Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Procedimentos licitatórios: classificação, homologação e adjudicação - Resumo

Pré-visualização|Página 1 de 3

1
Fases do procedimento licitatório
Qualicação técnica (art. 30 da L8666).
Consiste na necessidade de demonstração de que o licitante possui aptidão técnica
para executar o objeto do contrato. Embora haja uma maior discricionariedade nesse
ponto, é preciso que os requisitos para a qualicação técnica sejam estabelecidos à
luz da proporcionalidade. Desse modo, somente devem ser exigidas as qualicações
técnicas necessárias ao cumprimento do contrato, conforme prevê o já mencionado
art. 37, XXI da CF.
Nesse ponto, Flávio Amaral classica os requisitos de qualicação técnica em 3 níveis:
Capacidade genérica
Capacidade especíca
Capacidade operativa
Habilitação nanceira (art. 31 da L8666)
Signica saber se o licitante possui condições nanceiras para executar o contrato.
Tal comprovação pode se dar a partir da apresentação de alguns documentos, tais
como o balanço patrimonial e as demonstrações contábeis do último exercício social
e a certidão negativa de falência. Também é possível a exigência de garantia do lici-
tante, limitada a 1% do valor estimado para a contratação.
De acordo com o art. 31, §1º, a exigência de índices limitar-se-á à demonstração da
capacidade nanceira do licitante com vistas aos compromissos que terá que assu-
mir caso lhe seja adjudicado o contrato, vedada a exigência de valores mínimos de
faturamento anterior, índices de rentabilidade ou lucratividade.
Nas compras para entrega futura e na execução de obras e serviços, a Administração
pode exigir ainda capital mínimo ou patrimônio líquido mínimo, desde que previsto
no edital e desde que tal exigência não exceda a 10% do valor estimado da contrata-
ção. Tal comprovação deve ser feita à data da apresentação da proposta
Licitações
Licitações (Parte 8)
Direito Administrativo II

2
Demonstração de que não explora o trabalho infantil (art. 27, V da L8666).
Como um último requisito para a habilitação, a Lei 8666 exige que os licitantes com-
provem o cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7º da Constituição Federal.
Classicação e Julgamento das Propostas
Vericados os documentos de habilitação, serão posteriormente abertos os envelo-
pes das propostas dos licitantes habilitados. Aqueles que foram inabilitados na fase
anterior não terão suas propostas sequer analisadas, sendo que seus envelopes se-
rão devolvidos lacrados. Assim, só caberá ao licitante inabilitado recorrer, conforme
veremos adiante.
Não havendo recurso, serão analisadas as propostas dos licitantes habilitados, de
acordo com o critério estabelecido no edital, dentre aqueles previstos no art. 45 da
Lei 8666 (menor preço, técnica e preço, etc.).
Em consonância com a ideia de função regulatória da licitação, importante mencio-
nar que a Administração pode estabelecer previamente no edital uma margem de
preferência de até 25% para a aquisição de produtos manufaturados ou de servi-
ços nacionais que obedeçam às normas técnicas brasileiras. A recente Lei 13146/15
também estendeu a possibilidade de se estabelecer tal margem de preferência para
bens e serviços de empresas que comprovem reservas de cargo para pessoas com
deciência.
Por m, estabelecida a classicação das propostas de acordo com o critério adotado,
haverá o julgamento e será declarado o vencedor da licitação. Não havendo recurso,
a comissão licitante encerrará os seus trabalhos e encaminhará os autos do procedi-
mento à autoridade competente, para homologação ou não do certame.
Homologação
É a fase em que a autoridade competente irá atestar a validade do procedimento e
conrmar o interesse na contratação, homologando todos os atos da seleção.
Observação: É possível que haja a revogação ou a anulação da licitação?
Sim. Ao analisar a regularidade e a conveniência do procedimento de seleção, a au-
toridade competente, ao invés de homologá-lo, poderá REVOGAR ou ANULAR a lici-
tação.
Se houver ilegalidade, a tendência é que haja a anulação do certame (Súmula 473 do
STF), podendo também haver convalidação, em caso de vícios sanáveis.
No entanto, ainda que o procedimento seja todo considerado válido, a Administração
pode atestar o seu desinteresse na contratação e revogar o procedimento por moti-
vos de conveniência e oportunidade (art. 49 da Lei nº 8666 e seus parágrafos)

3
A anulação gera direito à indenização?
Não, como regra. Esta é a previsão do art. 49, §1º.
No entanto, na hipótese em que a ilegalidade é atribuída à Administração e declarada
após a celebração do contrato, será possível que o particular pleiteie eventual repa-
ração, na forma do art. 59.
A revogação e a anulação só podem ocorrer até a fase de homologação do procedimento?
Não. A revogação e a anulação podem ocorrer a qualquer momento, mesmo após a
adjudicação do objeto ao licitante vencedor.
Ademais, importante mencionar que a Lei 8666 prevê que a nulidade do proce-
dimento licitatório induz à do contrato, deixando claro que a anulação por vício na
licitação pode ocorrer até mesmo quando já celebrado o contrato, desde que seja
observado o art. 59.
É necessário o respeito ao contraditório quando da revogação e anulação do procedimen-
to licitatório?
Sim, de acordo com o art. 49, § 3º. Porém, o STJ tem mitigado a interpretação do dis-
positivo, entendendo que só seria necessário o contraditório após as fases homolo-
gação e adjudicação.
Adjudicação
Adjudicar não é contratar, mas sim conferir uma garantia ao vencedor da licitação
de que, se o contrato for celebrado, será com o primeiro colocado.
Isso porque, conforme já visto, a Administração pode anular o procedimento licitató-
rio mesmo após a adjudicação do objeto.
Assim, o princípio da adjudicação compulsória não signica um direito subjetivo do
vencedor à contratação, mas sim a garantia de que ele será o contratado, caso a avença
venha a ser efetivada.
No entanto, embora não haja tal obrigatoriedade para a Administração, o vencedor
da licitação que for convocado estará obrigado a contratar, sob pena de incorrer nas
penalidades previstas no art. 81 da Lei. Tal obrigatoriedade só não haverá se o vence-
dor não for chamado no prazo de 60 dias, contados da data da abertura das propos-
tas, de acordo com o §3º do art. 64.

Quer ver o material completo? Crie agora seu perfil grátis e acesse sem restrições!