A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
RESUMÃO DE CLINICA MEDICA I   Seminários Parte 2

Pré-visualização | Página 12 de 22

no 
território da artéria cerebral anterior. 
 Afasia sensorial transcortical (fluente) – existe um transtorno importante da 
compreensão, com uma expressão verbal fluente sendo semelhante a afasia de 
Wernicke. A lesão desconecta o cerne intacto da rede de linguagem de outras áreas de 
associação temporoparietais. Os achados neurológicos associados podem inclui 
hemianopsia. As lesões vasculares cerebrais (p. ex. infatos na zona de fonteira 
posterior) e neoplasia envolvendo o córtex temporoparietal posterior à área de Wernicke 
são as causas mais comuns. 
 Afasia de isolamento (mista) – a compreensão e a expressão verbal estão afetadas. 
Representa a função patológica da rede de linguagem quando ela é isolada de outras 
regiões do encéfalo. As áreas de Broca e de Wernicke tendem a ser poupadas, mas há 
lesão dos córtices frontal, parietal e temporal circundante. As lesões são descontínuas e 
podem estar associadas a hipóxia, intoxicação por CO ou infartos complexos em zonas 
de fronteiras. 
Afasia anômica ou amnéstica 
 Pode ser considerada a síndrome de disfunção mínima da rede de linguagem. A 
articulação, a compreensão e a repetição estão intactas, mas a denominação por confrontação, 
a busca de palavras e a soletração estão afetadas. A emissão da linguagem é fluente, porém 
parafásica, em circunlóquios e pouco informativa. A lesão pode localizar-se em qualquer ponto 
da área da linguagem no hemisfério esquerdo, incluindo os giros temporais médio e inferior. 
Pode ser por lesão na área de junção dos lobos temporal, parietal e occiptal É a anormalidade 
mais comum no traumatismo craniano, na encefalopatia metabólica e na doença de Alzheimer. 
 
Surdez pura para palavras 
As informações auditivas não são transmitidas à rede da linguagem, elas não são 
decodificadas em representações neurais de palavra e o paciente reage à fala como se fosse um 
língua estranha, incompreensível. Entretanto, não há dificuldade de compreender a linguagem 
escrita, a expressão da linguagem falada está normal e reage bem a sons do ambiente. As 
causas mais comuns são AVEs das artérias cerebrais média bilateral ou esquerda que afetam o 
giro temporal superior. 
 
Alexia pura sem agrafia 
O paciente pode compreender e produzir a linguagem falada, denominar objetos no 
hemicampo visual esquerdo, repetir e escrever. Contudo, ele parece analfabeto quando 
solicitado a ler até mesmo a frase mais simples, porque as informações visuais provenientes das 
palavras escritas não chegam à rede de linguagem. 
 
Apraxias 
Consiste na incapacidade de executar atos motores quando solicitado, na ausência de 
qualquer déficit motor primário, de compreensão ou de atenção às ordens solicitadas. Assim 
como a afasia, existem vários tipos de apraxias, dentre elas as mais importantes são: 
 Apraxia ideomotora – o paciente é incapaz de realizar um comando complexo como 
atender um telefone ou pentear o cabelo. Essa incapacidade pode estar restrita a um 
lado ou afetar todos os membros. Permanece inalterada a atividade automática e a 
ideia do ato a ser realizado, ou seja, não segue ordens. Quase sempre causada por 
lesões do hemisfério esquerdo associada à síndromes afásicas (especial// afasia de 
Broca e de condução). Algumas formas advêm de desconexão entre a rede da 
linguagem e os sistemas motores piramidais: os comandos para executar movimentos 
complexos são compreendidos, mas não transmitidos às áreas motoras apropriadas. 
 Apraxia ideativa (ideatória) – caracteriza-se pela dificuldade em executar e planejar uma 
sequencia de movimentos inteira como, p. ex., colocar uma carta no envelope, selar e 
enviar pelo correio. Esses problemas da sequência motora geralmente são observados 
no contexto de estados confusionais e demências. 
 Apraxia construtiva – corresponde à perda dos gestos normalmente organizados, tais 
como desenhar, modelar ou copiar modelos. 
 Apraxia do vestir – caracterizada pela dificuldade ou incapacidade para executar os atos 
habituais de despir-se ou vestir-se. As lesões ocupam a topografia retrorrolândica 
direita. 
 Apraxia da marcha – causada pela lesão frontal de ambos os hemisférios, que propricia 
o aparecimento de dificuldades da marcha, em especial o seu início. 
 Apraxia bucolinguofacial – consiste na alteração dos gestos da mímica facial, da boca e 
da língua, permanecendo inalterado o automatismo. Decorre de lesões frontais e do 
hemisfério esquerdo. O paciente não consegue realizar adequadamente movimentos 
simples, como mostrar a língua ou os dentes. 
 Apraxia dos membros – compreende déficits apráxicos nos movimentos dos braços e 
das pernas. 
 Apraxia cinética dos membros – consiste em inabilidade no manejo habitual de 
instrumentos, que não é atribuível a disfunção sensorial piramidal, extrapiramidal ou 
cerebelar. Pode surgir de lesões focais no córtex pré-motor ou de degeneração do 
córtex e dos núcleos da base. 
Dispraxia simpática – é um tipo especial de apraxia ideomotora confinada ao lado 
esquerdo do corpo que ocorre em lesões do corpo caloso anterior. A forma grave é conhecida 
como síndrome da mão alienígena caracterizada por outros aspectos da desinibição motora da 
mão esquerda. 
 
Síndrome de Gerstmann 
Caracterizada pela combinação de alcalculia (deficiência em cálculos aritméticos simples), 
disgrafia (escrita deficiente), anomia digital (incapacidade de denominar dedos, como indicador e 
o polegar) e confusão direita-esquerda (incapacidade de dizer se a mão, o pé, ou o braço do 
paciente ou do examinador pertencem ao lado direito ou esquerdo do corpo). Está presente de 
maneira isolada, há comumente lesão no lóbulo parietal inferior (em especial o giro angular do 
hemisfério esquerdo). 
 
Aprosódia 
São variações da acentuação e entonação que influenciam o significado e o impacto da 
linguagem falada. Pode ocorrer por lesões nas áreas perissilvianas do hemisfério direito 
correspondentes à área de Wernicke (afeta seletivamente a decodificação da acentuação e 
entonação) e à área de Broca (afeta a capacidade de acentuação e entonação). O paciente 
pronuncia num tom monótono. 
 
Afasia subcortical 
Ocorre por lesão de componentes subcorticais da rede de linguagem (p. ex. estriado e 
tálamo do hemisfério esquerdo). Acarreta em combinações de déficits dos diversos aspectos da 
linguagem. Paciente com AVE, com afasia anômica e acompanhada de disartria ou afasia 
fluente com hemiparesia deve levantar a suspeita de localização subcortical da lesão. 
 
Afasias progressivas 
Ocorre em doenças neurodegenerativas. 
 
 
CEFALEIAS 
 
Classificação (desenvolvido pela Sociedade Internacional de Cefaleia): 
 Cefaleias primárias: é aquela em que a cefaleia e suas manifestações associadas 
constituem o distúrbio em si; 
 Cefaleias secundárias: decorrentes de lesões identificadas no segmento cefálico ou 
de afecções sistêmicas. 
Anatomia e fisiologia da cefaleia: 
Mecanismos de origem da cefaleia: A dor em geral ocorre quando nocireceptores 
periféricos são estimulados em resposta à lesão tecidual, distensão visceral ou outros fatores. 
Nestas situações, a percepção da dor é uma resposta fisiológica normal mediada pelo sistema 
nervoso saudável. A dor também pode ocorrer por lesão ou hiperativação das vias de produção 
da dor dos sistemas nervosos periférico ou central. 
Poucas estruturas cranianas geram dor, são elas: couro cabeludo, a. meníngea média, 
seios durais, foice do cérebro e os segmentos proximais das grandes artérias da pia-máter. 
Avaliação clínica da cefaleia aguda de início recente: 
Na cefaleia intensa e de início recente, a probabilidade de encontrar uma causa 
potencialmente grave é bem maior do que na cefaleia recorrente, exigindo, portanto, avaliação 
imediata e tratamento adequado. 
Causas