diagnosticopsicopedagogico 140501140434 phpapp02
119 pág.

diagnosticopsicopedagogico 140501140434 phpapp02


DisciplinaDiagnóstico e Intervenção em Psicolo43 materiais171 seguidores
Pré-visualização30 páginas
aparecem sempre na mesma ordem, porém a escrita possui diferentes quantidades de 
grafias, o que determina a diferenciação entre os nomes a serem representados. 
Exemplos: 
 
 
 
 
 
2. Quantidade constante com repertório fixo: esta escrita mantém uma mesma 
quantidade de elementos gráficos, porém uma mesma grafia é mantida no início, no final 
ou no meio da representação, servindo as demais para diferenciar. Exemplos: 
 
A O 8 \u2013 Mariposa 
 
A O 8 \u2013 Mar 
 
A O 8 - Cavalo 
Angeival \u2013 Gato 
 
Angeival \u2013 Mariposa 
 
Angeival \u2013 O gato bebe leite 
J S I E V I E T N G \u2013 O gato bebeu leite 
 
J S T G \u2013 gato 
 
J S I G V - borboleta 
Anderle, Salete Santos, Psicopedagoga- Clínica, Institucional Pedagoga (UCS/RS), Alfabetizadora 
(UCS/RS) Mestrado em Psicopedagogia UNISUL/SC contatos salete_anderle@hotmail.com fone 54 
32114257 
 43 
 
 
 
 
 
 
 
3. Quantidade variável com repertório fixo parcial: como na subcategoria 
anterior, aparecem constantemente algumas grafias, na mesma ordem e no mesmo lugar 
e outras grafias de formas diferentes, em ordens diferentes de uma representação para 
outra. A diferença está na quantidade de grafias, que não é sempre a mesma. Isso indica 
um elemento a mais para diferenciação. Exemplo: 
 
 
 
 
 
4. Quantidade constante com repertório e posição variável: nestes casos a 
quantidade de grafia se mantém em todas as representações, porém se usam recursos 
de diferenciação qualitativa: trocam-se as letras ao passar de uma escrita para outra, ou 
troca-se a ordem das letras. Exemplo: 
 
 
 
 
 
5. Quantidade variável e repertório variável: estas escritas expressam a 
máxima diferenciação controlada que permite o nível pré-silábico: variar a quantidade e o 
repertório para diferenciar uma escrita da outra. 
As variações na quantidade de grafia podem ter relação com o tamanho do 
objeto que se representa. Exemplos: 
 
 
 
 
Escritas diferenciadas com valor sonoro inicial 
As diferenciações entre escritas se representam plenamente desenvolvidas 
nesta categoria, com o acréscimo de um dado importante: a presença de letra com 
correspondência sonora (uma só letra, quase sempre a primeira). 
 
- Gato 
- Borboleta 
- O gato bebe leite 
E O I R I I 8 a \u2013 gato 
E a R i i \u2013 borboleta 
E r i i 2 o 8 \u2013 cavalo 
E R V I \u2013 o gato bebe leite 
O C A \u2013 gato 
J E P \u2013 borboleta 
F I - \u2013 cavalo 
E B T \u2013 o gato bebe leite 
O C A \u2013 gato 
J E P \u2013 borboleta 
F I - \u2013 cavalo 
E B T \u2013 o gato bebe leite 
A d i o n \u2013 gato 
C i d s \u2013 borboleta 
T c r o s m a e u l \u2013 cavalo 
Anderle, Salete Santos, Psicopedagoga- Clínica, Institucional Pedagoga (UCS/RS), Alfabetizadora 
(UCS/RS) Mestrado em Psicopedagogia UNISUL/SC contatos salete_anderle@hotmail.com fone 54 
32114257 
 44 
Esta categoria é uma zona intermediária entre a ausência de correspondência 
sonora (nível pré-silábico); por outro lado a letra que inicia a escrita não é fixa nem 
aleatória, mas tem relação com o valor sonoro da primeira sílaba da palavra (prenúncio 
do nível silábico). Além disso a quantidade e o repertório são variáveis. Exemplos: 
 
 
 
 
 
2. NÍVEL SILÁBICO 
Comparando com a evolução da escrita universal, este nível corresponde às 
etapas Logográficas e Fonográficas. 
Quando a criança compreende que as diferenças das representações escritas 
se relacionam com as diferenças sonoras da palavra, busca descobrir que tipo de recorte 
da palavra é aquele que corresponde com os elementos da palavra escrita. No nível 
silábico existe claramente esta tentativa de corresponder grafia e sílaba sonora 
(geralmente uma grafia para cada sílaba), o que não inclui problemas derivados de 
exigências de quantidade mínima de letras. 
 
Escritas silábicas iniciais 
Nesta categoria aparecem as primeiras tentativas de escrever designando a 
cada grafia um valor silábico. Como são as primeiras tentativas, o resultado muitas vezes 
é incompleto e coexistente com escritas que não correspondem com este princípio, e 
com exigência de quantidade mínima de grafias. 
1. Escritas silábicas iniciais sem predomínio do valor sonoro convencional: se 
trata da coexistência de escritas silábicas com escritas sem correspondência sonora, 
todas com ausência (completa ou quase total) do valor sonoro convencional. A presença 
dos tipos de escrita pode dever-se a coexistência de diversas hipóteses escritas. 
exemplos 
 
 
 
2. Escritas silábicas iniciais com valor sonoro convencional em escritas sem 
correspondência sonora: a única diferença deste grupo em relação ao grupo anterior é 
que a escrita sem correspondência sonora tem um valor sonoro convencional inicial e as 
escritas com correspondência sonora não apresentam valores sonoros convencionais. 
Exemplos: 
 
 
 
 
Asohl \u2013 lápis 
Pals \u2013 pagamento 
Ialta \u2013 giz 
Sasa \u2013 sal 
Lapea \u2013 lápis 
Pepe \u2013 pagamento 
Gifi \u2013 giz 
Cici \u2013 Chile 
I hgo 
 
Lá pis 
I q s t 
 
Pa ga men to 
I e c 
 
Ce bo la 
Ondan salet 
 
 
O Gato toma leite 
Anderle, Salete Santos, Psicopedagoga- Clínica, Institucional Pedagoga (UCS/RS), Alfabetizadora 
(UCS/RS) Mestrado em Psicopedagogia UNISUL/SC contatos salete_anderle@hotmail.com fone 54 
32114257 
 45 
3. Escritas silábicas iniciais com valor sonoro convencional em escritas com 
correspondência sonora: nesta sub-categoria coexistem escritas com ou sem 
correspondência sonora, como na anterior, porém o valor sonoro convencional pode 
estar presente nas duas. Exemplos: 
 
 
 
 
Escritas silábicas com marcada exigência de quantidade 
Nesta categoria se agrupam as categorias construídas a partir de análises 
silábicas das palavras, mesmo que em alguns casos apareçam mais grafias que as 
exigidas por tais análises. 
Há o predomínio de uma exigência mínima de quantidade superior a 2. 
portanto são as escritas dos monossilábicos e dos dissilábicos as que mais apresentam 
dificuldades. Esta situação é tão conflitiva que para compensá-la as crianças se 
descontrolam a tal ponto que não se limitam a escrever com a mínima quantidade que os 
mesmos postulam como necessária, duvidando por vezes da correspondência silábica 
que tem demonstrado manejar perfeitamente em ausência deste conflito. Por isso se fala 
em uma marcada exigência de qualidade. 
1. Escritas silábicas com marcada exigência de qualidade e sem predomínio de 
valor sonoro convencional: as escritas que se apresentam aqui tendem a estabelecer 
uma correspondência sistemática entre quantidade de grafias e quantidade de sílabas da 
palavra que se escreve. Os monossílabos e dissílabos normalmente são escritos com 
número superior às suas sílabas, por se entender que com tão poucas sílabas não é 
possível representar a palavra. 
Não há predomínio do valor sonoro convencional neste grupo. Exemplos: 
 
 
 
2. Escritas silábicas escritas, com marcada exigência de quantidade e 
predomínio do valor sonoro convencional: a diferença com relação ao grupo anterior é o 
predomínio do valor sonoro convencional nas letras utilizadas.exemplos: 
 
 
 
Escritas silábicas escritas 
São aquelas em que predominam a hipótese silábica (correspondência entre 
quantidade de grafias na escrita e sílabas na palavra que se escreve). 
Esta correspondência se estabelece quase sempre destinando uma grafia para 
cada sílaba, as vezes duas. 
O conflito que aparece na categoria anterior é resolvido em favor da hipótese 
silábica e a criança pode escrever a palavra com um ou mais sinais gráficos. 
G o l o 
 
G a t o 
Aovlo 
 
cavalo 
L i o p 
 
Bor bo le ta 
A I O E 
Bor bo le ta 
EO OAT 
Ga to 
E O A 
Ce bo la 
O g o e p 
O ga to co me pão 
Anderle,