A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
22   Os benefYcios do alongamento no tratamento da escoliose.

Pré-visualização | Página 6 de 6

e o relaxamento dos músculos antagonistas. 
 
5 Conclusão 
 
A partir dos resultados obtidos no estudo, percebe-se que a redução do grau de escoliose 
quanto aplicado o tratamento de alongamentos, principalmente quando associados a outros 
tipos de tratamento como o uso da bola suíça, por exemplo. No caso dos estudos de Bonorino, 
Borin & Silva (2007) e Borghi, Antonini & Facci (2010) essa análise foi proporcionada pela 
avaliação radiográfica nos pacientes submetidos ao tratamento, reduzindo-se a dor, aumento a 
flexibilidade dos músculos e melhoria de suas posturas. 
As células, "percebendo" os estímulos regulares dos alongamentos, passam a economizar e 
depositar mais cálcio nos ossos e proteína nos músculos e a utilizar e gastar mais as gorduras 
como fonte de energia, mesmo estando em repouso. Esta adaptação, mais visível que as 
outras, é o que leva muita gente a buscar o tratamento com alongamentos, mas é grande ainda 
a parcela que desiste em poucas semanas, já que o tratamento requer disciplina e continuidade 
da realização de atividades físicas. Mesmo após o término do tratamento junto à clínica, o 
paciente deve preservar os ganhos e continuar a praticar alguma atividade física em conjunto 
com alongamentos diários. 
Desta forma, ficou evidenciado na literatura disponível, que os alongamentos produzem 
vários benefícios no tratamento da escoliose, mas também ficou evidente que este tratamento 
não pode ser único e sim aliado as outras formas de tratamentos e atividade física. 
Concluiu-se pelo exposto nessa pesquisa bibliográfica que, o alongamento passivo e ativo, 
podem contribuir de maneira significativa para o equilíbrio do desenvolvimento da coluna 
vertebral. Atentos a descoberta de fatores de risco, para estarem assim, interferindo e 
modificando, em benefício à prevenção e certamente estarem oferecendo melhor perspectiva 
corporal e de funcionalidade da coluna e da qualidade de vida. 
Esta pesquisa, não teve a pretensão de afirmar que o alongamento ativo e passivo é um 
processo fechado e pleno contra a escoliose, mas desmistificar a cultura do tratamento sem 
orientação. 
 
Referências 
 
ABDALLAH, Achour Júnior. Flexilidade: teoria e prática. Londrina: Atividade Física e 
Saúde, 2013. 
BONORINO, Kelly Cattelan. BORIN, Graciele da Silva. SILVA, Aline Huber da. 
Tratamento para escoliose através do método iso-stretching e uso de bola suíça. Artigo, 
2012. Versão digitalizada. 
BORGHI, Alfio Souza. ANTONINI, Geise Michele. FACCI, Ligia Maria. Isostretching no 
tratamento da escoliose: série de casos. Artigo, 2010. Disponível em 
http://www.unicesumar.edu.br/pesquisa/periodicos/index.php/saudpesq/article/view/810/613 
Acesso em: 07/08/2014. 
16 
 
BRASIL. Dados de saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em 
http://ms.gov.br Acesso em: 27/07/2014. 
CALAIS-GERMAIN, B. Anatomia para o movimento. Vol. 2. São Paulo: Manole, 19992. 
CAMPOS, Paulo de Almeida. Alongamentos. Artigo, 2010. Disponível em 
http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em: 02/08/2014. 
CARRIÈRE, B. Alongamentos: teoria, exercícios básicos e aplicação clínica. São Paulo: 
Manole, 1999. 
DIMEGLIO, A. Ortopedia pediátrica. São Paulo: Editora Santos, 1990. 
FLETT, Maureen. Bola suíça: tratamento fisioterápico. São Paulo: Manole, 2003. 
GESSER, Mariana Oliveira. OLIVEIRA, Elisabete Maria. SILVAM Kris Marcel. O uso da 
bola suíça no tratamento da escoliose: Um estudo de caso. Artigo. 2007. Disponível em 
http://www.efdeportes.com/efd107/o-uso-da-bola-suica-no-tratamento-da-escoliose.htm 
Acesso em: 07/08/2014. 
HALL, J. S. Biomecânica básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 
IUNES, Denise H. CECÍLIO, Maria B. B. DOZZA, Marina A. ALMEIDA. Polyanna R. 
Almeida. Análise quantitativa do tratamento da escoliose idiopática com o método klapp 
por meio da biofotogrametria computadorizada. Artigo, 2010. Disponível em 
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-35552010000200008 Acesso 
em: 09/08/2014. 
KAPANDJI, I. A., Fisiologia articular: tronco e coluna vertebral. 5ª ed. Rio de Janeiro: 
Guanabara Koogan, 2000. 
KENDALL, Florence Peterson; MCCREARY, Elizabeth Kendall; PROVANCE, Patrícia 
Geise. Músculos provas e funções com postura e dor. São Paulo: Summus, 2009. 
KISNER, C. COLBY, L. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5ª ed. São Paulo: 
Manole, 2010. 
MANHÃES, Cíntia dos Santos. CRU\, Camila. Análise de Protocolo Fisioterapêutico em 
Paciente com Escoliose Torácica à Direita. Artigo, 2009. Disponível em 
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CBwQFj
AA&url=http%3A%2F%2Fwww.isecensa.edu.br%2Frepositorio%2Ffck%2Ffile%2Fartigos
%2520clinica%2FFisioterapia%2C%2520protocolo%2C%2520escoliose%2520tor%25C3%2
5A1cica.pdf&ei=1Mv1U6SQPMOVyASglIDgDg&usg=AFQjCNGCcHf1jvJ964t9n_Zd_tqN
W3Zigw&sig2=QAuzQOsXW1NSb2p5py1VKw&cad=rjt Acesso em: 09/08/2014. 
MARTINS, P. A. Coluna cervical. São Paulo: Saraiva, 2001. 
MOMESSO, R. B. Proteja sua coluna. 2ª ed. São Paulo: Cone, 2007. 
NABOUR, Jamil. Doenças da coluna vertebral. Artigo. 2012. Disponível em 
http://emedix.uol.com.br/doe/reu008_1f_doencascoluna.php Acesso em: 27/07/2014. 
OLIVER, Jean e MIDDLEDITCH, Alison. Anatomia funcional da coluna vertebral. Rio de 
Janeiro: Revinter. 2012. 
RONCANTI V. L. V. PORTIOLLI C. Y. Rotinas e recursos de fisioterapia. In: KNOBEL, 
E. Condutas no paciente grave. São Paulo: Atheneu, 2008. Disponível em 
http://www.google.com.br Google Livros. Acesso em: 27/07/2014. 
SOUZA, Alírio Mendes. Alongamentos para escoliose. Artigo, 2012. Disponível em 
http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em: 02/08/2014. 
TEIXEIRA, Luzinar. Escoliose: tratamento por meio de alongamentos. Artigo, 2014. 
Disponível em http://fisiomovimento.com.br/exercicios-para-escoliose/ Acesso em: 
27/08/2014 
TRIBASTONE, Francisco. Tratado de exercícios corretivos aplicados à reeducação 
motora postural. 1ª ed. Brasileira. São Paulo: Editora Manole, 2001. 
 
17