A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
CLP2

Pré-visualização | Página 1 de 5

Olá, alunos! 
 
Na nossa segunda aula do curso de nivelamento de Língua Portuguesa, vamos abordar o modo como as 
informações são organizadas em um texto, pois um bom texto, além de outras qualidades fundamentais, 
deve ser claro. Um importante recurso gramatical para facilitar a organização das ideias no texto é a 
pontuação. Os sinais de pontuação são ferramentas úteis na construção do sentido do que se escreve, pois 
facilitam a percepção do leitor em relação ao modo como as informações foram sequenciadas no texto. Ao 
final da aula, também iremos rever as regras de acentuação da nossa língua. 
 
Organizando as ideias em um parágrafo 
 
Antes de rever a utilização dos sinais de pontuação, vale lembrar que um texto em prosa, diferentemente 
dos textos em versos, é organizado em parágrafos. Perceba a diferença entre os textos (1) e (2) reproduzidos 
a seguir: 
 
Texto (1) 
 
Motivo (Cecília Meireles) 
 
 
Eu canto porque o instante existe 
e a minha vida está completa. 
Não sou alegre nem sou triste: 
sou poeta. 
 
 
Irmão das coisas fugidias, 
não sinto gozo nem tormento. 
Atravesso noites e dias 
no vento. 
 
 
Se desmorono ou se edifico, 
se permaneço ou me desfaço, 
— não sei, não sei. Não sei se fico 
ou passo. 
 
 
Sei que canto. E a canção é tudo. 
Tem sangue eterno a asa ritmada. 
E um dia sei que estarei mudo: 
— mais nada. 
 
(Meireles, Cecília. Poesia Completa. Introdução de Walmir Ayala, notícia biográfica e bibliografia de Darcy 
Damasceno. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. 
 
 
 
 
 
 
 
Texto (2) 
 
Tintim - Luis Fernando Veríssimo 
Durante alguns anos, o tintim me intrigou. Tintim por tintim: o que queria dizer aquilo? Imaginei 
que fosse alguma misteriosa medida de outros tempos que sobrevivera ao sistema métrico, como a braça, a 
légua, etc. Outro mistério era o triz. Qual a exata definição de um triz? É uma subdivisão de tempo ou de 
espaço. As coisas deixam de acontecer por um triz, por uma fração de segundo ou de milímetro. Mas que 
fração? O triz talvez correspondesse a meio tintim, ou o tintim a um décimo de triz. Tanto o tintim quanto o 
triz pertenceriam ao obscuro mundo das microcoisas. Há quem diga que não existe uma fração mínima de 
matéria, que tudo pode ser dividido e subdividido. Assim como existe o infinito para fora - isto e, o espaço 
sem fim, depois que o Universo acaba - existiria o infinito para dentro. A menor fração da menor partícula do 
último átomo ainda seria formada por dois trizes, e cada triz por dois tintins, e cada tintim por dois trizes, e 
assim por diante, até a loucura. 
Descobri, finalmente, o que significa tintim. É verdade que, se tivesse me dado o trabalho de olhar 
no dicionário mais cedo, minha ignorância não teria durado tanto. Mas o óbvio, às vezes, e a última coisa que 
nos ocorre. Está no Aurelião. Tintim, vocábulo onomatopaico que evoca o tinido das moedas. Originalmente, 
portanto, "tintim por tintim" indicava um pagamento feito minuciosamente, moeda por moeda. Isso no 
tempo em que as moedas, no Brasil, tiniam, ao contrário de hoje, quando são feitas de papelão e se chocam 
sem ruído. Numa investigação feita hoje da corrupção no país tintim por tintim ficaríamos tinindo sem parar 
e chegaríamos a uma nova concepção de infinito. 
Tintim por tintim. A menina muito dada namoraria sim-sim por sim-sim. O gordo incontrolável 
progrediria pela vida quindim por quindim. O telespectador habitual viveria plim-plim por plim-plim. E você e 
eu vamos ganhando nosso salário tin por tin (olha aí, a inflação já levou dois tins). Resolvido o mistério do 
tintim, que não é uma subdivisão nem de tempo nem de espaço nem de matéria, resta o triz. O Aurelião não 
nos ajuda. "Triz", diz ele, significa por pouco. Sim, mas que pouco? Queremos algarismos, vírgulas, zeros, 
definições para "triz". Substantivo feminino. Popular. "Icterícia." Triz quer dizer icterícia. Ou teremos que 
mudar todas as nossas teorias sobre o Universo ou teremos que mudar de assunto. Acho melhor mudar de 
assunto. O Universo já tem problemas demais. 
(VERISSIMO, Luis Fernando. Comédias para se ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p. 69). 
 
Enquanto o texto (1), o poema “Motivo” de Cecília Meireles, estrutura-se em versos, o texto (2), a crônica 
“Tintim” de Luis Fernando Verissimo, apresenta-se em parágrafos. Um parágrafo é, portanto, uma unidade 
de composição do texto em prosa. Veja a definição de parágrafo proposta por Garcia (2006): 
“É uma unidade de composição constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve 
determinada ideia central ou nuclear, a que se agregam outras, secundárias, intimamente relacionadas pelo 
sentido e logicamente decorrentes dela.” (GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de 
Janeiro: Ed. FGV, 2006.) 
 
Um parágrafo, portanto, apresenta uma ideia central, que será desenvolvida a partir de outras ideias 
secundárias. Desse modo, percebemos que o parágrafo é um importante elemento de organização textual, 
um recurso utilizado pelo produtor do texto escrito para facilitar a compreensão de suas ideias pelo leitor. 
 
 
 
Cabe destacar que esse conceito de parágrafo pode ser atribuído a um tipo de parágrafo considerado 
padrão, que, segundo Garcia (op. cit.), é composto por: 
 
a) Introdução ou tópico frasal. Um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sucinta a 
ideia-núcleo. 
b) Desenvolvimento. Explanação da ideia-núcleo. 
c) Conclusão. Mais rara, principalmente em parágrafos curtos. 
 
Veja um exemplo de um parágrafo-padrão. Nele, o autor, após apresentar sua ideia-núcleo “Há uns 5 mil 
anos um macaco pelado começou a se destacar entre as espécies do Planeta Terra.”, irá desenvolvê-la a 
partir de outras ideias secundárias: 
Há uns 5 mil anos um macaco pelado começou a se destacar entre as espécies do Planeta Terra. Se 
houvesse alguém voando acima da atmosfera naquela época, veria lá do céu as comunidades desses 
primatas aprontando das suas – de tão gigantes que eram as estruturas que esses seres erguiam (pirâmides, 
templos, muralhas) elas podiam ser vistas do espaço. O nome desse macaco é ser humano. E a revolução que 
ele iniciou naquela época tem a ver com a capacidade de juntar grandes quantidades de pessoas para erguer 
obras monumentais. (“A terceira revolução”. Denis Russo Burgierman. Revista Superinteressante. 
09/07/2013. Disponível em http://super.abril.com.br/blogs/mundo-novo/) 
 
Cada parágrafo, portanto, deve conter apenas uma ideia central (ou ideia-núcleo). Desse modo, é possível 
perceber que as ideias expostas fazem sentido, ou seja, há uma relação intrínseca entre essa ideia central e 
as ideias secundárias que compõem o parágrafo. 
 
A frase que contém a ideia principal do parágrafo é chamada de tópico frasal. É essa frase ou período que 
direciona as informações restantes do parágrafo. De um modo geral, o tópico frasal é apresentado logo no 
início do parágrafo. No entanto, há casos em que ele pode ser apresentado apenas do final, como uma 
estratégia para atrair o leitor. Vale lembrar que há diferentes possibilidades de formular o tópico frasal. 
Pode-se usar uma pergunta, uma afirmação, uma citação, uma definição etc. 
 
ATIVIDADE - Que tal construir parágrafos a partir do seguinte tópico frasal? 
 
 
Emagrecer é preciso, principalmente, quando o excesso de peso deixa de ser uma preocupação 
estética e põe em risco a saúde do indivíduo. 
 
Comentário sobre a atividade: Você precisa continuar o parágrafo a partir do tópico frasal apresentado que 
relaciona o ato de emagrecer à saúde. Para isso, você pode mencionar os problemas de saúde causados pelo 
excesso de peso. 
 
 
Como o tópico frasal marca uma organização do assunto, um bom recurso é utilizá-lo em todos os parágrafos 
de seu texto. Na escrita, outro recurso importante que merece a nossa atenção é a utilização dos sinais