A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
Roteiro de Estudo

Pré-visualização | Página 2 de 12

no entanto, as configurações organizacionais de grande porte, multinacionais e 
altamente diversificadas de hoje que exigem métodos de cortesia proporcionando mais amplitude e 
flexibilidade. Esse artigo discute particularmente três abordagens promissoras (grupos de discussão interativos, 
auto-relatos e pesquisas guiadas pelo praticante) que se encaixam os paradigmas de pesquisa cada vez mais 
díspares agora sendo usados para compreender estratégias e outras questões de gestão. Cada uma dessas 
abordagens é baseada na ideia de que pesquisas na área de elaboração de estratégias não podem avançar 
significativamente sem reconceituar frequentemente as suposições tomadas como certas sobre a maneira de 
fazer pesquisa e a forma como nos envolvemos com os participantes da organização. O documento centra-se 
em particular sobre a importância de trabalhar com os membros da organização como parceiros de pesquisa, em 
vez de informantes passivos. 
 
Critérios para seleção de métodos de pesquisa sobre a elaboração da estratégia – strategizing research: 
1. Fornece evidências/dados que são ao mesmo tempo amplos e profundos porque isso é: contextual, 
longitudinal, facilita a comparação entre locais, podem ser coletadas em vários níveis organizacionais. 
2. Esclarece total empenho e vontade de informantes porque isso é: interessante o suficiente para envolver o 
comprometimento organizacional, agradável o suficiente para sustentar o compromisso ao longo do tempo. 
3. Faz o uso mais eficaz do tempo do pesquisador porque isso: coleta, organiza, analisa grandes e variadas 
quantidades de provas. 
4. Ancora a maioria das perguntas que estão sendo feitas em realidades organizacionais porque isso: é sensível 
a várias definições de temas críticos, aborda os problemas de interesse e relevância, envolve colaboradores 
baseados organizacionalmente. 
5. Vai além de feedback de pesquisa com sede de: contribuir para as necessidades da organização, fornecer 
informantes com ideias pessoalmente úteis, informar o conteúdo de maior colaboração. 
 
Novos métodos para pesquisa sobre a elaboração da estratégia (mecanismos de coleta de dados): 
Strategizing muitas vezes ocorre em "comunidades de prática", cuja atividade e conhecimento são mais 
bem vistos como uma propriedade do grupo e suas interações do que um fenômeno individual. A lógica da 
construção da estratégia requer que nós reconsideremos nossas identidades básicas como pesquisadores. 
 
• Grupos de Discussão Interativos: entrevista de grupo (coleta e codificação do conhecimento disperso 
dos membros do grupo); formato de grupo de encontro (indivíduos em formato experiencial são 
encorajados a construir ou reconstruir cognições - atitudes, crenças, valores, emoções - que são 
normalmente reprimidos). 
Em grupos de discussão, a interação dentro do grupo é usada para gerar dados em oposição a interação 
entre pesquisador e participante. Discussão em grupo permite que os participantes a explorem o que eles 
acham que é pertinente e gerem insights fundamentados em seus entendimentos e compreensões, e não 
nos dos pesquisadores. Com um controle do moderador/grupo e de boa vontade por parte dos 
participantes, os grupos podem tornar-se um importante meio de coleta de dados. 
- Tipos de grupos interativos de discussão: uma forma simples, relativamente estruturada de discussão 
facilitada é a técnica de grupo nominal (as regras de participação são projetados para maximizar as 
entradas dos indivíduos e limitar os potenciais problemas de discussão em grupo (incluindo o 
diferimento aos membros de status elevado, a dominação pelos mais opinativos e foco em subtemas 
tangenciais). A coleta de dados se concentra em uma pergunta específica, colocada no início. As 
contribuições são recolhidas em round-robin, seguido de votação anônima. Tabulação sugere áreas de 
concordância. Esclarecimento ou elaboração podem ser alcançados em sucessivas rodadas de discussão 
e votação); A forma mais conhecida de discussão facilitada é dos grupos focais menos estruturados que 
muitas vezes são usados para descobrir pontos de vista pessoais e experiências. O projeto foi concebido 
para construir relacionamento entre os participantes e pesquisadores ao longo do tempo, levando a uma 
discussão mais livre; Grupo de mapeamento é o terceiro exemplo de discussão em grupo, que é o mais 
utilizado na pesquisa em estratégia. Nesses grupos, a discussão é estruturada utilizando uma das várias 
técnicas de mapeamento cognitivas diferentes. Ideias, opiniões e crenças do indivíduo são representados 
como itens discretos, muitas vezes usando post-its em um gráfico de parede, ou caixas de dados em um 
software de mapeamento. A vantagem de um grupo de mapeamento é a possibilidade de se mover a 
partir de mapas individuais para os mapas agregados, capturando no processo dados mais complexos. 
 
• Métodos de auto relato (fornecimento de dados sem a presença do pesquisador): este mecanismo de 
coleta abrange os questionários estruturados e os diários não-estruturados em que os inquiridos 
escolhem os seus próprios tópicos de feedback. Diários podem ser pensados questionários altamente não 
estruturados, pois são mais pessoais. Eles são documentos que potencialmente permitem o pesquisador 
ganhar uma visão íntima das organizações, relações e eventos, a partir da perspectiva de alguém que 
tenha os experimentado. 
- Existem três tipos de diários: história de vida (captura reflexões de um indivíduo sobre a vida e as 
experiências e como ele se sente sobre as coisas que ele percebeu e faz, ou fez); memórias (tende a ser 
mais impessoal, e pode ser útil para gravação de observações de outros); diário de bordo (é adequado 
para rastreamento da percepção dos participantes da pesquisa sobre a sua organização e eventos. É útil 
para entender coisas como redes de contatos e até mesmo um diário de mesa ou calendário pode ser uma 
fonte útil de dados). 
 
• Praticante pesquisador (informantes que pesquisam as suas próprias práticas): Uma pesquisa feita 
por esses profissionais pode ser colocada em um continuum desde aprendizagem relativamente 
informal por indivíduos ou grupos, sem saídas formais até projetos individuais e em grupo relatados 
em publicação formal. 
- Tipos de praticantes de pesquisa: fórum de planejamento, fórum de aprendizagem e fórum de 
reflexão formados por grupos que discutem questões de dentro de suas organizações, procurando 
soluções; Pesquisa avaliativa, move-se a avaliação a partir de uma orientação do produto para uma 
avaliação mais holística, integradora de um indivíduo, grupo ou organização; Projetos de pesquisa 
individuais destacam-se como uma forma separada de investigação de interesse para investigadores em 
micro processos organizacionais de elaboração de estratégias, porque eles podem gerar publicações e 
relatórios de pesquisa disponíveis publicamente. 
 
 
 
 
 
ERNANI SARAIVA & CARRIERI (A Construção de Estratégias Corporativas sob a Perspectiva Não 
Determinística) 
Os estudos sobre estratégia no Brasil apresentam um viés marcantemente determinístico. Com o propósito de 
contribuir para esses estudos, com uma ótica normativa e não determinística, este artigo descreve o movimento 
estratégico de uma organização do setor de telefonia fixa que decidiu entrar no setor de telefonia móvel. Adotando-
se como referencial teórico a concepção de estratégia como uma realidade construída de forma interativa e 
contextual, optou-se por uma pesquisa qualitativa para atingir o propósito da investigação, por meio da análise de 
conteúdos discursivos. Os resultados dessa pesquisa mostram que a perspectiva da estratégia numa organização 
evolui e ganha complexidade, sem perder a característica processual. Essa característica, por sua vez, reforça a 
necessidade de se investir em estudos interpretativos de estratégia com vistas a aperfeiçoar seu conceito antes da 
construção de