A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Atividade   Resumo expandido

Pré-visualização | Página 3 de 3

pode ser acessado e ocorrer de qualquer lugar do mundo, independentemente de sua localização espacial, propiciando uma abrangência gigantesca tanto de lugares como de indivíduos.
		Segundo a professora Ilka Serra, a EaD sem dúvidas conseguirá atingir patamares ainda maiores no campo da disseminação da educação inclusiva se houver um maior fomento por parte dos governantes, sobretudo do governo federal, de forma a potencializar ainda mais esse modelo e consequentemente a beneficiar um contingente gigantesco de indivíduos e lugares, o que seria impossível às tradicionais formas de fazer educação. 
 			 
4. Considerações Finais
	À luz dos dados supracitados pode-se observar que a EaD deu um grande salto nos últimos anos, isso graças aos avanços e inovações no campo tecnológico, abrindo-se novos leques de oportunidades e ampliando de forma substancial as possibilidades de acesso à educação de qualidade. Nos moldes atuais, essa modalidade de ensino funciona como um grande catalisador e multiplicador de conhecimento, promovendo oportunidades educacionais a pessoas e localidades remotas onde antes era inimaginável ter o acesso à educação, sobretudo de nível superior e de pós-graduação (SERRA, ARAÚJO e TESSEROLI, 2017; FERRUGIN, 2013).
	Graças a flexibilidade, característica inerente a EaD, ela produz maior autonomia e otimização do tempo que os estudantes dispõem no processo ensino e aprendizagem, lhes possibilitando horários que melhor se adequem à realidade de cada um. Essa característica beneficia milhares de indivíduos de Brasil a fora que diariamente utilizam as plataformas digitais em busca da aquisição de informações e qualificações profissionais por meio de um processo de aprendizagem completo, dinâmico e eficiente.
	Portanto, pode-se perceber que essa notável expansão e gigantesca abrangência da EaD na atualidade, agregada as diversas ferramentas e inovações tecnológicas, passa justamente pela sua capacidade de oferecer uma gama de oportunidades, abrangendo os mais diversos níveis acadêmicos, uma infinidade de áreas do conhecimento, rompendo assim com as fronteiras e promovendo a educação inclusiva a indivíduos dispersos geograficamente, mas que se reúnem em plataformas digitais promovendo a autodisciplina e responsabilidade pela própria formação, mudando assim o velho paradigma do fazer educação.
	 
Referências
BRASIL. Decreto Nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm#art24> Acesso em: 09 16 de nov. de 2017.
CAETANO, Rodrigo da costa; RIBEIRO, Rosiane Lúcia. Políticas Públicas para inclusão: ensino a distância aos portadores de necessidades especiais. São Luís, 2011.
Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016 = Censo EAD.BR: analytic report of distance learning in Brazil 2016 [livro eletrônico][organização] ABED – Associação Brasileira de Educação a Distância; [traduzido por Maria Thereza Moss de Abreu]. Curitiba: InterSaberes, 2017.
FERRUGINI, Lilian et al. Educação a distância como política de Inclusão: um estudo exploratório nos polos do sistema Universidade Aberta do Brasil em Minas Gerais. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL. V6n2p1, 2013.
GARCEZ, Eliane Maria Stuart and RADOS, Gregório J. Varvakis. Necessidades e expectativas dos usuários na educação a distância: estudo preliminar junto ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Ci. Inf., Jan 2002, vol.31, no.1, p.13-26. ISSN 0100-1965.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
KARPINSKI, Josiani Aparecida et al. Fatores críticos para o sucesso de um curso em EAD: a percepção dos acadêmicos. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), [s.l.], v. 22, n. 2, p.440-457, nov. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1414-40772017000200010.
MAIA, Marta de Campos and MEIRELLES, Fernando de Souza. Educação a distância: o caso open university. RAE electron., Jun 2002, vol.1, no.1, p.1-15. ISSN 1676-5648. 
MENDES, Angelita de A. R. et al. A RELAÇÃO HISTÓRICA DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COM A INCLUSÃO SOCIAL E O DESENVOLVIMENTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. 2017. Disponível em: <https://ava2.uemanet.uema.br/mod/folder/view.php?id=13288> Acesso em: 13 de nov. de 2017.
Programa Educação em Pauta (TV Câmera, Natal-RN). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6epfaVomyBI>. Acesso em: 01 de nov. de 2017. 
SALVUCCI, Mara; LISBOA, Marcos J. A.; MENDES, Nelson C. Educação a Distância no Brasil: fundamentos legais e implementação. Abed. São Paulo, v. 11, 2012.
SERRA, Ilka Márcia Ribeiro de Souza; ARAÚJO, Eliza Flora Muniz; TESSEROLI, Rita de Cassia. Mediação Tecnológica: ferramentas interativas utilizadas no curso profissionalizante em Manutenção Automotiva. São Luís - Ma, p.1876-1885, 2017.
SERRA. Ilka Márcia Ribeiro S. Por que estudar a distância faz a diferença? São Luís: UEMAnet, 2017. (slides).
Silva, Denise Mendes da et al. Estilos de aprendizagem e desempenho acadêmico na Educação a Distância: uma investigação em cursos de especialização. Rev. bras. gest. neg., Set 2015, vol.17, no.57, p.1300-1316. ISSN 1806-4892.
SOUSA, Carlos Alberto Lopes de; AIRES, Carmenísia Jacobina; LOPES, Ruth Gonçalves de Faria. La noción de sujeto implicado en la formación docente en una comunidad de trabajo y aprendizaje en red (CTAR) en la enseñanza superior pública. Estudios Pedagógicos (valdivia), [s.l.], v. 38, n. 1, p.285-295, 2012. SciELO Comision Nacional de Investigacion Cientifica Y Tecnologica (CONICYT). http://dx.doi.org/10.4067/s0718-07052012000100017.
TENENTE, Luiza; LOPES, Elielton (Ed.). Número de novos alunos em cursos superiores presenciais cai em 2016: Na modalidade à distância, por outro lado, houve aumento de mais de 20% no número de ingressantes. Total de matrículas na rede privada sofreu primeira queda em 25 anos. 2017. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/numero-de-novos-alunos-em-cursos-superiores-presenciais-cai-em-2016.ghtml>. Acesso em: 31 ago. 2017.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.