A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Apostila 001   Legislação MPU   Dackson Soares (1)

Pré-visualização | Página 3 de 4

Professor Dackson Soares 
Legislação Aplicada ao MPU 
Teoria e Exercícios 
 
 
12 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 
 
MPM Arts. 120 e 121 da LC 75/93 
CARGO Procurador-Geral de Justiça Militar 
NOMEAÇÃO PGR 
POSSE PGR 
REQUISITOS/ESCOLHA • Lista tríplice do Colégio de Proc. da Just. Militar, voto secreto 
• Integrantes do MPM 
• + de 35 anos de idade e 5 de carreira (2 anos se não houver 
n. suficiente) 
APROVAÇÃO xxxxxxxx 
MANDATO 2 anos 
RECONDUÇÃO Uma única vez, mesmo processo 
DESTITUIÇÃO INICIATIVA/PROPOSTA 2/3 do Conselho Superior do MPM 
DESTITUIÇÃO 
APROVAÇÃO/AUTORIZAÇÃO 
PGR 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Professor Dackson Soares 
Legislação Aplicada ao MPU 
Teoria e Exercícios 
 
 
13 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 
 
MPDFT Art. 25 da LC 75/93 
CARGO Procurador-Geral de Justiça do DF 
NOMEAÇÃO Presidente da República 
POSSE PGR 
REQUISITOS • Lista tríplice do Colégio de Proc. e Prom. de Justiça, 
encaminhada ao PGR que remeterá ao Pres. da República. 
• Integrantes do MPDFT, 5 de carreira 
• Não tenha sofrido, nos últimos 4 anos, condenação definitiva 
nem esteja respondendo a processo adm. ou criminal. 
APROVAÇÃO xxxxxxxxx 
MANDATO 2 anos 
RECONDUÇÃO Uma única vez, mesmo processo 
DESTITUIÇÃO INICIATIVA/PROPOSTA Representação do Presidente da República 
DESTITUIÇÃO 
APROVAÇÃO/AUTORIZAÇÃO 
Senado, maioria absoluta 
 
 
 
 
Professor Dackson Soares 
Legislação Aplicada ao MPU 
Teoria e Exercícios 
 
 
14 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 
 
MP ESTADUAL Art. 128 da CF 
CARGO Procurador-Geral de Justiça 
NOMEAÇÃO Chefe do Executivo Local 
POSSE xxxxxxxx 
REQUISITOS • Lista tríplice dentre integrantes da carreira, na forma da Lei 
Complementar Estadual. 
APROVAÇÃO Não exige aprovação do legislativo local (ADI 1228, ADI 1506) 
MANDATO 2 anos 
RECONDUÇÃO Uma única vez, mesmo processo 
DESTITUIÇÃO INICIATIVA/PROPOSTA Depende da legislação local 
DESTITUIÇÃO APROVAÇÃO/AUTORIZAÇÃO Maioria absoluta da Assembléia Legislativa. 
 
PROVA ANTERIOR 
(CESPE – MPU – Analista Processual – 2010) 
O procurador-geral da República será nomeado pelo presidente da República, após aprovação de seu nome pela 
maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional. Errada 
(CESPE – MPU – Analista Processual – 2010) 
O presidente da República, no uso de suas atribuições de chefe de Estado, nomeia o procurador-geral de justiça nos 
estados, o procurador-geral militar e o procurador-geral do trabalho. Errada 
DAS GARANTIAS DOS MEMBROS DO MPU 
GARANTIAS DOS MEMBROS DO MPU 1/4 
1. VITALICIEDADE – LC, art. 17, I. 
• Após 2 anos de exercício, não pode perder o cargo senão por sentença judicial transitada em julgado; 
 
 
Professor Dackson Soares 
Legislação Aplicada ao MPU 
Teoria e Exercícios 
 
 
15 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 
 
• Durante o Estágio Probatório poderão perder o cargo tanto por sentença judicial transitada em julgado 
como por decisão administrativa (maioria absoluta, LC, art. 198 – Conselho Superior). 
AINDA SOBRE AS GARANTIAS 2/4 
2. INAMOVIBILIDADE – LC, art. 17. 
• Salvo por motivo de interesse público, mediante decisão do Conselho Superior do respectivo ramo, por voto 
da maioria absoluta dos membros (LC trata de 2/3, mas CF foi alterada pela EC 45 – CF, art. 128, § 5º, I, B). 
• Remoção/promoção, a pedido, por interesse público, punição. 
AINDA SOBRE AS GARANTIAS 3/4 
3. IRREDUTIBILIDADE DE SUBSÍDIOS – CF, art. 128, §5º, I, “c” 
Ressalvas quanto ao teto, cobrança de IR, etc. 
**Vetado na LC, art. 17, III, mas presente na CF. 
PROVA ANTERIOR 4/4 
(CESPE – MPE/TO – Analista Ministerial) Nos primeiros dois anos de exercício do cargo, a conduta e o trabalho de 
membros do MPF são avaliados em estágio probatório. Cumpridos os trâmites legais pertinentes, o membro do MPF 
pode ser exonerado por ato do produrador-geral da república, após decisão desfavorável ao vitaliciamento proferida 
pelo Conselho Superior. 
Certa 
DAS PRERROGATIVAS DOS MEMBROS DO MPU 
LC, arts. 18 a 21 
Prerrogativas INSTITUCIONAIS – LC, art. 18, I 1/9 
a) sentar-se no mesmo plano e imediatamente à direita dos juízes singulares ou presidentes dos órgãos 
judiciários perante os quais oficiem; 
b) usar vestes talares; 
c) ter ingresso e trânsito livres, em razão de serviço, em qualquer recinto público ou privado, respeitada a garantia 
constitucional da inviolabilidade do domicílio; 
d) a prioridade em qualquer serviço de transporte ou comunicação, público ou privado, no território nacional, 
quando em serviço de caráter urgente 
e) o porte de arma, independentemente de autorização 
 
 
Professor Dackson Soares 
Legislação Aplicada ao MPU 
Teoria e Exercícios 
 
 
16 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 
 
f) carteira de identidade especial, de acordo com modelo aprovado pelo Procurador-Geral da República e por ele 
expedida, nela se consignando as prerrogativas constantes do inciso I, alíneas C, D e E do inciso II, alíneas D, E e F, 
deste artigo 2/9 
Prerrogativas PROCESSUAIS – LC, art. 18, II 3/9 
a) do Procurador-Geral da República, ser processado e julgado, nos crimes comuns, pelo Supremo Tribunal Federal e 
pelo Senado Federal, nos crimes de responsabilidade 
b) do membro do Ministério Público da União que oficie perante tribunais, ser processado e julgado, nos crimes 
comuns e de responsabilidade, pelo Superior Tribunal de Justiça 
c) do membro do Ministério Público da União que oficie perante juízos de primeira instância, ser processado e 
julgado, nos crimes comuns e de responsabilidade, pelos Tribunais Regionais Federais, ressalvada a competência da 
Justiça Eleitoral 
d) ser preso ou detido somente por ordem escrita do tribunal competente ou em razão de flagrante de crime 
inafiançável, caso em que a autoridade fará imediata comunicação àquele tribunal e ao Procurador-Geral da 
República, sob pena de responsabilidade 4/9 
e) ser recolhido à prisão especial ou à sala especial de Estado-Maior, com direito a privacidade e à disposição do 
tribunal competente para o julgamento, quando sujeito a prisão antes da decisão final; e a dependência separada no 
estabelecimento em que tiver de ser cumprida a pena 
f) não ser indiciado em inquérito policial, observado o disposto no parágrafo único deste artigo 
5/9 
6/9 
g) ser ouvido, como testemunhas, em dia, hora e local previamente ajustados com o magistrado ou a autoridade 
competente 
h) receber intimação pessoalmente nos autos em qualquer processo e grau de jurisdição nos feitos em que tiver que 
oficiar 
7/9 
Quando, no curso de investigação, houver indício da prática de infração penal por membro do Ministério Público da 
União, a autoridade policial, civil ou militar, remeterá imediatamente os autos ao Procurador-Geral da República, 
que designará membro do Ministério Público para prosseguimento da apuração do fato. 
• Procurador-Geral da República terá as mesmas honras e tratamento dos Ministros do Supremo Tribunal 
Federal; e os demais membros da instituição, as que forem reservadas aos magistrados perante os quais 
oficiem. 
 
 
Professor Dackson Soares 
Legislação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.