Currículo do Estado de São Paulo
261 pág.

Currículo do Estado de São Paulo


DisciplinaEducação Física Escolar271 materiais2.123 seguidores
Pré-visualização50 páginas
competências do Enem.
Isso supõe um tipo de articulação entre 
currículos de formação geral e currículos de 
formação profissional, em que os primeiros 
encarregam-se das competências básicas, fun-
damentando sua constituição em conteúdos, 
áreas ou disciplinas afinadas com a formação 
profissional nesse ou em outro nível de esco-
larização. Supõe também que o tratamento 
oferecido às disciplinas do currículo do Ensino 
Médio não seja apenas propedêutico, tampou-
co voltado estritamente para o vestibular.
27
ArteArteÁrea de LCTCurrículo do Estado de São Paulo
A área de Linguagens, Códigos e suas 
Tecnologias, no Ensino Fundamental (Ciclo II) e 
no Médio, constitui-se de um conjunto de dis-
ciplinas: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira 
Moderna (LEM), Educação Física e Arte. 
Segundo os Parâmetros Curriculares Na-
cionais \u2013 PCN (2006), a linguagem é a capaci-
dade humana de articular significados coletivos 
em sistemas arbitrários de representação, que 
são compartilhados e que variam de acordo 
com as necessidades e experiências da vida em 
sociedade. A principal razão de qualquer ato de 
linguagem é a produção de sentido.
Mais do que objetos de conhecimento, 
as linguagens são meios para o conhecimento. 
O homem conhece o mundo por meio de suas 
linguagens e de seus símbolos. À medida que 
ele se torna mais competente nas diferentes lin-
guagens, torna-se mais capaz de conhecer a si 
mesmo, a sua cultura e o mundo em que vive.
Com base nessa perspectiva, na escola, os 
estudos na área desenvolvem o conhecimento 
linguístico, musical, corporal, gestual, das ima-
gens, do espaço e das formas. Assim, propõe-se 
uma mudança na maneira como as disciplinas de-
vem ser ensinadas, ou seja, o desenvolvimento do 
conhecimento do aluno sobre as linguagens por 
meio do estudo dos conteúdos, historicamente 
construídos, associados a atividades que lhe pos-
sibilitem a interação com a sociedade e também 
o aumento do seu poder como cidadão, impli-
cando mais acesso às informações e melhor pos-
sibilidade de interpretação dessas informações 
nos contextos sociais em que são apresentadas. 
Com tal mudança, a experiência escolar 
transforma-se em uma vivência que permite ao 
aluno compreender e usar as diferentes lingua-
gens como meios de organização da realidade, 
nela constituindo significados, em um processo 
centrado nas dimensões comunicativas da ex-
pressão, informação e argumentação. Esse 
processo exige que o aluno analise, interpre-
te e utilize os recursos expressivos da lingua-
gem, relacionando textos com seus contextos, 
confrontando opiniões e pontos de vista e 
respeitando as diferentes manifestações da 
linguagem utilizada por diversos grupos sociais, 
em suas esferas de socialização.
Utilizar-se da linguagem é saber colo - 
car-se como agente do processo de produção/
recepção. É também entender os princípios das 
tecnologias da comunicação e da informação, 
associando-os aos conhecimentos científicos e 
às outras linguagens que lhes dão suporte.
O ser humano é um ser de linguagens, 
as quais são tanto meios de produção da 
A concepção do ensino na área de Linguagens, 
Códigos e suas Tecnologias
28
Área de LCT Currículo do Estado de São Paulo
cultura humana quanto sua parte fundante. 
Por cultura entendemos a urdidura de muitos 
fios que se interligam constantemente e que 
respondem às diferentes formas com que nos 
relacionamos com as coisas do mundo, com 
os outros seres humanos e com os objetos e 
as práticas materiais da vida. Cultura é, assim, 
uma trama tecida por um longo processo acu-
mulativo que reflete conhecimentos originados 
da relação dos indivíduos com as diferentes coi-
sas do mundo. 
Somos herdeiros de um longo processo 
acumulativo que constantemente se amplia e 
se renova, sem anular a sua história, refletin-
do, dessa forma, o conhecimento e a expe-
riência adquiridos pelas gerações anteriores. É 
a manipulação adequada e criativa desse pa-
trimônio cultural que possibilita as inovações e 
as invenções humanas e o contínuo caminhar 
da sociedade.
No ensino das diversas linguagens artís-
ticas, é fundamental desenvolver o estudo dos 
eixos poético (da produção), estético (da recep-
ção) e crítico (acadêmico e histórico).
A Literatura e a Arte são manifestações 
culturais. O estudo da Literatura não pode ser 
reduzido à mera exposição de listas de escolas 
literárias, autores e suas características. Por con-
tiguidade o estudo da Arte não pode equivaler 
apenas ao conhecimento histórico e à mera 
aquisição de repertório, e muito menos a um 
fazer por fazer, espontaneísta, desvinculado da 
reflexão e do tratamento da informação. 
No ensino de Educação Física é fun-
damental compreender o sujeito mergulha-
do em diferentes realidades culturais nas 
quais não se dissociam corpo, movimento 
e intencionalidade. Seu estudo não se re-
duz mais ao condicionamento físico e ao 
esporte, quando praticados de maneira in-
consciente ou mecânica. O aluno deve não 
só vivenciar, experimentar, valorizar e apre-
ciar os benefícios advindos da cultura de 
movimento e deles desfrutar, mas também 
perceber e compreender os sentidos e signi-
ficados das suas diversas manifestações na 
sociedade contemporânea.
Em relação à Língua Estrangeira Moder-
na (LEM), importa construir um conhecimento 
sistêmico sobre a organização textual e sobre 
como e quando utilizar a língua em situações 
de comunicação. A consciência linguística e a 
consciência crítica dos usos que se fazem da 
língua estrangeira devem possibilitar o acesso 
a bens culturais da humanidade. Os estudos de 
Língua Portuguesa e de Língua Estrangeira Mo-
derna constituem-se em excelentes meios para 
a sensibilização dos alunos para os mecanismos 
de poder associados a uma língua.
No ensino das disciplinas da área, deve-se 
levar em conta que os alunos se apropriam 
mais facilmente do conhecimento quando 
contextualizado, ou seja, quando faz sentido 
dentro de um encadeamento de infor mações, 
conceitos e atividades. Dados, informa ções, 
ideias e teorias não podem ser apresenta-
dos de maneira estanque, separados de suas 
29
ArteArteÁrea de LCTCurrículo do Estado de São Paulo
condições de produção, do tipo de sociedade 
em que são gerados e recebidos, de sua rela-
ção com outros conhecimentos. 
Do nosso ponto de vista, a contextualiza-
ção na área pode se dar em três níveis:
\u2022	 A contextualização sincrônica, que ocorre 
num mesmo tempo, analisa o objeto em re-
lação à época e à sociedade que o gerou. 
Quais foram as condições e as razões de sua 
produção? De que maneira ele foi recebido 
em sua época? Como se deu o acesso a esse 
objeto? Quais as condições sociais, econômi-
cas e culturais de sua produção e recepção? 
Como um mesmo objeto foi apropriado por 
grupos sociais diferentes?
\u2022	 A contextualização diacrônica, que ocorre 
através do tempo, considera o objeto cultu-
ral no eixo do tempo. De que maneira aquela 
obra, aquela ideia, aquela teoria se inscrevem 
na história da Cultura, da Arte e das ideias? 
Como certa obra, por exemplo, foi apropriada 
por outros autores em períodos posteriores? 
De que maneira ela se apropriou de objetos 
culturais de épocas anteriores a ela própria?
\u2022	 A contextualização interativa, que permite 
relacionar o objeto cultural com o universo 
específico do aluno. Como ele é visto hoje? 
Que tipo de interesse ele ainda desperta? 
Quais as características desse objeto que 
fazem com que ele ainda seja estudado, 
apreciado ou valorizado?
A questão da contextualização remete-nos