A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
22   Os benefYcios do alongamento no tratamento da escoliose.

Pré-visualização | Página 5 de 6

lentamente. Inspire e, enquanto solta o ar, vá elevando as costas e 
abaixando a cabeça até encostar o queixo no peito; inspire novamente e vá 
levantando a cabeça e abaixando a coluna voltando à posição inicial. 
 
Fonte: Souza (2012, p.1) disponível em http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em 
02/08/2014. 
Figura 4 – Postura Gato Arrepiado (Alonga cadeia muscular posterior – retificação torácica) 
12 
 
 
3- Postura Gato (Alonga cadeia muscular posterior – retificação lombar) 
 
Começar com a postura do quatro (4) apoios faça uma respiração calma e ritmada, 
inspire e expire lentamente. Inspire e, enquanto solta o ar, vá empurrando as costas 
em direção ao chão, elevando a cabeça; mantenha esta posição (conte até 10), 
inspire novamente e volte à posição inicial lentamente. 
 
 
Fonte: Souza (2012, p.1) disponível em http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em 
02/08/2014. 
Figura 5 – Postura Gato (Alonga cadeia muscular posterior – retificação lombar) 
 
4 – Prece Maometana (posição em que a pessoa se apóia nos joelhos e no tórax) 
 
Sentado sob os calcanhares, os braços esticados indo em direção ao chão, desça 
lentamente enquanto solta o ar. Mantenha a posição (conte até 10), inspire 
novamente e lentamente volte à posição inicial. 
 
Fonte: Souza (2012, p.1) disponível em http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em 
02/08/2014. 
Figura 6 – Prece Maometana (posição em que a pessoa se apóia nos joelhos e no tórax) 
 
Em um estudo de caso Bonorino, Borin & Silva (2007, p.1) apresentam os resultados da 
aplicação de alongamentos para um paciente com escoliose que foi submetido “a avaliação 
das cadeias musculares, avaliação postural, teste de Adams, mensuração da flexibilidade e do 
13 
 
ângulo de Cobb”. Os resultados foram muito promissores, pois, o paciente melhorou sua 
postura, teve diminuição da dor e diminuição das retrações musculares. Mas é importante 
destacar que a melhora do paciente foi proveniente de duas técnicas: a primeira foi o Iso-
Stretching, ou seja, o alongamento, e a segunda foi à utilização da bola suíça. 
A bola suíça é um instrumento de exercício físico desenvolvido com um material elástico 
macio com um diâmetro de aproximadamente 35 a 85 centímetros (14 a 34 polegadas) e cheia 
de ar. 
Segundo Flett (2003, p. 8): 
 
A pressão de ar é modificada através da remoção de uma válvula. Ele é mais 
frequentemente usado em fisioterapia e exercícios físicos. Também pode ser 
utilizado para a formação de peso. A bola, embora muitas vezes referida como uma 
bola suíça, também é conhecido por vários nomes diferentes, incluindo bola de 
equilíbrio, bola de nascimento, bola corporal, bola de fitness, bola de ginástica, 
physioball, bola pilates, bola Pezzi entre outros. 
 
Foi desenvolvida no ano de 1963, por um fabricante italiano, sendo utilizado pela primeira 
vez em tratamentos de lactantes e em recém-nascidos, e, segundo Flett (2003), por Mary 
Quinton, fisioterapeuta britânico que atuava na Suíça, sendo depois utilizado em neuro-
tratamento por fisioterapeutas. No caso da escoliose, especificamente Gesser et. all (2007, 1) 
informam que no uso da bola suíça: 
 
Os pacientes são desafiados a conseguir simetria quando se exercitam, devido à 
instabilidade da bola. A coordenação e o equilíbrio são necessários e podem ser 
treinados juntos com força e mobilidade, o que pode diminuir a sensação de dor. 
 
Como se pode observar, os autores supracitados falam que a utilização da bola suíça no 
tratamento fisioterápico a escoliose, busca imprimir uma situação em que eles são 
estimulados a procederem à coordenação e o equilíbrio. Os resultados do tratamento da 
escoliose com a bola suíça pode ser equiparado à aplicação do conceito de tratamento de 
Vojta, que se baseia na locomoção reflexa e no fortalecimento dos músculos genuínos 
(intrínsecos) da coluna. 
Desta forma, deve-se estudar como determinado movimento é responsável pelo aparecimento 
do problema, identificando quais são as causas que provocaram ou agravaram o problema ou 
que fatores podem tê-la desencadeado. Simultaneamente, porém, procura-se melhorar a 
postura e corrigir os eventos que possam ter desencadeado os sintomas através de exercícios 
de fortalecimento da musculatura e de alongamento. 
A utilização da bola suíça é de suma importância, pois, são exercícios voltados para o 
aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares, 
fazendo com que elas aumentem o seu comprimento. O principal efeito é o aumento da 
flexibilidade, que é a maior amplitude de movimento possível. 
Bonorino, Borin & Silva (2007, p.51) chegam à seguinte conclusão: 
 
Diante dos resultados, pode-se sugerir que a técnica de tratamento para escoliose, 
baseada no método Iso-Stretching combinado com o uso da Bola Suíça, é eficaz. 
Apesar de não haver diminuição significativa da curva escoliótica, houve 
diminuição das retrações musculares e assim uma melhora no padrão postural da 
paciente e na diminuição das queixas de dor. 
 
Assim as autoras supracitadas recomendam o tratamento conjugado para a escoliose, mas não 
descartam o uso somente dos alongamentos, Mas, Weiss apud Carriére (1999), avaliou cento 
14 
 
e sete (107) radiografias de 107 pacientes antes e depois de um tratamento por meio de 
alongamentos e encontrou melhora em 44% dos casos, junto com uma diminuição 
significante na dor, o que demonstra a eficiência do tratamento com alongamentos nos casos 
de escoliose. Fica evidente que em 56% a melhora não aconteceu, mas foi indicado a 
continuação do tratamento conjugado, ou seja, com a utilização de outras técnicas, dentre elas 
o uso da bola suíça. 
Borghi, Antonini & Facci (2010, p. 169) apresentam um estudo com nove (9) pacientes com 
as seguintes características listadas no quadro abaixo: 
 
 
Fonte: Borghi, Antonini & Facci (2010, p. 169) 
Quadro 1 – Características dos pacientes 
 
Como se pode observar a média de idade é de treze (anos); três (3) pacientes são do sexo 
masculino e, seis (6) do feminino; todos tinham localização da curva tronco-lombar à 
esquerda com exceção de um (1) paciente que além dessa deformidade ainda possui a curva 
torácica à direita. Após as seções de alongamentos os pacientes apresentaram os seguintes 
resultados: 
 
 
Fonte: Borghi, Antonini & Facci (2010, p. 169) 
Figura 7 – Comparação do grau da escoliose antes e depois do tratamento 
 
Desta forma, o estudo de Borghi, Antonini & Facci (2010) que houve melhora no grau da 
escoliose de todos os pacientes em patamares distintos, já que CAD organismo responde de 
forma diferenciada aos tratamentos. 
Segundo Teixeira (2014, p. 16) “muitos exercícios físicos são fundamentais para a correção 
da escoliose, inclusive o desenvolvimento de práticas desportivas, mas os alongamentos são 
bem mais eficazes, por se tratar de forma específica essa anomalia”. 
15 
 
Abdallah (2013, p. 33), considera que o alongamento passivo é feito com a ajuda de forças 
externas (aparelhos, companheiros) em um estado de relaxamento da musculatura a ser 
alongada. O alongamento ativo é determinado pelo maior alcance do movimento voluntário, 
utilizando-se a força dos músculos agonistas e o relaxamento dos músculos antagonistas. 
Para outra consideração Abdallah (2013, p.34), recomenda a utilização dos exercícios de 
alongamento ativo nas modalidades de contrações e extensões para reforçar os extremos 
musculares com respostas à contração muscular dada pelos fusos musculares. O alongamento 
ativo é determinado pelo maior alcance do músculo voluntário, utilizando-se a força dos 
músculos