações 
naturàes, que voluntariamente fôrão satisfeitas : 
Entende-se por Obrigações Naturdes aquellas, cuja exe-
cução não pôde sêr reforçada pélas Leis Civis, etc.\u2014. 
I \u2014 Indemnidade é a que se-dâ à alguém, pa@a que* não 
soffra algum damno : 
VOCABULÁRIO JURÍDICO 159 
Indemne é aquêlle, que, por motivo da Indemnidade, \ e da 
Indemnisação, recebe alguma cousa de outrem : 
Indemnisação é a satisfação do damno causado por delicto 
(technologia do nosso Cod. Penal A.rt.21 â 32), também por 
motivo de contracto, quasi-contracto, quasi-delicto, ou de outra 
causa jurídica. 
O Contracto de Indemnidade, ou de Indemnisação, por 
excellencia, (Ferr. Borges) é o Contracto de Seguro, sendo 
aphorismo seu \u2014 que é \u2014Contracto de Indemnisação\u2014, e não 
de lucro; 
Resta porém examinar, em que consiste esta sua de-
nominação, o que não é geralmente sabido n'um contracto 
diariamente praticado ; 
Muitos Escriptõres, Jurisconsultos e Commerciantes 
Práticos, dizem, que a Indemnisação dos Seguros consiste em 
pôr o Segurado na mesma condição, em que se-acha-ria, se as 
fazendas objecto de Seguro, chegassem livres de damno ao 
porto do destino : 
Isto poderia talvez sêr objecto de um certo Segurb, de um 
Seguro particularmente estipulado; mas não por certo de um 
Seguro geral, celebrado em forma geral : Se assim fosse, 
seguir-se-hia o-absurdo de julgar, que o Segurador se-obrigava 
á. fluctuação do mercado no logár do destino, cousa à que êlle 
não se-obrigou ; de maneira que, se houvesse uma perda nas 
fazendas, que, chega" das sem deterioração, darião um lucro de 
vinte por certo, o Segurador, sem todavia segurar um lucro 
esperado, pagaria um lucro, pagaria aquillo à que não se-o-
brigou : E se pelo contrario na hypothese mencionada, o 
mercado desse perda, o Segurador lucraria, quando não 
convencionou para lucrar mais do premio ; e o Segurado 
perderia, quando convencionou para não perder: Logo, .não 
sendo, nem podendo ser este o fim do Seguro, segue-se, que a 
simples comparação feita contra o valor