MATEMÁTICA: INOVAÇÃO METODOLÓGICA NORTEANDO A APRENDIZAGEM
11 pág.

MATEMÁTICA: INOVAÇÃO METODOLÓGICA NORTEANDO A APRENDIZAGEM


DisciplinaArtigo Científico426 materiais947 seguidores
Pré-visualização3 páginas
DNE, forneceu aval necessário para a implantação dos novos programas no referido colégio. O Decreto 18 564 de 15 de janeiro de 1929 oficializou o aceite da proposta modernizadora encabeçada por Roxo (Valente in Werneck p. 42). O novo ensino para Aritmética, Álgebra e Geometria seria feito a partir da criação de uma nova disciplina escolar, resultado da fusão das três áreas ministradas em separado. Conforme Werneck, essa proposta criada para o Colégio Pedro II era para ser gradualmente implantada e as transformações no ensino irem acontecendo paulatinamente, porém os acontecimentos se precipitaram com o decreto 19 890 de 18 de abril de 1931, que passou a ser conhecido como Reforma Francisco Campos , que criou um programa nacional para o ensino de Matemática, de forma autoritária, pois o ministro acatou todas as idéias de Euclides Roxo mostrando que \u201cum homem sozinho consegue fazer uma reforma desde que ocupe um cargo que lhe dê autoridade para tanto\u201d. (Werneck, p. 81). O próprio Euclides Roxo no APER (Arquivo Pessoal Euclides Roxo e fonte de busca da gênese do 1º programa de Matemática brasileiro) \u2013 ER.T.1.007, declara que elaborou o programa de Matemática da reforma. (Werneck, p 47). Segundo Werneck entre os 624 documentos do APER, encontram-se alguns programas estrangeiros, podendo indicar pistas de que a reforma veio de alguns desses programas ou da mescla de todos eles, mas num estudo comparativo o programa brasileiro foi de longe, mais extenso. O programa de Euclides Roxo recebeu severas críticas, como por exemplo de ser antipedagógica, tanto de progressistas como de conservadores, estes últimos, a favor da manutenção da Matemática tradicional. Na década de 40 com a Reforma Capanema, que se apresentou como uma reação à Reforma Campos, o programa de Matemática tem um recuo à Matemática Tradicional defendida por alguns professores, como por exemplo, o Pe Almeida Lisboa. Essa reforma orientou o ensino de Matemática até 1961. Euclides Roxo porém conseguiu manter as orientações metodológicas para os programas do curso ginasial.
4. CONCLUSÃO
Por meio da pesquisa Bibliográfica, pude observar que as dificuldades de aprendizagem da disciplina de matemática estão fortemente presente na escola e que ela é motivo de grande aflição de muitas crianças jovens e adolescentes e é razão de grande preocupação de muitos educadores da área. Por meio desta pesquisa pude ampliar meus conhecimentos e eventualmente me proporcionar várias metodologias para minha pratica de ensino em sala de aula, pois a matemática proporciona uma ponte entre a realidade do educando com o conhecimento adquirido na escola. Numa sociedade em constante mudança os meios e formas de ensino devem sempre estar em adaptações e revisões constante, de tal forma que se adapte as novas necessidades dos educandos. 
A utilização de novos recursos metodológicos como novas tecnologias e a arte, oferece uma ampla quantidade de possibilidades de garantia, desenvolvimento e aprendizagem da matemática que deve ser aproveitado, que despertam a participação, o entusiasmo, e fomentam a garantia do ensino aprendizagem da disciplina.
\ufffd
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
GRANJA, C. E. de S. C. Conhecimento E educação. \u2013 São Paulo: Escritura Editora, 2006.
CARVALHO, P. C. P. Fazer Matemática e usar Matemática. Salto para o futuro. Série Matemática não é problema. Disponível em http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/22005/JoseAugustoFlorentinodaSilva.pdf
PITAGORAS (Matemática X Musica) Experiência nos Monocórdios Disponível em Donald no país da Matemática (matemágica) de Walt Disney. Pitágoras, Música, Arte e Matemática. Disponível em: >https://www.youtube.com/watch?v=7S3iW_sbqsA
http://www.multicursomatematica.org.br/2012/01/musica-e-recurso-para-se-usar-nas-aulas-de-matematica/
http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada6/trabalhos/617/617.pdf 
http://dennys.rg80.com/?p=846
http://monografias.brasilescola.com/psicologia/dificuldade-aprendizagem-matematica-discalculia.htm 
http://monografias.brasilescola.com/matematica/a-matematica-dificuldades-no-processo-ensino-aprendizagem.htm
http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada6/trabalhos/617/617.pdf
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional \u2013 LDB Lei nº 9394/96, 1996.
GARBI, G. G. O Romance das Equações Algébricas. 4 ed. São Paulo. Editora Livraria da Física. 2010.
AMBROSIO, U. História da Matemática e Educação. História e Educação Matemática. 1ª ed. Campinas, SP: Papirus, 1991, 
LIBÂNIO, José Carlos. Didática. Ed. 19. São Paulo: Cortez, 1994.
JONAS PAGOTTO, Professor do projeto Matemática e Música (2010)
MIGUEL, A.; MIORIN, M. A. A História na educação matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica, 2004
MACHADO, N. J. Matemática e realidade: análise dos pressupostos filosóficos que fundamentam o ensino da matemática. São Paulo: Cortez, 1994.
NACARATO, A+. M; MENGALI, B. L. da S.; PASSOS, C. L.B. Metodologia de Matemática para educação. Belo Horizonte Autentica, 2009.
NETO, Ernesto Rosa. Didática da matemática. 11 ed. São Paulo: Ática, 2001.
MINICUCCI, Agostinho. Dinâmica de Grupo. Manual de técnicas. São Paulo: Atlas, 1997.
Tico
Tico fez um comentário
Ei , esse TCC É MEU, eu que fiz.. copiou de onde?
0 aprovações
Carregar mais