Primeira à quarta semana do desenvolvimento embrionário
8 pág.

Primeira à quarta semana do desenvolvimento embrionário


DisciplinaEmbriologia12.229 materiais285.252 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Primeira semana
Fecundação
Clivagem Produção de beta HCG
Cavitação
Degeneração da ZP
Nidação (surgimento do cito e sinciciotrofoblasto)
Segunda semana
Surgimento da cavidade amniótica Hipoblasto
Formação do disco bilaminar (Disco embrionário) Epiblasto
Surgimento do mesoderma extra-embrionário a partir da vesícula umbilical primitiva->É a junção do hipoblasto com a memb. Exocelômica.
Células da vesícula umbilical primitiva formam o mesoderma extra-embrionário que circunda o âmnio e o saco vitelínico
Surgimento das lacunas (circulação uteroplacentária primitiva)
Reação decidual (acúmulo de glicogênio e lipídios pelas células endometriais fornecendo ao concepto um sítio privilegiado)
Formação das redes lacunares
Surgimento de espaços celômicos extraembrionários que, quando se fundem, formam o celoma extraembrionário (envolve o âmnio e o saco vit. exceto onde estão aderidos ao córion pelo pedículo)
Diminuição do saco vitelínico formando o saco vitelínico secundário
O fim da 2° semana se caracteriza pelo surgimento das vilosidades coriônicas
O celoma extraembrionário divide o mesoderma extraembrionário em Mesoderma somático extraembrionário->Rev. trof. e o âmnio
 Mesoderma esplâncnico extraemb. ->Envolve o saco vit.
Formação do córion pela junção do mesoderma somático extraembrionário e os cito e sinciciotrofoblasto que dá origem a parede da vesícula umbilical, dentro do qual o embrião com os sacos vit. e amniótico estão suspensos pelo pedículo
O celoma extraembrionário é chamado de cavidade coriônica
No 14° dia as células do hipoblasto começam a se espessar e ficar colunares dando forma à placa precordal (futuro lugar da boca e importante organizador da região da cabeça)
Terceira semana (FORMAÇÃO DAS CAMADAS GERMINATIVAS E DIFERENCIAÇÃO DOS TEC. E ÓRGÃOS)
Início da Gastrulação, que se inicia a partir da formação da linha primitiva na superfície do epiblasto.O embrião recebe o nome de gástrula
Este contém, agora, 3 camadas germinativas:
Ectoderma: Origina epiderme, SNC e SNP, olho, orelha interna, células da crista neural e tec. conj. da cabeça
Mesoderma: Músculos esq, células sang. ,rev. de vasos sang. , músculo liso visceral, todos revestimentos serosos de toda cavidade do corpo, ductos e órgãos do sist. reprodutivo e excretor, maior parte do sist. cardiovascular, cartilagens, ligamentos, tendões, derme e estroma dos órgãos int.
Endoderma: Rev. epit. das vias respiratórias e do trato gastrointestinal
Linha primitiva: Linha espessada do epiblasto caudalmente no plano mediano do aspecto dorsal do disco embrionário. Ela resulta da ploriferação e migração das células do epiblasto para o plano mediano do disco embrionário. Seu alongamento se dá pela adição de células na sua extremidade caudal
Nó primitivo se origina por ploriferação da extremidade cranial da linha primitiva.
Concomitantemente forma-se o sulco primitivo, que se continua com a fosseta primitiva(ambos resultam pela invaginação das células epiblásticas)
Já é possível identificar o eixo cefálico-caudal, superfícies dorsal e ventral, lados direito e esquerdo
Células profundas da linha primitiva formam o mesênquima(com células ativamente fagocíticas e pluripotentes), que formará os tecidos de sustentação do corpo, enquanto sua outra parte formará o mesoblasto(mesoderma indiferenciado) que origina o mesoderma embrionário/intraembrionário
Células do epiblasto e do nó primitivo deslocam o hipoblasto,formando o endoderma embrionário no teto do saco vitelino.
As células que permanecem no epiblasto formam o ectoderma embrionário ou intraembrionário
Células mesenquimais, que tiveram como destino o mesoderma, migram cefalicamente do nó e da fosseta primitiva em direção à placa precordal formando um cordão celular mediano, o processo notocordal, que logo adquire uma luz,formando o canal notocordal
O processo notocordal cresce até atingir a placa pré cordal(primórdio da membrana bucofaríngea,localizada no futuro local da boca. Também tem papel sinalizador no desenv. das estruturas cranianas), onde o ectoderma e o endoderma estão em contato 
Algumas células mesenquimais da linha primitiva, migram cefalicamente de cada lado do processo notocordal e em torno da placa pré cordal, formando o mesoderma cardiogênico na área cardiogênica, onde o primórdio do coração começa a se desenvolver no fim da 3° semana
Caudalmente à linha primitiva tem a membrana cloacal; local do futuro ânus. Nesse local o endoderma e o ectoderma se encontram fundidos
O assoalho do processo notocordal se funde com o endoderma do embrião no qual sofre uma degeneração e permite uma comunicação do canal notocordal com o saco vitelino
As aberturas se juntam e o assoalho notocordal desaparece, no qual, o processo notocordal agora é chamado de placa notocordal, achatada e com um sulco
Iniciando pela extremidade cefálica do embrião, as células da notocorda se ploriferam e a placa notocordal se dobra, formando a notocorda
A notocorda se separa do endoderma do saco vitelino, que novamente se torna uma camada contínua
A notocorda se degenera quando há a formação dos corpos vertebrais, mas persiste como núcleo puposo
A notocorda em desenvolvimento induz o espessamento do ectoderma que, a posteriori, formará a placa neural(primórdio do SNC)
O alantoide surge por volta do 16° dia através da invaginação do saco vitelino na porção caudal em direção ao pedículo do embrião
O mesodermo do alantoide se expande e dará origem às arterias umbilicais
A placa neural é formada pelo espessamento das células do ectoderma(neuroectoderma) que também dará origem à retina e outras estruturas.
Ela se encontra dorsalmente à notocorda e ao mesoderma adjacente a esta e , cefalicamente ,ao nó primitivo 
Enquanto a notocorda se alonga, a placa neural se alarga e se estende até a membrana bucofaríngea, onde, em seguida, irá ultrapassar a notocorda
Por volta do 18°dia, a placa neural se invagina ao longo do seu eixo central, formando um sulco neural mediano, com pregas neurais em ambos lados
As pregas neurais tornam-se particularmente proeminentes na extremidade cefálica do embrião e constituem os primeiros sinais do desenvolvimento do encéfalo
No fim da terceira semana, as pregas neurais começam a se aproximar e a se fundir, convertendo a placa neural em tubo neural, o primórdio do SNC
O tubo neural logo se separa do ectoderma da superfície, assim que as pregas neurais se encontram
As células da crista neural sofrem uma transição de epiteliais para mesenquimais e se afastam à medida que as pregas neurais se encontram. As bordas livres do ectoderma se fundem, tornando essa camada contínua sobre o tudo neural e as costas do embrião
O ectoderma da superfície se diferencia em epiderme
A neurulação é completada durante a quarta semana
As células da crista neural que sofreram transição de epiteliais para mesenquimais e se afastaram, quando o tubo neural se separou do ectoderma da superfície, formam uma massa achatada, irregular, denominada crista neural, entre o tubo neural e o ectoderma.
Logo, a crista neural se separa em partes pra direita e esquerda, que migram para os aspectos dorsolaterais do tubo neural (nessa região elas originam os gânglios sensitivos dos nervos cranianos e espinais e contribuem para a formação de células pigmentares, células da medula suprarrenal e vários componentes musculares e esqueléticos da cabeça).
As células da crista neural depois se movem tanto para dentro quanto para a superfície dos somitos
 Além da notocorda, as células derivadas do nó primitivo formam o mesoderma paraxial(coluna grossa e longitudinal de células)
Cada coluna está em continuidade como mesoderma intermediário, que gradualmente se aldegaça para formar o mesoderma lateral (está em continuidade com o mesoderma extraembrionário).
Próximo ao fim da terceira semana, o mesoderma paraxial sofre um processo de diferenciação e começa a se