A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Jogos de Poder

Pré-visualização | Página 2 de 3

oferece poder aos envolvidos.
 CONTROLE DAS CONTRA ORGANIZAÇÕES
O sindicato desenvolve-se como um modo de vigiar a administração nas indústrias que pertencem a um setor industrial; governo e outras agências reguladoras agem também para eliminar ou prevenir o abuso de poder por parte de um monopólio, etc.
 Simbolismo e administração do significado
Imagens, linguagem, símbolos, histórias, rituais etc. são ferramentas que podem ser usadas na administração do sentido e para delinear relações de poder na vida organizacional.
 
 Administração das relações entre os sexos:
Muitas organizações são dominadas por valores relacionados a um dos sexos e distorcem a vida organizacional a favor de um sexo com relação a outro, a ponto de criar rivalidades entre eles. 
• Enfatiza a natureza pluralista de interesses, conflitos e fontes de poder que retratam a vida organizacional.
→ INTERESSES: ênfase na diversidade do indivíduo e dos grupos de interesse. 
→ CONFLITOS: considera o conflito como uma característica inerente e inevitável das atividades organizacionais.
→ PODER: a organização é vista como uma pluralidade de detentores de poder obtido de uma pluralidade de fontes.
ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PLURALISTAS
• É a principal preocupação da administração de organizações pluralistas.
• Resolver o conflito para que ele traga benefícios para toda a organização ou de maneira que promova os seus interesses próprios dentro da organização.
• O gerente pluralista depara-se com uma escolha de estilos para a administração de conflito.
Administração do conflito
• Impeditivo: 
→ Ignora os conflitos, esperando que desapareçam 	→ Coloca os problemas sob consideração
→ Apela para regras burocráticas
→ Quando uma questão tem pouca importância 
• Negociador: 
→ Discute					→ Encontra soluções satisfatórias ou aceitáveis	
→ Procura entendimentos e compromissos
→ Para chegar a soluções cômodas quando há pressão de tempo.
• Competitivo: 
→ Cria situações claras de ganhar ou perdes		→ Utiliza a rivalidade	
→ Quando existe a necessidade absoluta de uma ação rápida e decisiva
• Acomodador: 
→ Cede					→ Submete-se e obedece
→ Quando a harmonia e estabilidade importam		
• Colaborador: 
→ Confronta as diferenças, compartilhando informações	→ Busca soluções integradoras	
→ Quando os dois conjuntos de princípios são muito importantes
ESTILOS DE ADMINISTRAÇÃO DO CONFLITO
32
1980, fez uma descoberta notável acerca da natureza da cooperação, queria entender o motivo da cooperação emergir numa sociedade tão egoísta, tendo como foco atingir os objetivos pessoais, procurando na organização meios para isso.
COOPERAÇÃO E O PODER NAS ORGANIZAÇÃO
Robert Axelrod, sociólogo americano
Neste livro, Axelrod mostra que o maior problema ocorre quando a busca dos interesses específicos, individuais de cada ator, cria uma sistema que prejudica a todos.
December 5, 2006
Dilema do Prisioneiro
Teoria dos Jogos
Situações estratégicas onde jogadores escolhem diferentes ações na tentativa de melhorar seu retorno 
Matemática aplicada 
1978 –  Albert W. Tucker
1950 - Merrill Flood e Melvin Dresher
 2 Jogadores
Cooperar ou Não Cooperar
Escolha da estratégia individual (Opção de Ação) *Sem saber a do sseu parceiro.
Não há solução correta para o Dilema do Prisioneiro. 
De um ponto de vista puramente de interesse próprio, ou seja aquele que não toma em consideração os interesses do outro prisioneiro, é o racional. Para cada prisioneiro, confessar — e se cada um fizer o que é racional, do ponto de vista do interesse próprio, ficarão ambos na pior situação, ao contrário de escolher a opção que leva em conta a cooperação. O dilema prova que quando cada um de nós, individualmente, escolhe aquilo que é do seu interesse próprio, pode ficar com a pior consequência, do que ficaria se tivesse sido feita uma escolha que fosse do interesse coleivo.
“Olho por olho, dente por dente”
Muitas vezes optar pela não cooperação é uma estratégia que oferece maiores ganhos, principalmente se a interação é de curta duração ou tem duração limitada e fim previsto.
Esse jogo, na verdade, representa de modo simplificado a ação estratégica dos atores sociais na organização. As estratégias ganhadoras são:
• Para manter ganhos constantes e médios, evitar conflitos que não são necessários e, quando o outro coopera, continuar a cooperar também até que o outro jogador adore uma estratégia não-cooperativa
• Responder a uma “não-cooperação” com outra “não-cooperação” a fim de mostrar que não “se deixa explorar” e não criar tal reputação.
• Ter uma estratégica estável e comunica-la claramente, permitindo ao outro adaptar-se à estratégia do adversário/sócio.
ESTRATÉGIAS DE COOPERAÇÃO NO DILEMA DO PRISIONEIRO
Indivíduos Apáticos 
Indivíduos Ativos
ESTUDO DE LEONARD SAYLES
42
Mostrou o inter-relacionamento entre a capacidade de ação estratégica individual e a ação estratégica coletiva. Quatro tipos de lutas coletivas.
APATIA: Poucas revoltas e ausência de líder.
AÇÃO ERRÁTICA: Líder autoritário, muitas revoltas, porém desproporção quanto aos objetivos de luta.
ESTUDO DE LEONARD SAYLES
43
AÇÃO ESTRATÉGICA: Forte capacidade de negociação, menor dependência de um líder.
POSIÇÃO CONSERVADORA: Coesos e fechados defesa de interesses particulares.
ESTUDO DE LEONARD SAYLES
44
CARACTERÍSTICA DOS GRUPOS E LOCAL DE TRABALHO:
Grupos Apáticos;
Grupos Erráticos;
Grupos Estratégicos e Conservadores.
ESTUDO DE LEONARD SAYLES
45
RESULTADOS DO ESTUDOS DE SAYLES:
As diferenças existente entre a condição de trabalho influencia no grau de aprendizagem relacional e inserir em um grupo.
O grau de poder e controle influencia nas atitudes em grupo e sua reação quanto a liderança.
ESTUDO DE LEONARD SAYLES
46
Inevitável na organização
Privacidade e Segredo para fins políticos
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
47
MITO DA RACIONALIDADE ORGANIZACIONAL:
Racional;
Eficiente; 
Eficaz.
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
48
OUTRA FORÇA DA METÁFORA POLíTICA:
Aponta tensões desintegradoras dos diversos conjuntos de interesse sobre o qual as organizações se estrutura.
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
49
METÁFORA POLíTICA
Reconhecimento do ator organizacional e importância das politicas de modelo.
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
50
ORIGEM MAQUIAVÉLICA:
Existe um perigo real de que o seu uso possa gerar cinismo ou seja situações que antes não havia nada começa desconfiança. 
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
51
RESULTADOS DA METÁFORA POLITICA:
Reconhecimento das implicações sociopolíticas dos diferentes tipos de organizações e do papel que desempenham na sociedade.
FORÇAS E LIMITAÇÕES DA METÁFORA POLÍTICA
52
Google Images - https://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi&ei=7ca5U8XMB6XWsQTXu4HQBQ&ved=0CAQQqi4oAg
 MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. 1ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 1996. Pp. 147-203 (“Capítulo 6: Interesses, Conflitos e Poder”) 
MORGAN, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria Geral da Administração. 3ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 2006. Pp. 350-366 (“Capítulo 12: O Poder nas Organizações”)
Referências Bibliográficas:
Obrigada pela atenção!
1 - De acordo com a metáfora política, quais são os três objetivos para organização enfatizar a importância da administração?
Perguntas:
PARTE 1
2 - Cite e explique dois estilos de administração de conflitos que um gerente pluralista pode desempenhar.
3 - Qual é a melhor forma de obter cooperação de diferentes atores sociais na organização?
4 - Quando o conflito aparece?
5 - Qual é a melhor solução para o Dilema do Prisioneiro? Por quê?
6 - Cite três tipos de formas de governo politico nas organizações.
7 - Defina democracia representativa e cite exemplos?
8 - Característica dos grupos erráticos e apáticos e estratégico