CURTO PRAZO e o LONGO PRAZO
3 pág.

CURTO PRAZO e o LONGO PRAZO

Disciplina:Introdução à Economia1.934 materiais47.175 seguidores
Pré-visualização1 página
CURTO PRAZO e o LONGO PRAZO
O CP é o período de tempo no qual o emprego de alguns fatores de produção não pode ser alterado. Os demais fatores até podem variar, o importante é que a disponibilidade de um certo fator está limitado.
EXEMPLO:
O capital imobilizado em prédios para abrigar uma produção fabril é fixo num horizonte de cerca de 1 ano, tempo mínimo necessário para a construção de outro prédio. Já a mão de obra pouco qualificada está disponível e pode ser contratada com acréscimos imediatos e por um fator variável no mesmo período.

CUSTO DE CURTO PRAZO
O PRODUTO
A produção de uma mercadoria agrícola como o milho dependerá apenas de emprego de RN na forma de terra agricultável e trabalho(T);

 q=F(RN,T)

Aumenta-se a produção com o emprego de um fator variável no caso do trabalho, no período em que o outro, a terra está fixo.

Quant.de terra nº de trab. Prod. Tot. PMe Prod. Marg.
 10 1 1 1 1
 10 2 3 1,5 2
 10 3 7 2,33 4
 10 4 10 2,5 3
 10 5 12 2,4 2
 10 6 13 2,17 1
 10 7 13,3 1,9 0,3
 10 8 13 1,6 -0.3
A variação marginal sempre será mais sensível que a variação média.

A firma incorre em custos fixos no curto prazo quer opere ou não;
EXEMPLO:
Custos fixos de salários do pessoal da administração, despesas com manutenção de prédios e os aluguéis de imóveis.
Os custos variáveis crescem com o volume de produção e referem-se aos salários dos trabalhadores de produção e matérias-primas, entre outros.
FÓRMULAS:
Cmg= variação CT variação q
Cme total= custo fixo produto
Custo variável médio salários/produto

‘’A Microeconomia do Equilibrio, afirma que o objetivo da firma é maximizar os lucros. ‘’
 Para maximizar os lucros a firma precisa satisfazer simultaneamente duas condições:
*O preço do produto deve ser igual ou superior ao Custo Médio
*Caso o preço for maior ou igual ao Custo Médio a firma deve aumentar a produção até que a receita por unidade a mais ofertada, a Rmg(Receita Marginal), seja igual ao custo de oferecer mais uma unidade, o Custo Marginal(Cmg). Em outros termos, enquanto Rmg>Cmg a firma deve aumentar a produção porque isto implica um aumento de lucros.

Retomando a equação do lucro, pode-se explicar a maximização

LUCRO=p*q-Cm*q
Lucro=RT-CT
Para variação do produto=1, Rmg=variação do RT/variação do q
Cmg=variação do CT/variação do q tem-se:

variação do L diferente a variação do q=Rmg-Cmg
Toda vez que Cmg>Rmg, o lucro cai
Rmg>Cmg, o lucro acumulado aumenta

O ponto de otimização ocorre quando a variação do lucro é nula
Se:
 variação L/variação q=0
Rmg=Cmg

Preço=variação do RT/variação da quantidade

Lucro=receita total-custo total

Custo marginal= variação do CT/variação da quantidade

OBS:
A empresa produz= quando receita marginal está acima do custo marginal
Ponto ideal: Custo marginal=Receita Marginal