Enfermagem em Emergências Respiratórias
198 pág.

Enfermagem em Emergências Respiratórias


DisciplinaUrgência e Emergência1.997 materiais54.332 seguidores
Pré-visualização32 páginas
do pescoço e o aumento da contagem de leucócitos no 
sangue caracterizam tanto a faringite viral quanto a bacteriana, mas podem ser mais 
pronunciados na forma bacteriana. 
 
 
 
 
 
129 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
 
Tratamento 
Os analgésicos comuns, as pastilhas para a garganta ou o gargarejo com 
água morna e sal podem aliviar o desconforto da garganta, mas a aspirina não deve 
ser utilizada em crianças e adolescentes com menos de 18 anos devido ao risco da 
síndrome de Reye. Os antibióticos não são úteis quando a infecção é viral, mas 
podem ser prescritos quando o médico suspeita fortemente que a infecção é de 
origem bacteriana. 
Caso contrário, nenhum antibiótico é administrado até os exames 
laboratoriais confirmarem um diagnóstico de faringite bacteriana. Quando os exames 
indicam que a faringite é causada por uma infecção estreptocócica (faringite 
estreptocócica), o médico prescreve a penicilina, normalmente sob a forma de 
comprimidos, para erradicar a infecção e prevenir complicações como a moléstia 
reumática (febre reumática). Os indivíduos alérgicos à penicilina devem utilizar a 
eritromicina ou outro antibiótico. 
 
Dois Tipos de Faringite 
 
Faringite Viral Faringite Bacteriana 
Usualmente, não há secreção 
purulenta na garganta 
Secreção purulenta na garganta 
muito comum 
Febre baixa ou ausência de 
febre 
Febre leve a moderada 
Contagem de leucócitos 
normal ou discretamente elevada 
Contagem de leucócitos no sangue 
discreta a moderadamente elevada 
Linfonodos normais ou Linfonodos discretamente a 
 
 
 
 
 
130 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
discretamente aumentados moderadamente aumentados 
Exame do swab da garganta 
negativo 
Exame do swab da garganta,
positivo para a faringite estreptocócica 
Ausência de crescimento de 
bactérias na cultura laboratorial 
Crescimento bacteriano na cultura 
laboratorial 
Disponível em: <www.msd-brazil.com>. Acesso em: 12 de Março de 2009. 
 
 
\u2022 TONSILTE E ADENOIDITE 
Adenoides são estruturas semelhantes às amídalas. Estão localizadas atrás 
do céu da boca (palato mole) e não podem ser vistas quando se abre a boca. Da 
mesma forma, quando estão funcionando adequadamente, ajudam a prevenir 
infecções. As Adenoides podem causar sérios problemas quando estão 
infeccionadas ou aumentadas. A Inflamação das adenoides chama-se Adenoidite. 
As Amígdalas são pequenas estruturas arredondadas, em forma de 
amêndoa, localizadas na parte de trás da boca, ao lado da garganta. Acredita-se 
que sirvam para ajudar a evitar infecções, produzindo anticorpos. As amídalas 
também são chamadas de tonsilas palatinas e podem ser vistas quando se abre 
bem a boca. 
Quando as amígdalas se inflamam, chamamos esta doença de Amigdalite. 
 
 
 
 
 
 
131 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
 
 
Disponível em: <http://www.colegiosaofrancisco.com.br>. Acesso em: 12 de Março de 2009. 
 
 
Os sintomas da amigdalite podem variar bastante dependendo da causa da 
infecção e podem ocorrer subitamente ou progressivamente. Os sintomas mais 
comuns são: 
\u2022 Dor de garganta; 
\u2022 Febre (alta ou baixa); 
\u2022 Dor de Cabeça; 
\u2022 Diminuição do Apetite; 
\u2022 Mal-estar geral; 
\u2022 Náuseas e vômitos; 
\u2022 Dor no pescoço; 
 
 
 
 
 
132 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
\u2022 Vermelhidão na garganta com ou sem pontos de pus. 
 
 
Disponível em: <http://www.colegiosaofrancisco.com.br>. Acesso em: 12 de Março de 2009. 
 
 
Os sintomas da amigdalite podem ser comuns a outras doenças graves e 
sempre devem ser vistos por um médico. Sempre consulte um médico no caso de 
ter dor de garganta. 
Os sintomas da adenoidite também podem variar bastante, dependendo da 
causa da infecção e podem se iniciar subitamente ou lentamente. Estes são os 
sintomas mais comuns: 
\u2022 Respiração bucal; 
\u2022 Respiração ruidosa; 
\u2022 Roncos; 
\u2022 Pequenos períodos de parada respiratória durante o sono (apneia); 
\u2022 Voz anasalada. 
 
 
 
 
 
 
133 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
Tratamento: 
\u2022 Idade, condições gerais de saúde e antecedentes médicos; 
\u2022 Extensão da infecção; 
\u2022 Tipo de infecção; 
\u2022 Tolerância do paciente para medicamentos, internações e 
procedimentos; 
\u2022 Evolução das inflamações e infecções; 
\u2022 Parecer do paciente e/ou da família. 
 
Os tratamentos podem ser clínicos (com medicamentos) ou cirúrgicos 
dependendo da causa, extensão, repetição ou severidade dos quadros. Antibióticos 
são úteis para ajudar o organismo a combater as infecções, mas nem sempre são 
necessários. Só o médico deve prescrevê-los. A automedicação muitas vezes é 
prejudicial. 
Algumas vezes, os quadros não se resolvem clinicamente e nestes casos, o 
médico poderá propor um tratamento cirúrgico. 
 
\u2022 ABSCESSO PERITONSILAR 
 
O abscesso peritonsilar é a complicação mais comum das infecções 
supurativas dos espaços perifaríngeos. 
Os pacientes se queixam de odinofagia intensa, febre e apresentam trismo. 
Ocorrem sempre em consequência de uma infecção de vizinhança, sobretudo da 
orofaringe ou dos dentes, podendo raramente advir de processos sinusais ou 
mesmo otológicos. 
 
 
 
 
 
134 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
 
Disponível em: <http://upload.wikimedia.org/>. Acesso em: 12 de Março de 2009. 
 
 
O exame físico é de um paciente com aparente toxemia e a faringoscopia 
mostra edema unilateral da área peritonsilar com desvio contralateral da úvula e 
abaulamento da região póstero-lateral do palato mole, o que não é de difícil 
diagnóstico na maioria das vezes. 
Segundo os dados da literatura os germes causadores desta supuração são 
aqueles encontrados nas infecções das vias aerodigestivas superiores, tanto 
aeróbios quanto anaeróbios e a causa principal desta complicação seria a seleção 
microbiana em razão de uma antibioticoterapia mal prescrita ou mal usada. 
O diagnóstico do abscesso peritonsilar na maioria das vezes é de fácil 
execução, e assim que se tenha certeza dele o tratamento deve ser imediato para se 
evitar as complicações locais e sistêmicas, bem como aliviar o sofrimento do 
paciente. O tratamento cirúrgico de drenagem do abscesso muitas vezes é realizado 
precocemente ou adiado pela dúvida da existência ou não de uma coleção purulenta 
na infecção peritonsilar, tratando-se apenas de uma celulite, já que as queixas das 
duas condições são idênticas bem como o exame físico. O diagnóstico de certeza é 
complementado pela aspiração com agulha de grosso calibre e drenagem do 
abscesso, depois de localizado e se existente, seguido de antibioticoterapia. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
135 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
TRATAMENTO DE ENFERMAGEM 
 
Alívio considerável pode ser obtido, pelo uso de agentes anestésicos tópicos 
e irrigações da faringe ou pelo uso frequente de colutórios ou gargarejos, usando 
soluções salinas