A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
AVALIAÇÃO OBJETIVA 1

Pré-visualização | Página 2 de 2

marcando eventos que ressaltam a intervenção divina na vida do povo judaico.
	
	
	
	Unicamente à cultura do povo judaico, que sempre foi muito alegre e festivo, por não ter passado por dificuldades ao longo de sua história.
	
	
	Pontuação : 0,4
8 Questão objetiva. O tema dessa questão trata do capítulo 5, culpa e perdão. Na obra de Wondracek, Heimann e Hoch, intitulada Um olhar nos espelhos da culpa (2014), lemos as seguintes afirmativas:
“Culpa! Que sentimento é esse que se faz presente no âmago, nos corações e mentes do ser humano desde as suas origens na história? Culpas individuais, familiares, religiosas, coletivas, culpas sadias, culpas neuróticas, culpas manipuladoras, sádicas, masoquistas...culpas dos mais diferentes matizes...
Culpa! Que sentimento é esse que se espreita, que se move e que também se manifesta em muitos espelhos de nossa vida? Espelhos por vezes distorcidos, falsos, cruéis, mas que também podem, por vezes, desvelar o que e quem realmente somos...” (WONDRACEK; HEIMANN; HOCH; 2014) 
A partir desse texto, numa correlação com o capítulo cinco do livro texto, é possível concluir que:
I – A culpa dá indicativos de ser um sentimento de cunho existencial, no sentido de estar presente na humanidade desde os primórdios da civilização. 
II – A culpa é um fenômeno exclusivo das religiões, ou seja, esse sentimento não existiria na sociedade se a religião, especialmente a cristã, não a produzisse nos corações humanos. 
III – O sentimento de culpa pode ter tanto elementos positivos quanto negativos para o ser humano e para a sociedade. Culpas sadias são importantes em relacionamentos humanos civilizados, porém poderão se tornar neuróticas quando forem intensas demais ou usadas para a manipulação de pessoas.  
IV- As culpas que sentimos desvelam o nosso mundo interior, tanto psicológico, afetivo quanto espiritual, revelando quem somos de fato. Nesse sentido, como diz o texto, as culpas são o melhor retrato da identidade humana, um espelho puro e límpido do verdadeiro “eu”, que se revela sem quaisquer distorções, falsidades ou enganos.  
São corretas as proposições:  Peso: 0.4
	
	I, II, III e IV
	
	
	
	I, II e III
	
	
	
	II e IV
	
	
	
	I e III
	
	
	
	I e IV
	
	
	Pontuação : 0,4
9 Questão objetiva.  Com relação ao tema culpa e perdão, analise as afirmativas abaixo e depois responda ao que é solicitado.
I.  Já foi comprovado pela ciência que um indivíduo que guarda muitas mágoas e rancores pode se tornar mais suscetível a ter estresses e até mesmo contrair doenças de cunho psicossomático. Por isso, tanto a ciência médica quanto a psicológica tem defendido a ideia de que o ato de perdoar ao outro, de modo sincero, faz bem à saúde humana.
II. Perdão e reconciliação são dois conceitos não apenas análogos, mas indissociáveis, no sentido de que um não pode existir sem o outro. Assim como para reconciliar-se deverá haver um perdão anterior, todo e qualquer tipo de perdão (legal, jurídico, religioso, familiar, ...) implicará na necessária reconciliação posterior, com a supressão de qualquer tipo de punição ou retaliação por parte de quem foi lesado.
III.. As religiões, de um modo geral, abordam os temas da culpa e do perdão em seus princípios doutrinários e éticos. A religião cristã, mais especificamente, denuncia a culpa que brota das ações pecaminosas de cada ser humano. Porém, também enfatiza e anuncia a graça e o perdão que são oferecidos por Jesus Cristo, em sua obra redentora.   
IV.   O ato de pagar pelos erros e culpas cometidos, independentemente do âmbito em que se está sendo “julgado”, seja ele no âmbito jurídico, religioso, relacional ou mesmo intrapessoal, parece ser uma prática enraizada no coração humano. Não é à toa que existem as penas criminais, que existiram as indulgências, que ainda hoje se cumprem penitências e que é comum se dar presentes reparatórios para quem magoamos.
Estão corretas as assertivas: Peso: 0.4
	
	I, II, III e IV
	
	
	
	I, III e IV
	
	
	
	II e IV
	
	
	
	II, III
	
	
	
	I e IV
	
	
	Pontuação : 0
10 A questão trata do capítulo 2. Leia os dois textos que seguem e depois marque as duas alternativas que são VERDADEIAS
 Texto 1 - “A partir de Einstein, reduziram-se, um a um, os impedimentos de cercania para ciência e religião, a ponto de João Paulo II afirmar que religião sem ciência não é boa religião, bem como ciência sem religião não é boa ciência. Uma posição convergente com a do sumo pontífice foi, recentemente, tomada pela Organização Mundial da Saúde (1998), ao ter acrescentado a dimensão de bem-estar espiritual ao seu conhecido conceito multidisciplinar de saúde, que, como se sabe, só entendia uma condição de saúde se existisse a presença de bem-estar nas dimensões físicas, psíquicas e sociais. A valorização acrescentada, considerando o lado espiritual/religioso, é, sem dúvida, o selo decisivo e universalizado do entrelaçamento de ciência e religião”. (HORTA, 2016)
Texto 2 - “A medicina, antes de ser ciência, é um produto da cultura humana. Como a arte de curar, ela está presente desde as civilizações mais rudimentares, no momento em que surgiu a necessidade de alguém assumir a tarefa de curar as pessoas, auxiliando-as a lidar com a dor, com a incapacidade física, bem como frente à angústia, suscitadas pela doença e morte. Dessa forma criaram-se os primeiros “sistemas médicos” que, nas culturas mais antigas, estavam ligados aos sacerdotes e líderes religiosos, como xamãs, pajés, druidas, feiticeiros e curandeiros, que exerciam tanto as funções de religioso como as de médico ou curandeiro. (BOTSARIS, 2001)
Desses dois textos é possível concluir que: Peso: 0.4
	
	O texto 1 e o texto 2 não possuem relação um com o outro, pois o primeiro trata de questões religiosas, ligadas às decisões tomadas pelo Papa João Paulo II com relação à ciência. Já o segundo texto trata de questões puramente científicas, ligadas à origem dos sistemas médicos atuais.
	
	
	
	O texto 1 indica que a pressão e lobby exercidos pelo Vaticano, de maneira especial pelo carismático papa João Paulo II, junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), órgão ligado à ONU, levou a OMS a aceitar a dimensão espiritual como parte da integralidade do ser, mesmo que não tenha encontrado evidências científicas para essa decisão.
	
	
	
	O texto 2 indica que a medicina, mesmo sendo uma área de conhecimento científico, não pode deixar de considerar que suas origens estão ligadas a sistemas míticos e místicos, baseado no fato de que se percebe uma fusão das funções religiosas e médicas nas práticas interventivas sobre a doença e o sofrimento no início dos tempos.
	
	
	
	Os dois textos citados, de Horta e Botsaris, possuem direta relação entre si, à medida em que tratam das relações entre a religião e a ciência, mais especificamente voltados à área da saúde. Em ambos os textos percebe-se a indissociabilidade, tanto na história passada quanto na história presente, dessa duas áreas, religião e medicina, no sentido da preocupação com o bem-estar do ser humano
	
	
	
	Querer relacionar medicina e religião, como campos do conhecimento que podem se auxiliar mutuamente, é um exercício perigoso, que deve ser evitado por todo aquele que possui um pensamento científico. Numa visão pragmática, a ciência médica nunca deve se render a qualquer tipo de relacionamento com fenômenos subjetivos e não quantificáveis, como a espiritualidade. Portanto, ambas precisam permanecer distantes uma da outra.
	
	
	Pontuação : 0,2

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.