Aps Unip 2 semestre Biomedicina
32 pág.

Aps Unip 2 semestre Biomedicina


DisciplinaBiomedicina4.692 materiais11.693 seguidores
Pré-visualização7 páginas
ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS \u2013 2017/2
Biomedicina - 1º e 2º SEMESTRES
Tema 01 \u2013 Anatomia \u2013 Densidade óssea
Henry é um homem de 65 anos que foi admitido na emergência após uma queda. Uma radiografia confirmou que ele fraturou a parte proximal do seu osso do braço (colo cirúrgico do úmero). A radiografia também revelou que sua matriz óssea não era tão densa como o esperado para um homem da sua idade. O teste para Ca2+ sanguíneo estava normal. No questionário, Henry confessou que é viciado em comidas pouco saudáveis, que come poucos vegetais e nunca consome laticínios. Além disso, Henry nunca faz exercícios e raramente sai para a rua exceto a noite. Analisando o caso acima, responda:
Nomeie os componentes da matriz óssea e explique sua contribuição para flexibilidade óssea e a habilidade do osso em suportar carga.
A matriz óssea é composta por células (10% do peso), uma fase inorgânica mineralizada e por uma matriz orgânica. A matriz mineralizada consiste em hidroxiapatita fracamente cristalina, Ca10 (PO4)6(OH)2, sendo este representando 60% do tecido ósseo. Outros íons importantes no osso são carbonato, citrato, fluoreto, cloreto, sódio, magnésio, potássio e estrôncio. A matriz orgânica consiste em 30%, sendo esta composta por 88% de colágeno tipo I, 10% de outras proteínas e 1 a 2% de lipídios e glicosaminoglicanos. Dito isto, o colágeno tipo I define essencialmente a matriz orgânica. Outras proteínas incluem a osteocalcina, produzida por osteoblastos; a osteopontina e a sialoproteína. 
As células do osso mantêm sua estrutura. Há quatro tipos de células no tecido ósseo, cada um deles com suas funções específicas relacionadas com formação, reabsorção e remodelagem do osso. A célula osteoprogenitora, que, por fim, diferencia-se em osteoblastos e osteócitos, deriva de uma célula-tronco primitiva. A célula-tronco é capaz de desenvolver-se até adipócitos, mioblastos, fibroblastos ou osteoblastos. Os osteoblastos são as células sintetizadoras de proteínas que produzem e mineralizam tecido ósseo. Contêm fosfatase alcalina, fabrica osteocalcina e apresenta receptores para hormônio paratireóideo (importantes para a absorção e mineralização de cálcio e outros nutrientes essenciais para o tecido ósseo). O osteócioto é um osteoblasto responsável pela deposição de pequenas quantidades de osso ao redor das lacunas. Por fim, o osteoclasto é a célula exclusiva de reabsorção do osso, membro da família monócitos/macrófagos.
A matriz mineralizada, estruturada pelas células, mantêm a dureza e rigidez do tecido ósseo de modo que este possa atuar no suporte de cargas.
A matriz orgânica, que, como já dito, é composta essencialmente por fibras colágenas, confere ao tecido, em geral, limitada elasticidade e certa flexibilidade. 
Explique as diferenças em estrutura entre os ossos longos, achatados, curtos e irregulares.
Os ossos longos apresentam o comprimento maior que a largura, consistem em uma diáfise e uma quantidade variável de extremidades ou epífises e são discretamente curvados para efeito de resistência.
Os ossos curtos apresentam formato semelhante a um cubo, com comprimento e largura praticamente iguais. Consistem em tecido ósseo esponjoso, exceto na superfície, formada por uma fina camada de tecido ósseo compacto.
Os ossos planos são, em geral, finos e compostos de duas lâminas quase paralelas de tecido ósseo compacto que encerram uma camada de tecido ósseo esponjoso.
Os ossos irregulares apresentam formatos complexos e não podem ser agrupados em nenhuma das categorias citadas. A quantidade de tecido ósseo compacto e esponjoso presente varia.
Os ossos sesamóides se desenvolvem em determinados tendões onde há considerável fricção, tensão e estresse físico como as palmas das mãos e as plantas dos pés. Eles podem variar em quantidade de pessoa para pessoa, nem sempre são completamente ossificados e, em geral, medem apenas alguns milímetros de diâmetro. As patelas são exceções notáveis, estando presentes normalmente em todas as pessoas.
Por que Henry está mais propenso a quebrar um osso do que outros homens da sua idade?
Henry está mais propenso a quebrar um osso do que outros homens da sua idade pois não possui as substâncias adequadas para fazer a fixação do cálcio no osso, bem como outros nutrientes vitais para a boa formação óssea, como por exemplo a vitamina D; e também deficiente em hidróxido de apatita. O sedentarismo também colabora com a fragilidade óssea de Henry, pois acelera a perda de sua massa.
Como os hábitos alimentares de Henry contribuíram para sua baixa densidade óssea?
Uma má alimentação provoca a falta de nutrientes necessários para a formação óssea, provocando o enfraquecimento deste. Por exemplo, alguns alimentos como o refrigerante, rico em fosfato, prejudica a absorção de cálcio. Assim como, também, o consumo excessivo de gordura hidrogenada contidas nos alimentos consumidos por Henry, que não contém a vitamina K (diferentemente da gordura normal) essencial para a saúde do tecido ósseo.
Os níveis de paratormônio (PTH) de Henry estariam abaixo do normal, na média, ou acima do normal? Justifique.
Tendo como base o enunciado da questão, os níveis de PTH de Henry estariam na média, pois o teste realizado no exame sanguíneo indica normalidade no nível de cálcio (Ca2+).
Referências da questão 1 (a, b, c, d, e):
BORON, Walter F.; BOULPAEP, Emile L. (2012). Medical Physiology. 2. ed. Nova Iórque: Grune & Stratton, 2012.
ESTRUTURA E DINÂMICA DO TECIDO ÓSSEO. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Paulo_Palma2/publication/235352308_Estrutura_e_dinamica_do_tecido_osseo/links/004635266b66bcc6da000000/Estrutura-e-dinamica-do-tecido-osseo.pdf>. Acesso em: 20 set. 2017.
PTH. Disponível em: <http://www.labtestsonline.org.br/understanding/analytes/pth/tab/test/>. Acesso em: 20 set. 2017.
RUBIN, Emanuel (org.). Rubin Patologia: bases clinicopatológicas da medicina. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
TORTORA, Gerard J; DERRICKSON, Bryan. Princípios de Anatomia e Fisiologia. 14. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.
Tema 02 \u2013 Anatomia \u2013 Sistema Muscular
Ganhar um mês de academia mudou a vida de Bob. Ele parou de comer alimentos não saudáveis e agora se exercita diariamente. Em um dos seus exercícios aeróbicos, ele lentamente flexiona o cotovelo e supina a sua mão direita ao levantar cerca de 16kg; em seguida, larga o peso de volta à sua posição inicial. A partir do caso apresentado, responda:
Qual(is) articulação(ões) está(ão) envolvida(s) no movimento descrito acima?
 As articulações que estão envolvidas no movimento realizado é a do cotovelo, correspondente a articulação sinovial, conhecida como diartroses por permitir diversos tipos de movimentos. Outra articulação que pode ser observada é a articulação rádio-ulnar proximal, que compreende movimentos de rotação do rádio sobre a ulna em movimentos de supinação e pronação.
Referências: 
Princípios de anatomia e fisiologia, Gerard J. Tortora.
Explique como os músculos de Bob são capazes de levantar e abaixar o peso lentamente.
 Ao flexionar o cotovelo Bob faz com que a força peso que ele está levantando se direcione para o bíceps, sendo assim, uma alavanca de 3ª ordem. Desse modo, Bob consegue controlar a velocidade que o peso será levantado com precisão.
Referências: http://www.museuescola.ibb.unesp.br/subtopico.php?id=2&pag=2&num=3&sub=40
https://sciencetrainingra.wordpress.com/2014/04/22/biomecanica-do-movimento-alavancas-do-sistema-musculo-esqueletico/
Quais são os componentes de uma fibra muscular?
A partir da fusão de uma centena ou mais de mioblastos durante o desenvolvimento embrionário se origina a fibra muscular. Os múltiplos núcleos de uma fibra muscular estão localizados abaixo do sarcolema, a membrana plasmática da fibra muscular. Milhares de minúsculas invaginações do sarcolema, chamadas de túbulos transversos (T), formam um túnel de superfície