A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
81 pág.
Logística - Textos II

Pré-visualização | Página 37 de 43

por	
   fornecedores	
   para	
  
produtos	
  de	
  eletrodoméstico.	
  
2. Integração	
   para	
   fornecimento	
   “caixa-­‐branca”:	
   O	
   fornecedor	
   é	
   trazido	
   à	
   empresa	
  
como	
  consultor,	
  de	
  forma	
  pontual	
  e	
  informal.	
  
3. Integração	
   para	
   fornecimento	
   “caixa-­‐cinza”:	
   O	
   fornecedor	
   é	
   trazido	
   à	
   empresa	
   de	
  
uma	
   maneira	
   mais	
   formal,	
   com	
   atividades	
   conjuntas	
   entre	
   seus	
   engenheiros	
   de	
  
projeto	
  e	
  aqueles	
  da	
  empresa.	
  Ex.:	
  fornecedores	
  de	
  tecidos	
  
4. Integração	
   para	
   fornecimento	
   “caixa-­‐preta”:	
   Nível	
   máximo	
   de	
   integração.	
   O	
  
fornecedor	
   ganha	
   formalmente	
   o	
   poder	
   de	
   projetar	
   completamente	
   o	
   seu	
  
componente	
   segundo	
   especificações	
   funcionais	
   de	
   desempenho	
   dadas	
   pela	
  
empresa.	
  
	
  
Caso	
  para	
  Estudo:	
  Consórcio	
  Modular	
  da	
  Volkswagen	
  Resende	
  
O	
  Consórcio	
  Modular	
  de	
  Resende	
  foi	
  construído	
  numa	
  lógica	
  segundo	
  a	
  qual	
  a	
  VW	
  decidiu	
  
terceirizar	
   a	
   manufatura	
   de	
   todas	
   as	
   partes	
   de	
   seus	
   caminhões.	
   Decidiu	
   manter	
  
internamente	
  apenas	
  as	
  atividades	
  de	
  coordenação	
  (compras,	
  planejamento,	
  programação	
  
e	
   controle	
   de	
   produção	
   de	
   materiais),	
   marca,	
   controle	
   de	
   qualidade	
   do	
   produto	
   final	
   e	
  
engenharia	
   para	
   configuração	
   dos	
   ônibus	
   e	
   caminhões	
   produzidos,	
   além	
   do	
   marketing,	
  
distribuição	
  e	
  serviço	
  pós-­‐venda.	
  
Projetistas	
  dividiram	
  o	
  produto	
  em	
  (grandes)	
  submontagens	
  ou	
  conjuntos	
  de	
  componentes	
  
(módulos)	
   cujo	
   fornecimento	
   seria	
   inteiramente	
   terceirizado	
   (consórcios	
   modulares).	
   Os	
  
fornecedores	
  teriam	
  ainda	
  a	
  responsabilidade	
  adicional	
  de	
  montar	
  os	
  módulos	
  diretamente	
  
na	
  linha	
  de	
  montagem	
  da	
  VW.	
  	
  
Algumas	
   vantagens:	
   comprometimento	
   dos	
   fornecedores	
   com	
   o	
   sucesso	
   do	
   conjunto	
   (já	
  
que	
  são	
  remunerados	
  quando	
  o	
  produto	
  é	
  aprovado	
  e	
  funcionalmente	
  aceito),	
  prioridade	
  a	
  
cada	
  módulo	
  de	
  resolver	
  algum	
  problema	
  junto	
  a	
  casa,	
  	
  qualidade	
  de	
  montagem	
  melhorada	
  
(pois	
   é	
   feita	
   pelo	
   fornecedor	
   do	
   módulo),	
   melhora	
   rápida	
   nos	
   níveis	
   de	
   produtividade	
   e	
  
qualidade,	
  aprendizado	
  aumentado	
  pela	
  presença	
  de	
  diferentes	
  empresas	
  no	
  mesmo	
  teto,	
  
prazos	
   de	
   desenvolvimento	
   e	
   lançamento	
   de	
   novos	
   produtos	
   encurtados,	
   para	
   alguns	
  
modulistas	
   há	
   garantia	
   de	
   fornecimento,	
   estruturas	
   menores	
   e	
   descentralizadas,	
  
aprendizado	
   organizacional	
   em	
   negociação,	
   possibilidade	
   de	
   presença	
   física	
   de	
  
fornecedores.	
  
Algumas	
   desvantagens:	
   negociação	
   salarial	
   nivelada,	
   assuntos	
   abordados	
   tem	
   que	
   passar	
  
pela	
  concordância	
  dos	
  parceiros	
  do	
  módulo,	
  questões	
  e	
  ações	
  trabalhistas,	
  risco	
  estratégico	
  
de	
   haver	
   evoluções	
   em	
   módulos,	
   mas	
   que	
   por	
   ventura	
   não	
   sejam	
   acompanhadas	
   pelo	
  
parceiro	
  correspondente.	
  	
  
	
  
REMANUFATURA	
  DE	
  MOTORES	
  (5	
  páginas)	
  
	
  
O	
   texto	
   fala	
   da	
   empresa	
   Cummins,	
   que	
   está	
   instalada	
   em	
   Guarulhos	
   (SP)	
   desde	
   1974	
   e	
  
fabrica	
  motores,	
   sistemas	
  de	
   filtragem,	
   sistemas	
  de	
  emissões,	
   turbos	
  e	
   grupos	
   geradores.	
  
Ela	
  já	
  trabalha	
  com	
  remanufatura	
  há	
  21	
  anos	
  no	
  Brasil,	
  mas	
  só	
  recentemente	
  percebeu	
  seu	
  
potencial	
   e	
   vem	
   investimento	
   pesado	
   neste	
   lucrativo	
   negócio.	
   Seu	
   principal	
   produto	
  
remanufaturado	
  são	
  motores	
  a	
  diesel.	
  
O	
  processo	
  de	
  remanufatura	
  gera	
  benefícios	
  ambientais,	
  sociais	
  e	
  econômicos.	
  As	
  vantagens	
  
ambientais	
  são	
  enormes,	
  reduz-­‐se	
  cerca	
  de	
  60%	
  o	
  consumo	
  de	
  energia,	
  99%	
  do	
  de	
  água	
  e	
  
gera-­‐se	
  90%	
  menos	
  resíduos.	
  No	
  quesito	
  social,	
  o	
  setor	
  emprega	
  cerca	
  de	
  480	
  mil	
  pessoas	
  
no	
  mundo.	
  Em	
  relação	
  a	
  questão	
  econômica,	
  os	
  motores	
  remanufaturados	
  custam	
  cerca	
  de	
  
40%	
  menos	
  que	
  um	
  novo.	
  Além	
  disso,	
  o	
  cliente	
  consegue	
  trocar	
  o	
  motor	
  rapidamente	
  e	
  tem	
  
1	
  ano	
  de	
  garantia	
  (como	
  o	
  novo).	
  
No	
   Brasil,	
   ainda	
   há	
   uma	
   grande	
   resistência	
   cultural	
   em	
   relação	
   ao	
   consumo	
   de	
   produtos	
  
remanufaturados.	
   Nos	
   EUA,	
   a	
   proporção	
   do	
   consumo	
   de	
   peças	
   remanufaturadas	
   e	
   peças	
  
novas	
   é	
   cerca	
   de	
   50%,	
   nos	
   países	
   desenvolvidos	
   é	
   25%	
   e	
   no	
   Brasil	
   é	
   14%.	
   Esse	
   baixo	
  
percentual	
   deve-­‐se,	
   dentre	
   outros	
   fatores,	
   à	
   imagem	
   passada	
   negativa	
   de	
   produtos	
  
remanufaturados	
  importados	
  como	
  pneus).	
  
A	
   empresa	
   acredita	
   que	
   é	
   possível	
   aumentar	
   o	
   percentual	
   do	
   mercado	
   brasileiro.	
   Neste	
  
sentindo,	
   a	
   Associação	
   Nacional	
   dos	
   Remanufaturados	
   (Anrap),	
   criada	
   em	
   1994,	
   vem	
  
trabalhando	
   em	
   3	
   principais	
   pilares:	
   comunicação	
   ao	
   mercado	
   (divulgando	
   principais	
  
vantagens	
   da	
   remanufatura),	
   ações	
   junto	
   ao	
   governo	
   (visando	
   os	
   aspectos	
   de	
  
regulamentação	
  e	
  fiscal)	
  e	
  logística	
  reversa.	
  
A	
   legislação	
   brasileira	
   é	
   uma	
   grande	
   barreira:	
   ela	
   impede	
   entrada	
   de	
   motores	
   e	
   demais	
  
autopeças	
   usadas	
   no	
   mercado	
   nacional,	
   como	
   uma	
   medida	
   de	
   proteção.	
   Na	
   Índia,	
   a	
  
empresa	
   enfrentou	
   o	
   mesmo	
   problema,	
   mas	
   através	
   da	
   construção	
   de	
   uma	
   unidade	
  
exclusiva	
  para	
  remanufatura	
  das	
  peças	
  advindas	
  do	
  mercado	
  externo,	
  conseguiu	
  convencer	
  
o	
  governo	
  de	
  que	
  a	
  atividade	
  seria	
  benéfica	
  para	
  o	
  país,	
  por	
   isso	
  acredita	
  que	
  pode	
   fazer	
  
isso	
  no	
  Brasil	
  também.	
  	
  
Outro	
  problema	
  é	
  a	
   legislação	
  tributária.	
  Na	
  operação	
  de	
  troca,	
  os	
   impostos	
  são	
  cobrados	
  
de	
   forma	
   “duplicada”,	
   como	
   se	
  houvesse	
  duas	
  operações	
  de	
   venda,	
  o	
  que	
  onera	
  muito	
  a	
  
atividade.	
  
A	
   obrigatoriedade	
   da	
   numeração	
   dos	
  motores	
   veiculares,	
   que	
   só	
   pode	
   ser	
  mudada	
   pelos	
  
Detran’s,	
   também	
   é	
   um