A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
81 pág.
Logística - Textos II

Pré-visualização | Página 2 de 43

perfumaria	
  e	
  cosméticos,	
  e	
  afins.	
  
A	
   Associação	
   Brasileira	
   de	
   Indústria	
   Elétrica	
   e	
   Eletrônica	
   (Abinee)	
   desde	
   2008	
   discute	
   um	
  
modelo	
  de	
  logística	
  reversa,	
  com	
  participação	
  efetiva	
  de	
  um	
  operador	
  logístico,	
  para	
  pilhas	
  
e	
  baterias.	
  	
  Em	
  2011	
  o	
  plano	
  foi	
  colocado	
  na	
  prática,	
  com	
  5	
  mil	
  pontos	
  de	
  recolhimento	
  em	
  
todo	
  o	
  Brasil,	
  com	
  meta	
  de	
  chegar	
  a	
  6	
  mil	
  no	
  final	
  do	
  ano.	
  
O	
   Sindicato	
   Nacional	
   das	
   Empresas	
   Distribuidoras	
   de	
   Combustíveis	
   e	
   de	
   Lubrificantes	
  	
  
(Sindicom)	
   possui	
   2.929	
   pontos	
   de	
   recolhimento	
   (postos	
   de	
   gasolina	
   e	
   lojas	
   de	
   troca	
   de	
  
óleo)	
   espalhados	
   por	
   1.296	
  municípios	
   em	
   SC,	
   PR,	
   SP,	
   RJ.	
   As	
   embalagens	
   devolvidas	
   são	
  
acondicionadas	
  em	
  sacos,	
  posteriormente	
  pesados,	
  e	
  as	
   informações	
  armazenadas	
  em	
  um	
  
sistema	
  –	
  sabendo	
  o	
  peso,	
  dia	
  e	
  local	
  da	
  coleta.	
  Envia-­‐se	
  o	
  material	
  recolhido	
  para	
  uma	
  das	
  
13	
   centrais	
   de	
   recebimento,	
   onde	
   há	
   uma	
   última	
   seleção	
   de	
   resíduos	
   para	
   que	
   as	
  
emabalagens	
   sejam	
   separadas	
   por	
   cor,	
   prensadas,	
   colocadas	
   em	
   fardos	
   e	
   encaminhadas	
  
para	
  empresas	
  recicladoras	
  de	
  plásticos.	
  
O	
   Instituto	
   Nacional	
   de	
   Processamento	
   de	
   Embalagens	
   Vazias	
   (Inpev)	
   faz,	
   há	
  mais	
   de	
   10	
  
anos,	
  a	
  logística	
  reversa	
  das	
  embalagens	
  de	
  agrotóxicos	
  vazias.	
  Nesse	
  segmento,	
  segundo	
  a	
  
lei	
  9.974/2002,	
  o	
  usuário	
  final	
   (agricultor)	
  deve	
   lavar	
  e	
  devolver	
  as	
  embalagens	
  e	
   inutilizá-­‐
las;	
   os	
   revendedores	
   devem	
   informar	
   na	
   nota	
   fiscal	
   de	
   venda	
   o	
   local	
   onde	
   a	
   embalagem	
  
deve	
  ser	
  devolvida,	
  disponibilizar	
  o	
  local	
  e	
  orientar	
  o	
  agricultor	
  a	
  como	
  fazer	
  este	
  retorno.	
  A	
  
indústria	
   fabricante	
   do	
   produto	
   é	
   responsável	
   por	
   toda	
   a	
   logística	
   de	
   transporte	
   e	
   pela	
  
destinação	
   final	
   ambientalmente	
   adequada.	
   A	
   logística	
   reversa	
   é	
   realizada	
   por	
   uma	
  
empresa,	
  acompanhada	
   internamente	
  e	
  as	
  despesas	
  pagas	
   integralmente	
  pelo	
   Instituto.	
  É	
  
feito	
   um	
   rateio	
   com	
   base	
   na	
   quantidade	
   de	
   embalagens	
   comercializadas,	
   o	
   tipo	
   de	
  
embalagens	
  (material,	
  peso)	
  e	
  o	
  local	
  de	
  comercialização.	
  	
  Em	
  2011,	
  foram	
  investidos	
  R$53	
  
milhões	
  nas	
  operações.	
  A	
  operação	
  é	
  otimizada,	
  o	
  mesmo	
  caminhão	
  que	
  leva	
  a	
  embalagem	
  
cheia	
  para	
  o	
  comerciante,	
  na	
  volta	
  é	
  roteirizado	
  para	
  passar	
  em	
  uma	
  das	
  centrais	
  e	
  trazer	
  a	
  
embalagem	
   vazia	
   para	
   o	
   destino	
   final.	
   Em	
   locais	
   que	
   o	
   volume	
   recebido	
   não	
   justifica	
   a	
  
montagem	
  de	
  um	
  ponto	
  de	
  recebimento,	
  marcam	
  dia,	
  local,	
  comunicam	
  o	
  mercado	
  e	
  uma	
  
equipe	
  do	
  Inpev	
  efetua	
  a	
  coleta.	
  
A	
  Associação	
  Brasileira	
  das	
  Indústrias	
  de	
  Produtos	
  de	
  Limpeza	
  e	
  Afins	
  (Abipla),	
  juntamente	
  
com	
   a	
   Associação	
   Brasileira	
   da	
   indústria	
   de	
   Higiene	
   Pessoal,	
   Perfumaria	
   e	
   Cosméticos	
  
(Abihpec)	
   trabalham	
   em	
   responsabilidade	
   compartilhada,	
   inicialmente	
   conscientizando	
   a	
  
população	
   e	
   identificando	
   e	
   capacitando,	
   tanto	
   gerencialmente	
   quanto	
   em	
   termos	
   de	
  
equipamentos,	
   as	
   cooperativas	
   que	
   iriam	
   receber	
   as	
   embalagens.	
   A	
   população	
   separa	
   as	
  
embalagens	
  e	
  o	
  município	
  faz	
  a	
  coleta	
  seletiva.	
  Ocorre	
  em	
  SC,	
  RJ	
  e	
  PR.	
  A	
  meta	
  da	
  Abipla	
  é	
  
tornar	
  as	
  cooperativas	
  auto-­‐sustentáveis,	
  capacitando-­‐as.	
  
O	
  setor	
  de	
  construção	
  civil	
  trabalha	
  com	
  a	
  correta	
  destinação	
  dos	
  resíduos	
  de	
  construção.	
  
Em	
  2002,	
   teve	
   a	
   concepção	
   da	
   resolução	
   Conama	
  307.	
   A	
   gestão	
   dos	
   resíduos	
   reduz	
   (não	
  
eleva)	
   o	
   custo	
   para	
   as	
   obras.	
   O	
   Sindicato	
   da	
   Construção	
   de	
   SP	
   publicou	
   um	
   manual	
   de	
  
melhores	
   práticas,	
   distribuiu	
   a	
   seus	
   associados	
   e	
   trabalha	
   junto	
   aos	
   fornecedores	
   de	
  
materiais	
   a	
   fim	
   de	
   explicar	
   de	
   que	
   forma	
   o	
   gerenciamento	
   de	
   cada	
   resíduo	
   deveria	
   ser	
  
realizado.	
   Somente	
   25%	
   do	
   resíduo	
   gerado	
   pelo	
   setor	
   de	
   material	
   de	
   construção	
   é	
   das	
  
construtoras,	
   o	
   restante	
   é	
   gerado	
   por	
   pequenas	
   obras,	
   realizadas	
   basicamente	
   em	
  
residências.	
  
	
  
	
  
	
  
Entrevista	
  –	
  Custo	
  ou	
  Oportunidade?	
  
	
  
A	
   logística	
   reversa	
  ganhou	
  novo	
   impulso	
  após	
  a	
  promulgação	
  da	
  PNRS.	
  Mas	
   também	
  tem	
  
crescido	
  muito	
  o	
  segmento	
  de	
  produtos	
  que	
  retornam	
  sem	
  terem	
  sido	
  utilizados	
  –	
  que	
  é	
  a	
  
logística	
  reversa	
  de	
  pós-­‐vendas	
  –,	
  seja	
  do	
  que	
  retorna	
  via	
  comércio	
  eletrônico,	
  assistência	
  
técnica	
  ou	
  outros	
  canais.	
  
A	
  organização	
  da	
  logística	
  reversa	
  no	
  Brasil	
  ainda	
  está	
  engatinhando.	
  Os	
  processos	
  ainda	
  são	
  
muito	
   embrionários,	
   sem	
   a	
   eficiência	
   necessária	
   para	
   capturar	
   as	
   oportunidades	
   e	
   a	
  
lucratividade	
  potencial	
  da	
  logística	
  reversa.	
  
Quando	
  o	
  setor	
  retorna	
  10%,	
  15%	
  dos	
  produtos	
  que	
  vão	
  ao	
  mercado,	
  se	
  conseguir	
  reduzir	
  
isto	
  em	
  2%	
  já	
  estará	
  lucrando.	
  Hoje,	
  as	
  margens	
  são	
  bastante	
  estreitas	
  e	
  uma	
  economia	
  de	
  
2%	
   é	
   considerável.	
   Gradativamente	
   a	
   visão	
   da	
   logística	
   reversa	
   como	
   custo,	
   e	
   não	
   como	
  
oportunidade,	
  irá	
  mudar.	
  	
  
A	
  PNRS	
  acendeu	
  uma	
  luz	
  sobre	
  o	
  pós-­‐consumo.	
  As	
  empresas	
  estão	
  se	
  mexendo	
  e	
  fazendo	
  
acordos	
  setoriais.	
  
No	
   caso	
   do	
   pós-­‐vendas,	
   as	
   empresas	
   estão	
   mais	
   acostumadas	
   porque	
   já	
   tinham	
   um	
  
esquema,	
  bom	
  ou	
  ruim,	
  para	
  a	
  retirada	
  de	
  seus	
  produtos	
  devolvidos.	
  Elas	
  têm	
  isso	
  na	
  sua	
  
estratégia	
   e	
   começam	
   a	
   perceber	
   que	
   o	
   que	
   chamam	
   de	
   custo	
   pode	
   realmente	
   ser	
   um	
  
investimento