4. NEOPLASIA - resumo robbins
20 pág.

4. NEOPLASIA - resumo robbins


DisciplinaProcessos Patologicos Basicos27 materiais220 seguidores
Pré-visualização13 páginas
Elaborado por Suellen Yamano 
NEOPLASIA (Robbins) 
1. DEFINIÇÕES 
Neoplasia significa \u201cnovo crescimento\u201d, que é 
chamado de neoplasma. 
Um tumor é uma massa anormal de tecido, cujo 
crescimento é quase autonômico e excede os tecidos 
normais, sendo que o seu crescimento persiste mesmo 
após a interrupção dos estímulos desencadeantes (que 
deram origem à mudança). Essa persistência do tumor 
resulta de alterações genéticas hereditárias, que 
permitem uma proliferação excessiva e não regulada que 
se torna autônoma (independente dos estímulos 
fisiológicos de crescimento), embora os tumores ainda 
permaneçam dependentes do hospedeiro para sua 
nutrição e aporte sanguíneo. 
Toda a população de células dentro de um tumor 
surge de uma célula isolada que sofreu alteração 
genética, e a partir daí os tumores são considerados 
clonais. 
Obs.: lembrar que o prof. disse que as células cancerosas não se dividem 
mais rápido e sim mais vezes, devido à ausência dos fatores regulatórios. 
2. NOMENCLATURA 
Todos os tumores benignos e malignos apresentam 2 
componentes básicos: 
\ufffd Células neoplásicas em proliferação que constituem seu 
parênquima. 
\ufffd Estroma de sustentação formado por tecido conjuntivo 
e vasos sanguíneos. 
Tumores benignos: 
EM GERAL: célula de origem + sufixo oma. Ex.: 
condroma, osteoma, lipoma. 
 A nomenclatura dos tumores epiteliais benignos é 
mais complexa e tem por base suas células de origem e 
arquitetura. Ex.: 
\ufffd Adenoma: neoplasma epitelial Benigni que forma 
padrões glandulares ou é derivado de glândulas. 
\ufffd Cistoadenomas: lesões que formam grandes massas 
císticas (vistas tipicamente no ovário). 
\ufffd Papilomas: neoplasmas epiteliais benignos que 
produzem projeções digitiformes ou verrucosas visíveis 
micro ou macroscopicamente. 
\ufffd Pólipo: neoplasma que se projeta de uma superfície 
mucosa para a luz (ex no intestino). Se for maligno, 
chama-se câncer polipóide. 
Tumores malignos: 
São chamados de cânceres e estão divididos em: 
\ufffd Sarcoma: originados no tecido mesenquimal, 
apresentam pouco estroma conjuntivo e são carnosos. 
\ufffd Carcinomas: originados das células epiteliais. Podem ser 
ainda mais qualificados, ex. Adenocarcinoma (padrão de 
cresc. Glandular); carcinoma de células escamosas. Se o 
tecido de origem é desconhecido, designa-se apenas 
como tumor maligno pouco diferenciado ou 
indiferenciado. 
Tumores mistos derivam de uma camada germinativa 
que se diferencia em mais de um tipo de célula 
parenquimatosa (ex. tumor misto originado de glândula 
salivar \u2013 adenoma pleomórfico). 
3. BIOLOGIA DO CRESCIMENTO TUMORAL: 
NEOPLASMAS BENIGNOS E MALIGNOS. 
A diferença entre tumores malignos e benignos pode 
ser feita com base na sua morfologia e no seu 
comportamento (evolução clínica). 
 A história natural da maioria dos tumores malignos é 
dividida em: 
1) Alteração maligna na célula-alvo (transformação); 
2) Crescimento das células transformadas; 
3) Invasão local; 
4) Metástases à distância. 
3.1. Diferenciação e anaplasia 
A diferenciação se refere à extensão com que as 
células neoplásicas lembram células normais, tanto 
morfologicamente como funcionalmente; a falta de 
diferenciação é chamada de anaplasia. Tumores bem 
diferenciados são formados por células que lembram as 
normais maduras do tecido de origem; já tumores pouco 
diferenciados ou indiferenciados apresentam células não 
especializadas com aspecto primitivo. Em geral, tumores 
malignos são bem diferenciados e os malignos variam de 
bem diferenciados a indiferenciados (anaplásicos). 
A anaplasia é considerada um ponto fundamental da 
transformação maligna e é marcada pelas seguintes 
alterações morfológicas: 
\ufffd Pleomorfismo nuclear e celular: variação de tamanho e 
forma tanto das células como dos núcleos. 
\ufffd Morfologia nuclear anormal: 
\u2212 Hipercromasia: coloração muito escura (\u2191DNA) e 
contém frequentemente nucléolos grandes. 
\u2212 \u2191 Proporção núcleo/citoplasma: pode chegar a 1:1 
em vez do normal 1:4 ou 1:6, refletindo aumento 
nuclear. 
\ufffd Mitoses abundantes (figuras de mitose): refletem \u2191 
atividade proliferativa das células (princ. nos indiferenciados). 
Presença de mitoses atípicas (c/ fusos tri ou multipolares). 
\ufffd Perda da polaridade: orientação acentuadamente alterada, 
crescendo de maneira anárquica e desorganizada. 
\ufffd Células tumorais gigantes: com algumas possuindo núcleo 
polimórfico único e enorme; e outras, dois ou mais núcleos. Ñ 
confundir com células gigantes normais, que são derivadas de 
macrófagos e contêm vários núcleos pequenos normais. Nas 
células cancerosas os núcleos são hipercromáticos e grandes. 
Os tumores anaplásicos frequentemente tem estroma 
vascular escasso e também podem ter áreas centrais de 
necrose isquêmica. 
Displasia significa crescimento não-neoplásico 
desordenado e é encontrada principalmente no epitélio. 
Caracteriza-se por perda da uniformidade das células e 
perda na sua orientação arquitetural, podendo exibir 
também pleomorfismo e hipercromasia, mas sem 
alterações que os designem malignos. Contudo, quando 
as alterações displásicas são acentuadas e envolvem toda 
a espessura do epitélio, mas a lesão permanece confinada 
ao tecido normal, são consideradas um neoplasma pré-
invasivo (carcinoma in situ). Esta lesão é um precursor, 
em muitos casos, do carcinoma invasivo. 
 
 
Elaborado por Suellen Yamano 
3.2. Taxas de crescimento 
A taxa de crescimento de um tumor é determinada 
por três fatores importantes: 
1) Tempo de duplicação das células tumorais; que não 
necessariamente é mais rápido que o de células normais. 
2) Fração de crescimento, que é a proporção das células 
tumorais que se encontra em divisão celular; 
3) Taxa com que as células são eliminadas e perdidas na lesão 
crescente. 
O crescimento progressivo dos tumores e a taxa com 
que crescem são determinados por um excesso de 
produção celular em relação à perda celular. 
Os tumores de crescimento rápido (ex. carcinoma de 
pequenas células do pulmão) podem apresentar rápida 
multiplicação celular com alta taxa de renovação, ou seja, 
grande elevação das taxas de proliferação e de apoptose. 
Obviamente que para o tumor crescer, a taxa de 
proliferação deverá ultrapassar a de apoptose. 
A fração de crescimento das células tumorais tem 
efeito profundo impacto profundo na sua suscetibilidade 
à quimioterapia, pois a maior parte do tratamento ataca 
apenas as células que entram no ciclo celular. Ex. um tumor 
com 5% de células em divisão vai ser um tumor de crescimento lento, 
mas relativamente refratário ao tratamento. 
Em geral (mas nem sempre), a taxa de crescimento 
dos tumores se correlaciona com seu nível de 
diferenciação, e assim a maioria dos tumores malignos 
cresce mais rapidamente do que os benignos. Contudo, 
alguns cânceres crescem lentamente por anos e só depois 
entram na fase de crescimento rápido; outros se 
expandem rapidamente desde o início. A taxa de 
crescimento dos neoplasmas benignos e também dos malignos 
pode não ser constante ao longo do tempo, sendo influenciada 
por fatores como estímulo hormonal, adequação do suporte 
sanguíneo e influências desconhecidas. 
 
3.3. Células-tronco cancerosas e linhagens de 
células cancerosas 
Um tumor clinicamente detectável (109 cels) contém 
uma população heterogênea de células que se originaram 
do crescimento clonal da progênie de uma única célula. As 
células-tronco tumorais têm capacidade de iniciar e 
manter o tumor; entretanto constituem uma pequena 
fração da população total (0,1 a 2%) e apresentam baixa 
taxa de replicação. Isso é importante porque tratamentos 
que eliminam com eficiência a progênie das células-
tronco tumorais podem deixar no lugar células-tronco 
capazes de regenerar o tumor. 
3.4. Invasão local 
Quase todos os tumores benignos crescem como 
massas expansivas
Ana
Ana fez um comentário
Alguém pode por misericórdia me enviar por e-mail hananogueira@gmail.com
0 aprovações
Ana
Ana fez um comentário
pode me enviar por e-mail? olv.pla@gmail.com
0 aprovações
Vitória
Vitória fez um comentário
Alguém poderia me enviar por email ?
0 aprovações
Isadora
Isadora fez um comentário
manda por email pra mim por favor??
0 aprovações
Carregar mais