A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
156 pág.
MATERIAL COM GABARITO DE DTO CIVIL II - OBRIGAÇÕES

Pré-visualização | Página 1 de 48

quarta-feira, 24 de junho de 2009
MATERIA DE DIREITO CIVIL II 2009.1 
AULA 1
Direito Civil II (Obrigações)
Docente: Des. Marco Aurélio Bezerra de Melo
Roteiro
– Direito das Obrigações – conceito
– Sua importância social e econômica
– Posição da matéria nos Códigos Civil de 1916 e 2002
– Influência do Direito Romano
– Relação obrigacional: características
– Fontes das obrigações – evolução histórica
– Unificação do direito privado – obrigações civis e comerciais
– Principais diferenças entre direitos obrigacionais e direitos reais
– Solução dos casos concretos propostos
1) Direito das Obrigações
Conceito: é o ramo do Direito que estuda e disciplina determinadas relações jurídicas interpessoais, de natureza patrimonial, também chamadas de direitos de créditos ou pessoais.
2) Importância social e econômica
A produção, circulação e armazenamento das riquezas, tudo se faz através de obrigações.
Estão presentes nas relações de produção e consumo.
3) Posição da matéria nos Códigos de 1916 e 2002
Código de 1916 – Parte Especial, Livro III
Código de 2002 – Parte Especial, Livro I
4) Influência do direito romano – a perenidade e a universabilidade da Teoria Geral das Obrigações. Repercussão nos demais sistemas, inclusive da common law.
Obrigação
Diversas accepções em que se usa a palavra
obrigação moral
obrigação religiosa
obrigação social
ônus jurídico
título representativo da obrigação
Definições (entre muitas outras)
Clássica (Institutas) – obrigação é o vínculo jurídico ao qual nos submetemos coercitivamente, sujeitando-nos a uma prestação, segundo o direito de nossa cidade.
Clovis Bevilacqua – relação transitória de direito, que nos constrange a dar, fazer ou não fazer alguma coisa, economicamente apreciável, em proveito de alguém que, por ato nosso ou de alguém conosco juridicamente relacionado, ou em virtude de lei, adquiriu o direito de exigir de nós esta ação ou omissão
Caio Mário – é o vínculo jurídico em virtude do qual uma pessoa pode exigir de outra uma prestação economicamente apreciável.
Características da obrigação
- vínculo jurídico – sujeito ativo e passivo
- caráter transitório
- prestação economicamente aferível
- patrimônio do devedor como garantia
A obrigação como processo (Clovis Couto e Silva) – relação obrigacional
Fontes
Direito Romano – contrato, quase-contrato, delito, quase delito; (Gaio)
Código de Napoleão – igual orientação ( Pothier)
Código Alemão (BGB) – negócio jurídico e lei
Direito Brasileiro – a vontade humana (atos jurídicos, negócios jurídicos, atos ilícitos) e a lei.
Obrigações legais ou deveres jurídicos?
5) A unificação das obrigações civis e comerciais – Solução do Código Civil de 2002
Principais diferenças entre direitos obrigacionais (pessoais) e direitos reais
– quanto à oponibilidade e seqüela
– quanto ao objeto
– quanto aos sujeitos
– quanto à duração
– quanto ao modo de exercício
– quanto aos efeitos da inércia do titular
– quanto ao abandono
• Situações híbridas
– obrigações propeter rem ou reais
– ônus reais
– cláusulas de eficácia real
CASOS E QUESTÕES OBJETIVAS
• Examinando o conceito de obrigação formulado pelos autores, é correto dizer:
• é um direito subjetivo absoluto porque permite a uma pessoa exigir de outra certo comportamento;
• é um direito subjetivo relativo porque permite a uma pessoa exigir a prática de certa conduta de toda a comunidade (erga omnes);
• é um direito subjetivo absoluto porque trata das relações que se estabelecem entre as pessoas sobre uma coisa (ius in re), e todas as demais pessoas ficam sujeitas a respeitá-lo;
• é um direito subjetivo relativo porque é o poder de uma pessoa de exigir de outra a prática de certo comportamento em decorrência de um fato específico;
• é um direito subjetivo absoluto de uma pessoa impor à coletividade que respeite o seu nome, a honra e a dignidade.
• O direito das obrigações emprega o vocábulo obrigação no sentido técnico-jurídico de:
• qualquer espécie de vínculo ou de sujeição da pessoa;
• submissão a uma regra de conduta, cuja autoridade é reconhecida ou forçosamente se impõe;
• vínculo jurídico de conteúdo patrimonial, que se estabelece de pessoa a pessoa, colocando-as, uma em face da outra, como credora e devedora;
• qualquer dever jurídico preexistente;
• dever jurídico sucessivo, decorrente da violação de um dever jurídico originário.
• Marque a alternativa correta.
3. Norberto encontra-se profundamente perturbado, em virtude de certos comportamentos de sua filha Elaine: negou ajuda a uma senhora da vizinhança que precisava atravessar a rua e, como se não bastasse, ficou alheia aos cuidados indispensáveis ao desenvolvimento material e moral de seu filho menor, Otávio.
Certo dia, Elaine foi surpreendida com a presença de um oficial de justiça que realizou sua citação por conta de uma ação de despejo por falta de pagamento, proposta pelo seu locador, Francisco, tendo ainda recebido uma notificação quanto ao término do contrato de comodato de seu veículo.
Analise o caso e identifique as situações propostas a partir dos seguintes tópicos:
a) Todos os atos praticados por Elaine consistem em infrações de obrigações decorrentes de vínculos jurídicos?
b) No caso de locação, há a caracterização de algum estado de sujeição? Qual a distinção existente entre obrigação e estado de sujeição?
c) Pode-se afirmar que a prestação referente ao pagamento do aluguel está afeta ao direito de crédito? Esclareça a resposta apresentando um enfoque doutrinário.
AULA Nº 2
SLIDE 1
VÍNCULO JURÍDICO OBRIGACIONAL
“Este vínculo se diz jurídico porque, sendo disciplinado pela lei, vem acompanhado de sanção. Com efeito, se o devedor que legalmente se obrigou, deixar de efetuar o pagamento, a lei abre as portas dos pretórios ao credor, para que este, através da execução patrimonial do inadimplente, obtenha a satisfação do crédito.” Sílvio Rodrigues
A SUJEIÇÃO DO DEVEDOR AO CREDOR:
A) SUJEIÇÃO CORPORAL – Importância da Lex poetelia papiria (428 a.c.)
Reminiscência atual em nossa Constituição da República e no direito infraconstitucional – artigos 5º, LXVII, CRFB, 652, CCB e 732, CPC
O STF entendeu recentemente que o o artigo 4º do Decreto-lei nº 911/69 não foi recepcionado pela Constituição de 1988 (RE 466343/SP, Informativo nº 449 do Supremo Tribunal Federal).
B) SUJEIÇÃO PATRIMONIAL – artigo 391, CC.
AULA Nº 2
SLIDE Nº 2
TEORIA DUALISTA
Obrigação e Responsabilidade
Obrigação (Shuld)– É o dever jurídico originário.
Responsabilidade (Haftung) – É o dever jurídico sucessivo que nasce do inadimplemento.
Quando a obrigação é cumprida espontaneamente – destino natural da obrigação – não há que se falar em responsabilidade.
Fundamento legal: Analisar sistematicamente o disposto nos artigos 186 e 927, caput, do Código Civil.
Existe obrigação sem responsabilidade? E responsabilidade sem obrigação?
AULA Nº 2
SLIDE 3
FONTES DAS OBRIGAÇÕES
Consistem nos fatos que dão ensejo ao surgimento do vínculo obrigacional, desde que sejam observadas as regras do direito.
Correspondem à causa para o surgimento da obrigação.
A primeira e mais importante fonte é a lei.
A manifestação de vontade também conduz à criação das obrigações. Daí dizer-se que também representam fontes do direito os negócios jurídicos unilaterais, negócios jurídicos bilaterais, atos ilícitos e o risco da atividade.
AULA Nº 3
SLIDE 1
OBRIGAÇÕES NATURAIS
A obrigação natural situa-se no meio caminho entre o dever moral e a obrigação propriamente dita.
Quem cumpre obrigação natural atende a um reclamo de sua consciência.
Podemos encontrar exemplos típicos e atípicos.
Trata-se de obrigação a que o ordenamento jurídico não atribui uma sanção positiva ao devedor.
A bem da verdade, a proteção do credor é feita de modo indireto, como se pode verificar com a simples leitura do artigo 882, do Código Civil: “Não se pode repetir o que se pagou para solver dívida prescrita, ou cumprir obrigação judicialmente inexigível.”