FISICA 1
167 pág.

FISICA 1


DisciplinaFísica Básica I1.081 materiais10.589 seguidores
Pré-visualização44 páginas
de circuitos. Símbolos convencionais. Potência e consumo de energia em 
dispositivos elétricos. Campo magnético. Imãs permanentes. Linhas de campo magnético. Campo 
magnético terrestre. 
Oscilações, ondas, óptica e radiação - Feixes e frentes de ondas. Reflexão e refração. Óptica geométrica: 
lentes e espelhos. Formação de imagens. Instrumentos ópticos simples. Fenômenos ondulatórios. Pulsos e 
ondas. Período e frequência, ciclo. Propagação: relação entre velocidade, frequência e comprimento de 
onda. Ondas em diferentes meios de propagação. 
O calor e os fenômenos térmicos - Conceitos de calor e temperatura. Escalas termométricas. Transferência 
de calor e equilíbrio térmico. Capacidade calorífica e calor específico. Condução do calor. Dilatação térmica. 
Mudanças de estado físico e calor latente de transformação. Comportamento de Gases ideais. Máquinas 
8 
 
 
térmicas. Ciclo de Carnot. Leis da Termodinâmica. Aplicações e fenômenos térmicos de uso cotidiano. 
Compreensão de fenômenos climáticos relacionados ao ciclo da água. 
Atente-se ao fato de que as questões do ENEM fazem uma abordagem mais ampla, ou seja, uma questão 
pode abordar diversos assuntos de diversas áreas. Assim, a física pode ser cobrada em meio a situações 
cotidianas de diferentes áreas, por meio de gráficos, tabelas, notícias, etc., cabendo ao vestibulando 
interpretá-las, para assim aplicar os conhecimentos físicos básicos. 
FONTE: http://vestibular.brasilescola.com/enem/a-fisica-que-cai-no-enem.htm 
 
 
PARTE I 
CONCEITOS BASICOS 
 
SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES 
 
Em física chamamos de grandeza aquilo que pode ser medido, como por exemplo, velocidade, tempo, 
massa e força. Portanto, podemos dizer que tudo que pode ser medido é uma grandeza. Embora saibamos 
que existem dezenas de grandezas físicas, alguns padrões e definições são estabelecidos para um número 
mínimo de grandezas fundamentais. A partir das grandezas denominadas fundamentais é que são definidas 
unidades para as demais grandezas, ditas grandezas derivadas. 
Dessa forma, da grandeza fundamental comprimento, cuja unidade é o metro, definem-se unidades 
derivadas, como área (metro quadrado) e volume (metro cúbico). Duas grandezas fundamentais 
comprimento e tempo definem a unidade de velocidade e aceleração. 
Até meados de 1960 em todo mundo havia vários sistemas de unidades de medida, ou seja, existiam 
diferentes unidades fundamentais, que originavam inúmeras unidades derivadas. Por exemplo, as 
grandezas força e velocidade possuíam cerca de uma dezena de unidades diferentes em uso. De certa 
forma, essa grande quantidade de unidades fundamentais atrapalhava o sistema de medidas, já que eram 
diferentes em cada região. Por conta dessa divergência de unidades fundamentais, foi que a 11a 
Conferência Geral de Pesos e Medidas (CGPM) criou o Sistema Internacional de Unidades (SI) com o 
objetivo de eliminar essa multiplicidade de padrões e unidades. 
O sistema (SI) criado pela CGPM deveria estabelecer a cada grandeza somente uma unidade. O acordo 
quanto à utilização de apenas uma unidade foi realizado em 1971, na 14a CGPM. Nessa conferência foram 
selecionadas as unidades básicas do SI: metro, quilograma, segundo, ampère, kelvin, mol e candela, 
correspondentes às grandezas fundamentais: comprimento, massa, tempo, intensidade de corrente elétrica, 
temperatura, quantidade de matéria e intensidade luminosa. 
Do mesmo modo, foram estabelecidos os seus símbolos, unidades derivadas, unidades suplementares e 
prefixos. O progresso científico e tecnológico tem possibilitado a redefinição dos padrões dessas grandezas. 
A tabela abaixo nos mostra as unidades de base do SI, bem como seus símbolos. 
 
 
 
9 
 
 
 
 
UNIDADES DE TEMPO 
1 ano = 365 dias (geralmente) 
1 dia = 24 horas 
1 hora = 60 minutos 
1 minuto = 60 segundos 
 
365 x 24 x 60 x 60 = 31.536.000 segundos 
 
 
GRANDEZAS PADRÃO DO S.I.: 
 
Por definição, as grandezas preferidas pelo S.I. para distancia, tempo e massa são o metro (m), o segundo 
(s) e o quilograma (Kg) 
 
 
NUMEROS DECIMAIS 
 
Numeros decimais são todos aqueles números que possuem uma virgula. Cada numero escrito após a 
virgula é considerado como casa decimal, ou numero decimal. O numero escrito antes da virgula é 
chamado de numero inteiro. Vocês estudarão melhor esse assunto na matemática, mas vamos adiantar o 
básico, pois o utilizaremos muito. 
Exemplos de números decimais: 
4,5 
7,54 
2,324 
100,33 
0,324 
 
No nosso primeiro exemplo (4,5), 4 é o número inteiro e 5 é o decimal. Esse número apresenta apenas 
uma casa decimal. 
Cada número escrito após a virgula corresponde á uma divisão por 10. O primeiro exemplo dado, 4,5, nada 
mais é do que o resultado da divisão de 45 por 10: 
4,5= 45/10 
O segundo exemplo, 7,54, possui dois números após a virgula. Logo, foi dividido por 10 duas vezes, o que 
equivale a dizer que foi dividido uma vez por 100: 
7,54= 754/10/10= 754/10x10=754/100 
E assim por diante. Logo, podemos dizer que esses números decimais foram divididos por tantos 10 
quantas casas decimais tiverem. No nosso terceiro exemplo, 2,324, temos 3 casas decimais, logo foi 
dividido por 1000. 
 
Trabalhar com números nessa forma pode ser muito cansativo. Por isso adotamos uma maneira para 
escreve-los de forma mais elegante, que veremos na parte de Potencias de base 10. Mas antes, teremos 
de recordar um pouco sobre potencias. 
 
DEFINIÇÃO DE POTENCIA 
Potência é todo número na forma a
n
, com a \u2260 0, onde a é a base, n é o expoente e a
n
 é a potência. 
a
n
 = a x a x a x a x...a (n vezes) 
10 
 
 
Por convenção, admitiremos que todo número elevado a 0 é igual a 1, a
0
 = 1 e todo número elevado a 1 é 
igual a ele próprio, a
1 
= a. 
Exemplos 
2
1
 = 2 
54
0
 = 1 
4
4
 = 4x4x4x4 = 256 
5
3
 =5x5x5= 125 
12
2
 = 12x12 = 144 
 
PROPRIEDADE DE POTENCIAS 
Primeira propriedade 
Ao multiplicar potências de mesma base, repetimos a base e somamos os expoentes. 
 
Segunda propriedade 
Ao dividir potências de mesma base, repetimos a base e subtraímos os expoentes. 
 
Terceira propriedade 
Ao elevar uma potência a um outro expoente, repetimos a base e multiplicamos os expoentes. 
(x
a
)
b
 = x
ab
 
Quarta propriedade 
Ao elevar um produto ou um quociente a um expoente, elevamos cada um dos fatores a esse 
expoente ou, no caso do quociente, elevamos o dividendo e também o divisor ao mesmo expoente. 
 
 
 
Potência de expoente negativo 
A ideia de inverso é utilizada para solucionar potências de expoente negativo, transformamos numerador 
em denominador, e vice-versa, logo após, tornamos o expoente positivo. 
 
Ou seja, se temos um numero no denominador e queremos passa-lo para o numerador, basta elevarmos 
esse numero á -1. 
Potência de base 10 
A potência de base 10 é utilizada para abreviar a escrita de números que contenham n fatores 10, 
facilitando assim sua representação. 
Exemplos 
 
11 
 
 
10
5
 = 100000 (5 zeros) 
10
7
 = 10000000 (7 zeros) 
10
3
 = 1000 (3 zeros) 
Nesse tipo de potência, quanto o expoente for positivo, ele indica a quantidade de zeros que deverão ser 
acrescentados após o algarismo 1. 
10
-2
 = 0,01 (2 casas decimais) 
10
-5
 = 0,00001 (5 casas decimais) 
Aqui, como o expoente é negativo, ele indica o número de casas decimais que deverão ser criadas a partir 
do zero e com final 1. 
Vamos ver, então,