A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
agentes antimicrobianos e resistência sem jogo

Pré-visualização | Página 2 de 2

1- Indiferença.
2- Adição.
3- Sinergismo.
a) Bloqueio seqüencial de uma via metabólica. Ex: sulfonamidas
e trimetoprim.
b) Um fármaco pode afetar a membrana celular e facilitar a 
penetração do segundo fármaco. Ex: Anfotericina mostra-se 
sinérgica com a flucitosina contra certos fungos.
c) Um fármaco pode impedir a inativação do segundo fármaco 
por enzimas microbianas. Ex: Inibidores de β-lactamase em 
conjunto com antibióticos β-lactâmicos.
4- Antagonismo.
Ex: Cloranfenicol e penicilina.
MECANISMOS DE RESISTÊNCIA
• Tipos de resistência:
1- Mediada pelo ambiente:
2- Resistência intrínseca ou inata:
3- Resistência adquirida: Os testes de resistência a antimicrobianos 
são realizados, basicamente, por causa deste tipo de resistência.
• Bactérias com fenótipo de multirresistência:
– Resistência cruzada entre antibióticos.
– Resistência cruzada entre antibióticos e desinfetantes.
– MRSA: Staphylococcus aureus meticilina-resistente. Sintetiza 
PBPs de baixa afinidade. Não respondem bem ao tratamento com 
nenhum antibiótico β-lactâmico.
– Resistência intrínseca de Pseudomonas aeruginosa a vários 
agentes antimicrobianos parece ser devida a um sistema de efluxo
pouco específico.
– Plasmídeos R (fatores R): plasmídeos conjugativos que conferem 
resistência múltipla a antimicrobianos.
Testes para avaliação da susceptibilidade de microrganismos a 
antimicrobianos
•Método de disco-difusão (Kirby-Bauer)
•Obtenção da concentração mínima inibitória e concentração mínima microbicida
Método de disco-difusão (Kirby-Bauer)
Antibiograma
Concentração mínima inibitória (MIC) e bactericida (MBC)
Concentração mínima inibitória e microbicida
tubos
microplaca