AULA 02 Direitos Reais POSSE ppt
50 pág.

AULA 02 Direitos Reais POSSE ppt


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.135 materiais525.803 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Prof. Me. Douglas Braun (Direitos Reais)
DIREITOS REAIS
- POSSE - 
 - POSSE -
\u25a0 É protegida pelo nosso 
ordenamento jurídico para evitar 
a violência e assegurar a paz 
social, bem como porque a 
situação de fato aparenta ser 
uma situação de direito.
a) Teoria Subjetiva (Friedrich Karl Von 
Savigny - Tratado da posse - 1983)
Descobriu a posição autônoma da posse, afirmando 
categoricamente a existência de direitos exclusivos e estritamente 
resultantes da posse.
Para Savigny, a posse caracteriza-se pela conjugação de dois 
elementos CORPUS (elemento objetivo que consiste na detenção 
física da coisa) e ANIMUS (elemento subjetivo, que se encontra na 
intenção de exercer sobre a coisa um poder no interesse próprio e 
defendê-la contra a intervenção de terceiros).
Não é a convicção de ser dono, mas a vontade de tê-la como 
sua (animus domini), de exercer o direito de propriedade 
como se fosse o titular. 
\u25a0 Para Savigny os dois elementos são requisitos 
indispensáveis, pois se faltar o CORPUS inexiste a 
posse, e se faltar o ANIMUS não existe posse, mas sim, 
mera detenção da coisa. 
\u25a0 Para Savigny não são relações possessórias aquelas em 
que a pessoa tem a coisa em seu poder, mas não possui 
a intenção de tê-la como dono (animus domini). Ex. 
Locação, Comodato, Penhor, etc.
 
\u25a0 Nesse ponto surgiu o conflito com o Direito Moderno.
1 - TEORIA SUBJETIVA DA POSSE ou 
TEORIA DE SAVIGNY
Para Savigny, a posse seria constituída de dois elementos: o 
CORPUS e o ANIMUS. 
CORPUS é o poder físico ou de disponibilidade sobre a coisa
ANIMUS é a intenção de ter a coisa para si.
Para Savigny, a posse seria caracterizada pela existência de 
ambos (CORPUS E ANIMUS).
b) Teoria Objetiva (Rudolf Von 
Ihering)
- Essa teoria diferencia-se da anterior, pois não confere 
tanta importância a intenção (animus), mas reconhece a 
necessidade do elemento CORPUS, dando maior 
ênfase ao caráter de exteriorização da propriedade.
Portanto, para que a posse exista, basta o elemento 
objetivo, pois ele se revela na maneira como o 
proprietário age em face da coisa.
Para Ihering, basta o elemento 
CORPUS para caracterizar a 
posse, sendo CORPUS 
interpretado não como contato 
físico com a coisa, mas sim 
conduta de dono.
\u25a0 Segundo Ihering, tem posse quem se comporta 
como dono (affectio tenendi), e nesse 
comportamento já está incluído o animus.
Ex. Alguém que deixa um determinado objeto num local 
- uma jóia -, não tem mais a posse da mesma, uma 
vez que não é assim que o proprietário age em 
relação a um bem dessa natureza (conduta de dono).
Importância - Interfere diretamente na tipicidade do 
delito de furto.
Chegamos a esta definição de forma 
indireta, pois nossa legislação não define 
posse, mas apenas define que é 
POSSUIDOR (ART. 1.196), como sendo 
\u201ctodo aquele que tem de fato o 
exercício, pleno ou não, de algum 
dos poderes inerentes à 
propriedade.\u201d
DIFERENÇA ENTRE POSSE E 
DETENÇÃO
A lei (ART. 1.198, CC) é quem desqualifica a 
relação para a chamada mera DETENÇÃO.
A diferença básica entre POSSE e 
DETENÇÃO, está ligada ao fato de o 
POSSUIDOR usufrui do bem para si, 
economicamente, enquanto que o 
DETENTOR administra o bem em favor de 
terceiro, cumprindo ordens de terceiro.
MARIA HELENA DINIZ \u201cFÂMULO DA POSSE 
(DETENTOR) é aquele que, em virtude de 
sua situação de dependência econômica ou 
de um vínculo de subordinação em relação a 
uma outra pessoa (possuidor direito ou 
indireto), exerce sobre o bem, não uma 
posse própria, mas a posse desta última e 
em nome desta, em obediência a uma ordem 
ou instrução\u201d.
ENUNCIADO nº 301 (Jornadas de Direito Civil): é 
possível a conversão da detenção em posse, desde 
que rompida a subordinação, na hipótese de 
exercício em nome próprio dos atos possessórios. 
Este enunciado realmente esclarece possíveis dúvidas 
que possam existir, uma vez que, se o detentor deixa 
de agir em nome alheio, para agir em nome próprio, 
deixa ele de ser detentor, e passar a ser possuidor, 
ainda que esta posse injusta.
\u25a0 
COMPOSSE
É quando duas ou mais pessoas exercem, 
simultaneamente, poderes possessórios sobre a 
mesma coisa. 
A COMPOSSE está prevista no artigo 1.199, do 
Código Civil, tendo a seguinte redação: \u201cse duas ou 
mais pessoas possuírem coisa indivisa, poderá cada 
uma exercer sobre ela atos possessórios, contanto 
que não excluam os dos outros compossuidores\u201d.
 Em melhores palavras, a COMPOSSE 
seria o exercício simultâneo da mesma 
posse, por duas ou mais pessoas, sem 
que a posse de um sujeito se 
sobreponha a posse do outro.
COMPOSSE PRO DIVISO e 
COMPOSSE PRO INDIVISO.
\u25a0 COMPOSSE PRO DIVISO quando a posse 
é exercida sobre parte determinada da 
coisa.
\u25a0 COMPOSSE PRO INDIVISO ocorre 
quando a posse é exercida sobre coisa na 
qual sua parte não é determinada.
\u25a0 Não se pode confundir COMPOSSE que é o 
exercício concomitante da mesma posse sobre o 
mesmo bem, sem que uma posse se sobreponha 
a outra, com CONCORRÊNCIA DE POSSE, que 
é o exercício simultâneo de posses distintas 
sobre um mesmo bem, na qual uma se 
sobrepõe à outra. 
É hipótese de desdobramento da posse em DIRETA 
ou INDIRETA.
ESPÉCIES DE POSSE
Seguindo a definição trazida pelo Código, a 
posse pode ser classificada em: POSSE 
DIRETA E INDIRETA; POSSE JUSTA E 
INJUSTA; POSSE DE BOA-FÉ E POSSE 
DE MÁ-FÉ; POSSE NOVA E POSSE 
VELHA; POSSE NATURAL E POSSE CIVIL 
OU JURÍDICA; POSSE AD INTERDICTA e 
POSSE AD USUCAPIONEM.
1) CLASSIFICAÇÃO QUANTO A RELAÇÃO 
PESSOA-COISA
(POSSE DIRETA E POSSE INDIRETA)
A divisão entre POSSE DIRETA e POSSE INDIRETA 
encontra-se definida na redação do artigo 1.197 do CC. 
Nesta hipótese a relação possessória encontra-se 
desdobrada. 
Ex. Da existência de POSSE DIRETA e POSSE INDIRETA, 
ocorre no caso de Contrato de Locação, no qual o LOCADOR 
(proprietário), exerce a posse indireta (mediata) sobre o 
imóvel, enquanto que o LOCATÁRIO (inquilino), exerce a 
posse direta (imediata) por concessão do locador. Veja-se que 
uma posse não anula a outra, ambas coexistem no tempo e no 
espaço.
POSSE DIRETA é aquela exercida por quem tem a 
coisa materialmente; que tem contato físico imediato 
com o bem.
POSSE INDIRETA é aquela oriunda de meto exercício 
de direito, geralmente decorrente do direito real de 
propriedade.
A vantagem dessa divisão é que o possuidor direito 
e o indireto podem invocar a proteção possessória 
contra terceiro. 
Podem inclusive utilizar-se de PROTEÇÃO 
POSSESSÓRIA um contra o outro conforme a 
última parte do artigo 1.197 retro mencionado. A 
interpretação deste artigo é mais uma vez confirmada 
através do ENUNCIADO 76, originário da I Jornada 
de Direito Civil, dizendo que \u201co possuidor direito 
tem direito de defender a sua posse contra o 
indireto e este contra aquele.\u201d
2) CLASSIFICAÇÃO QUANTO A PRESENÇA DE 
VÍCIOS
(POSSE JUSTA E POSSE INJUSTA)
\u25a0 Na redação do artigo 1.200 do Código Civil, \u201cÉ 
JUSTA A POSSE QUE NÃO FOR 
VIOLENTA, CLANDESTINA OU 
PRECÁRIA\u201d.
\u25a0 Nessa definição devemos entender ser a posse 
INJUSTA somente com relação a alguém.
POSSE VIOLENTA é aquela obtida pela força 
ou violência no início de seu exercício. 
Não existindo a violência a posse é denominada como 
MANSA e PACÍFICA. 
É necessário que a violência seja dirigida contra o possuidor ou 
contra o seu fâmulo (detentor) e que o ato ou fato seja ofensivo 
e sem permissão. Perceba que existe uma semelhança direta 
com o crime de ROUBO.
POSSE CLANDESTINA é aquela obtida às 
escondidas, de forma oculta, sem que ninguém 
tenha conhecimento. 
Sendo assim não será clandestina a posse obtida 
com publicidade. 
A CLANDESTINIDADE é caracterizada pelo não 
conhecimento por parte do possuidor esbulhado. Já 
neste caso, esta posse guarda uma semelhança