A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Questão 122º OAB.SP

Pré-visualização | Página 1 de 1

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 45ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL – ESTADO DE SÃO PAULO
Distribuição por dependência
Autuação em apenso à Execução
Processo nº ...
MEFISTÓFELES, nacionalidade, estado civil, profissão, portador do RG nº ..., inscrito no CPF nº ..., residente e domiciliado na ..., bairro, cidade, CEP ..., por seu advogado infra-assinado, com escritório na ..., nº ..., bairro, cidade CEP, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, com fundamento nos artigos 736 e seguintes do CPC, opor EMBARGOS À EXECUÇÃO em face de ATACADISTA CENTRAL LTDA., pessoa jurídica de Direito Privado, CNPJ nº ..., com sede na ..., nº ..., bairro, cidade, CEP ..., pelos motivos a seguir aduzidos:
I – DOS FATOS
O EMBARGANTE E Aristides são sócios da Comércio de Alimentos Peloponeso ltda., sociedade empresária cujos atos constitutivos, apesar de assinados, não foram levados a registro na JUCESP (doc. 1).
Aristides é administrador da referida sociedade e negociou junto à embargada gêneros alimentícios no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais). Porém, apesar de a sociedade possuir recursos em caixa para tal, Aristides não honrou o pagamento junto à embargada (doc. 2).
A respectiva duplicada foi sacada pela embargada e está agora sendo executada, acompanhada do comprovante de entrega das mercadorias (docs. 3 e 4). A embargada alega que, em razão de a sociedade Comércio de Alimentos Peloponeso Ltda. ser irregular, a execução foi movida contra os sócios, contra quem também foi sacada a duplicada (doc. 5).
Em (data), o embargante foi citado e teve bens de sua propriedade penhorados (docs. 6 e 7).
Porém, a pretensão da embargada não pode ser acolhida conforme será demonstrado.
II – DO DIREITO
Como os atos constitutivos da sociedade não foram levados a registro na JUCESP, as regras que regulam a sociedade são as aplicáveis a sociedade em comum e, subsidiariamente, as aplicáveis a sociedade simples, conforme art. 986, Código civil.
Nas sociedades em comum, a responsabilidade dos sócios pelas dívidas sociais é subsidiária, devendo primeiro ser excutidos os fundos sociais para responderem pelas obrigações contraídas pela sociedade. É o que dispõe o art. 1.024, CC.
A sociedade possui fundos suficientes para o pagamento da dívida contraída por Aristides em seu nome. Portanto, não há razão para que os bens do embargante respondam por tal obrigação.
Ademais, apenas responde em caráter solidário com a sociedade o sócio que contratou em seu nome, no caso, Aristides, conforme art. 990, CC.
Os presentes embargos à execução deverão ser recebidos no efeito suspensivo nos termos do 739-A, §1º, CPC.
III – DO PEDIDO
Diante do exposto, vem requerer a Vossa Excelência a intimação da embargada para, no prazo de 15 (quinze) dias, apresentar impugnação e ao final requerer a procedência dos presentes embargos à execução desconstituindo-se o título de crédito e tornando-se insubsistente a penhora dos bens pertencentes ao embargante, com a consequente extinção da execução, bem como, condenando-se a embargada ao pagamento de custas e honorários advocatícios.
Protesta provar o alegado por todos os meios em Direito admitidos, em especial depoimento pessoal do representante legal da embargada, documentos e testemunhas.
Dá à causa o valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais).
Termos em que,
Pede deferimento.
Local e data.
Advogado 
OAB/SP nº

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.