1 pág.

Psicologia e Políticas Públicas voltadas ao uso de álcool e drogas

Disciplina:Psicologia e Política9 materiais91 seguidores
Pré-visualização1 página
Psicologia e Políticas Públicas voltadas ao uso de álcool e drogas

Diante do seminário apresentado tive a descoberta de que o trabalho para com os usuários de droga não é somente encaminhá-lo para um médico ou indicar a reabilitação. Rosa Mayer diz que se deparou com situações onde atendia um usuário e ficava pensando para onde manda-lo, porém ela percebeu que ela mesma, como psicóloga, poderia ouvi-lo e ajuda-lo, pois é uma troca entre o terapeuta e a pessoa.

Mônica Gorgulho relata que o sujeito facilmente se sente impotente, incapaz, desesperançado e a droga é um recurso de alívio e de sentido de existir, um alívio do mal-estar. O mesmo pode entender que o uso de drogas está servindo para ele e tem uma função na sua vida.
Dênis Roberto também relata que o uso da droga, muitas vezes, é uma forma de tentar anestesiar um sofrimento que é anterior ou paralelo à droga.
Sobre isso entendo que a droga serve de “escape” para o sentimento do sujeito.
Mônica também levanta uma questão importante “Quando vemos um usuário de drogas, ele é um paciente, é um criminoso, uma vítima, um consumidor?”. Ela diz que o usuário pode ser entendido por mais de uma dessas categorias.
Penso que desse modo, não cabe aos profissionais de psicologia ou da equipe, julgar ou censurar moralmente o comportamento dos indivíduos, ao menos que ele decorra ser um criminoso.

Concluindo, uma possibilidade de intervenção é a construção um trabalho de acolhimento para os usuários de álcool e outras drogas, potencializando estratégias de prevenção e promoção da saúde que sejam efetivas junto as Políticas Públicas.

Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras
 E
Seminário Nacional Psicologia e Políticas Públicas