UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO   Plano de Negócio  empresa Scaps! 01 12 (1)
159 pág.

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO Plano de Negócio empresa Scaps! 01 12 (1)


DisciplinaAdministracao Empr Estatais11 materiais10 seguidores
Pré-visualização34 páginas
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
FACULDADE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO MECÂNICA
NOME DO DEPARTAMENTO
EMPRESA SCAPS: FABRICANTE DE SUCOS NATURAIS ENGARRAFADOS
São Paulo
2017
ALZERINO SOARES DE SANTANA NETO
ARTUR SAVICIUS
CRISTIAN NELO SILVA
DANILO BRACALE FURTADO
PEDRO HENRIQUE SILVA
EMPRESA SCAPS: FABRICANTE DE SUCOS NATURAIS ENGARRAFADOS
Trabalho de conclusão de curso à Universidade Nove de Julho, como requisito obrigatório para conclusão de curso de Engenharia da Produção Mecânica, sob a orientação do Professor Ms. Ivan Luiz Laranjeiras da Silva.
São Paulo,
2017
Dedicamos este Trabalho de Conclusão de Curso a todos aqueles que acreditam que a ousadia e o erro são os primeiros passos para grandes realizações.
AGRADECIMENTO
Agradecemos primeiramente a Deus. Aos nossos familiares por todo o apoio que nos deram ao longo do curso e aos nossos professores, pelos conhecimentos transmitidos, por estarem dispostos a sanar nossas dúvidas, por terem nos ajudado na realização e conclusão deste trabalho e aos pesquisadores e escritores por nos proporcionarem informações confiáveis, pois este foi o pilar de sustentação de toda a pesquisa bibliográfica.
RESUMO
Empresa distribuidora de sucos naturais, fabricação própria das garrafas de vidro e tampas de polipropileno, armazenagem e distribuição do produto. Temos como objetivo a qualidade e satisfação de nossos clientes também como uma vida saudável e regrada a boas práticas começando com uma boa alimentação e ingestão de produtos naturais. Nossa meta é ser a maior e melhor empresa no ramo de bebidas não alcoólicas e naturais, atendendo assim todas as expectativas do mercado e visando sempre a satisfação de nossos clientes e fornecedores.
Palavras chaves: Sucos. Garrafas. Tampas. Vidro. Plásticos.
LISTA DE FIGURAS / IMAGENS
Figura 1 - Logomarca do Produto	15
Figura 2 - Principais produtores de frutas no mundo	18
Figura 3 - Comércio de suco de mirtilo no Hipermercado Extra	27
Figura 4 - Suco de Maçã	29
Figura 5 \u2013 Árvore do Produto	30
Figura 6 - Processo de Desenvolvimento de Produto	31
Figura 7 \u2013 Tampa de Polipropileno	36
Figura 8 - Logomarca do produto	37
Figura 9 - Reciclagem	45
Figura 10 - Polipropileno	50
Figura 11 - Fluxograma do processo	53
Figura 12 - Exemplo de um triturador de vidro	54
Figura 13 \u2013 Estocagem - Silos	55
Figura 14 \u2013 Elevadores de caneca	55
Figura 15 - Misturador de Matéria-Prima	56
Figura 16 - Forno de fusão	57
Figura 17 \u2013 Máquina de I,S,	58
Figura 18 - Molde de conformação	59
Figura 19 \u2013 Garrafa pronta	59
Figura 20 - Estação de Recozimento	60
Figura 21 - Inspeção	61
Figura 22 - Fluxograma do processo produtivo	61
Figura 23 - Máquina Envasadora	62
Figura 24 - Injetora de plástico	62
Figura 25 - Molde para tampa com lacre	63
Figura 26 - Máquina Rotuladora	63
Figura 27 - Encaixotadora	64
Figura 28 - Máquina Paletizadora	64
Figura 29 - Empilhadeira elétrica	65
Figura 30 - Gerador	65
Figura 31 - Processo de fabricação da garrafa de vidro	92
Figura 32 - Embalagem do produto final	95
Figura 33 - Distribuição das reservas de água no planeta	99
Figura 34 - Reutilização d\u2019água	101
Figura 35 - Estação de Tratamento de Esgoto da empresa em estudos	102
Figura 36 \u2013 Dimensionamento de acordo com a NBR 5626	106
Figura 37 - Ciclo de vida de uma garrafa de vidro	111
Figura 38 \u2013 Apreciação de riscos	115
Figura 39 - Lead times para cada estratégia de produção	119
Figura 40 - Arvore do Produto (garrafa de suco de fruta)	121
Figura 41 - Esquema dos postos de controle de produção	137
Figura 42 - Os elementos da estrutura dos custos logísticos	146
Figura 43 \u2013 Mapa do Centro de Gravidade	151
Figura 44 - Mapa Centro de Gravidade Santana do Parnaíba / São Paulo	152
LISTA DE TABELAS
Tabela 1 - Principais frutas produzidas no mundo, 2010	19
Tabela 2 - Principais frutas produzidas no Brasil, 2012	19
Tabela 3 - Tabela das Frutas com maior índice de Nutrientes	22
Tabela 4 - Vitaminas das Frutas descritas na Tabela 3	22
Tabela 5 - Funções das Vitaminas Citadas na Tabela 4	22
Tabela 6 - Prevenção de doenças através das frutas citadas nas Tabelas 2 e 3	23
Tabela 7 - Composição química do mirtilo em 199g de fruto fresco	25
Tabela 8 - Informações nutricionais e composição química do mirtilo	26
Tabela 9 - Principais áreas de produção de maçã no Brasil	28
Tabela 10 - Informação nutricional da maçã	28
Tabela 11 - Tabela com análise da concorrência	34
Tabela 12 - Pesquisa de mercado	35
Tabela 13 - Parâmetros físico-químicos do suco	38
Tabela 14 - Matéria-prima para composição do vidro	43
Tabela 15 - Tabela demonstrativa	52
Tabela 16 - As especificações das máquinas	66
Tabela 17 - Capacidade instalada da máquina trituradora	69
Tabela 18 - Capacidade instalada dos silos	69
Tabela 19 - Capacidade instalada do elevador de caneca	69
Tabela 20 - Capacidade instalada do misturador de matéria prima	69
Tabela 21 - Capacidade instalada do forno de fusão	70
Tabela 22 - Capacidade instalada da Máquina IS conformação	70
Tabela 23 - Capacidade instalada da máquina de recozimento	70
Tabela 24 - Capacidade instalada da máquina de controle de qualidade	70
Tabela 25 - Capacidade instalada da máquina envasadora	70
Tabela 26 - Capacidade instalada da máquina injetora	70
Tabela 27 - Capacidade instalada da máquina rotuladora	71
Tabela 28 - Capacidade instalada da máquina encaixadora	71
Tabela 29 - Capacidade instalada da máquina paletizadora	71
Tabela 30 - Capacidade instalada da empilhadeira	71
Tabela 31 - Capacidade disponível para 1, 2 e 3 turnos	72
Tabela 32 - Capacidade disponível da máquina trituradora	72
Tabela 33 - Capacidade disponível dos silos	72
Tabela 34 - Capacidade disponível do elevador de caneca	72
Tabela 35 - Capacidade disponível do misturador de matéria prima	72
Tabela 36 - Capacidade disponível do forno de fusão	72
Tabela 37 - Capacidade disponível da Máquina IS conformação	73
Tabela 38 - Capacidade disponível da máquina de recozimento	73
Tabela 39 - Capacidade disponível da máquina de controle de qualidade	73
Tabela 40 - Capacidade disponível da máquina envasadora	73
Tabela 41 - Capacidade disponível da máquina injetora	73
Tabela 42 - Capacidade disponível da máquina rotuladora	73
Tabela 43 - Capacidade disponível da máquina encaixadora	74
Tabela 44 - Capacidade disponível da máquina paletizadora	74
Tabela 45 - Capacidade disponível da empilhadeira	74
Tabela 46 - Paradas planejadas da máquina trituradora	74
Tabela 47 - Cálculo da capacidade efetiva da máquina trituradora	75
Tabela 48 - Paradas planejadas para silos	75
Tabela 49 - Cálculo da capacidade efetiva dos silos	75
Tabela 50 - Paradas planejadas do elevador de caneca	75
Tabela 51 - Cálculo da capacidade efetiva do elevador de caneca	75
Tabela 52 - Paradas planejadas do misturador de matéria prima	76
Tabela 53 - Cálculo da capacidade efetiva do misturador de matéria prima	76
Tabela 54 - Paradas planejadas do forno de fusão	76
Tabela 55 - Cálculo da capacidade efetiva do forno de fusão	76
Tabela 56 - Paradas planejadas da Máquina IS conformação	76
Tabela 57 - Cálculo da capacidade efetiva da Máquina IS conformação	77
Tabela 58 - Paradas planejadas da máquina de recozimento	77
Tabela 59 - Cálculo da capacidade efetiva da máquina de recozimento	77
Tabela 60 - Paradas planejadas da máquina de controle de qualidade	77
Tabela 61 - Cálculo da capacidade efetiva da máquina de controle de qualidade	77
Tabela 62 - Paradas planejadas da máquina envasadora	78
Tabela 63 - Cálculo da capacidade efetiva da máquina envasadora	78
Tabela 64 - Paradas planejadas da máquina injetora	78
Tabela 65 - Cálculo da capacidade efetiva da máquina injetora	78
Tabela 66 - Paradas planejadas da máquina rotuladora	78
Tabela 67 - Cálculo da