A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
DIR. PROC. PENAL II

Pré-visualização | Página 2 de 8

e, a seguir, o acusado poderão requerer diligências cuja necessidade se origine de circunstâncias ou fatos apurados na instrução.”
Debate
A regra é debate oral, porém o juiz poderá conceder prazo para as partes apresentarem memoriais (alegações finais escritas).
“Art. 403. (...)
 § 2o  Ao assistente do Ministério Público, após a manifestação desse, serão concedidos 10 (dez) minutos, prorrogando-se por igual período o tempo de manifestação da defesa.
§ 3o  O juiz poderá, considerada a complexidade do caso ou o número de acusados, conceder às partes o prazo de 5 (cinco) dias sucessivamente para a apresentação de memoriais. Nesse caso, terá o prazo de 10 (dez) dias para proferir a sentença.”
 “Art. 476.  Encerrada a instrução, será concedida a palavra ao Ministério Público, que fará a acusação, nos limites da pronúncia ou das decisões posteriores que julgaram admissível a acusação, sustentando, se for o caso, a existência de circunstância agravante.”
Rito Sumário (art. 531 – 538)
Crimes cuja pena máxima é menor que quatro anos e a pena mínima é maior do que dois anos.
1º Denúncia ou Queixa
2º Recebe ou Rejeita (art. 395)
3º Resposta Acusação (art. 396)
4º Possibilidade de Absolvição Sumária (art. 397)
5º Audiência de Instrução e Julgamento: realizada no prazo de 30 dias.
	- Vítima
	- TA
	- TD
	- Peritos – Acareações
	- NÃO TEM DILIGÊNCIAS art. 402.
	- Interrogatório
	- Debate
	- Sentença
CINCO TESTEMUNHAS. -> art. 532
Rito Especial – Dos Crimes de Responsabilidade Funcional (art. 513 – art. 518)
Crimes previstos nos artigos 312 à 327 do Código Penal (Título XI, Capítulo I).
Ordinarização: o rito a ser seguido é o ordinário.
ou
Duplicidade: Denúncia ou Queixa – Notifica – Resposta (art. 514) – Recebe ou Rejeita – Recebendo, segue o rito ordinário - Cita/Resposta (art. 396) – Absolvição Sumária (sim ou não) – AIJ
Súmula 330 STJ: perdeu a eficácia à luz da nova redação do art. 396 CPC.
Rito Especial – Dos Crimes contra a Honra (art. 519 – art. 523)
Injúria, Calúnia e, por entendimento pacífico, Difamação.
Competência do JECRIM, porém, se houver concurso de crimes cuja pena máxima excede a competência do JECRIM utiliza-se o rito especial.
Denúncia ou Queixa – Audiência de Reconciliação apenas quando ação privada (pois a ação penal pública é indisponível) – Recebe ou Receita – Resposta Acusação – Absolvição Sumária – AIJ
“Art. 520.  Antes de receber a queixa, o juiz oferecerá às partes oportunidade para se reconciliarem, fazendo-as comparecer em juízo e ouvindo-as, separadamente, sem a presença dos seus advogados, não se lavrando termo.”
Hoje, à luz da CF, essa audiência é feita com a presença dos advogados das partes (interpretar conforme a CF).
“Súmula 714 STF: É concorrente a legitimidade do ofendido, mediante queixa, e do Ministério Público, condicionada à representação do ofendido, para a ação penal por crime contra a honra de servidor público em razão do exercício de suas funções.”
Portanto, pode ser Ação Penal Privada ou Ação Penal Pública Condicionada à Representação.
“Art. 523.  Quando for oferecida a exceção da verdade ou da notoriedade do fato imputado, o querelante poderá contestar a exceção no prazo de dois dias, podendo ser inquiridas as testemunhas arroladas na queixa, ou outras indicadas naquele prazo, em substituição às primeiras, ou para completar o máximo legal.”
Exceção da verdade: apenas nos casos de calúnia e difamação.
Cabe pedido de explicações (por escrito) ANTES de entrar com a queixa (prazo de 6 meses)-> art. 144 CP.
Rito Especial – Lei de Tóxicos (Lei nº 11.343/06)
Três correntes:
a) A partir da Lei de Tóxicos -> Denúncia – Defesa Prévia – Recebe ou Rejeita - AIJ (Interrogatório, TA, TD, Debate e Sentença).
b) A partir da reforma de 2008 (vide art. 394, § 5º CPP) -> rito da lei de tóxicos – admite absolvição sumária – interrogatório no final.
c) Segue o rito ordinário.
Mais usados -> B e C.
	Dependendo do tipo penal, pode ser de competência do JECRIM. Artigos -> art. 28, p. único, art. 33, §3º e art. 38.
A lei de tóxicos exige laudo de constatação provisória feito por perito para receber a denúncia ou decretar a prisão. Porém, para a condenação o laudo necessário é o definitivo (materialidade demonstrada).
Quando ocorre transnacionalidade é necessário PROVAR a internacionalidade para ser de competência da Justiça Federal, se não provar, compete a Justiça Estadual.
Art. 243, CF/88.
“Art. 243 - As glebas de qualquer região do País onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas serão imediatamente expropriadas e especificamente destinadas ao assentamento de colonos, para o cultivo de produtos alimentícios e medicamentosos, sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei.
Parágrafo único - Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins será confiscado e reverterá em benefício de instituições e pessoal especializados no tratamento e recuperação de viciados e no aparelhamento e custeio de atividades de fiscalização, controle, prevenção e repressão do crime de tráfico dessas substâncias.”
JECRIM – Rito do Juizado Especial Criminal (a partir do art. 60 da Lei nº 9.099/95)
Infração de menor potencial ofensivo ou lesivo: pena máxima igual ou menor que 02 anos.
“Art. 61.  Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não com multa.”
Sistema de Justiça Negociada: vantagens e desvantagens.
Nos casos de concurso material, crime continuado ou concurso formal:
Corrente Majoritária nos Tribunais: aplica-se, por analogia, as súmulas 243 STJ e 723 STF.
“Súm. 243 STJ: O benefício da suspensão do processo não é aplicável em relação às infrações penais cometidas em concurso material, concurso formal ou continuidade delitiva, quando a pena mínima cominada, seja pelo somatório, seja pela incidência da majorante, ultrapassar o limite de um (01) ano.”
“Súm. 723 STF: Não se admite a suspensão condicional do processo por crime continuado, se a soma da pena mínima da infração mais grave com o aumento mínimo de um sexto for superior a um ano.”
Corrente Majoritária na Doutrina: avaliar os crimes de forma ISOLADA. Entra por analogia, no art. 60, p único.
“Art. 60. Parágrafo único. Na reunião de processos, perante o juízo comum ou o tribunal do júri, decorrentes da aplicação das regras de conexão e continência, observar-se-ão os institutos da transação penal e da composição dos danos civis.”
Rito Sumaríssimo: 
TC -> Audiência Preliminar (espaço de consenso – apenas na ação penal privada ou ação penal pública condicionada: tentativa de conciliação, composição dos danos civis ou transação penal) -> Caso não haja acordo... -> Denúncia ou Queixa -> Citar o Réu -> AIJ (defesa prévia oral; juiz decide se recebe ou rejeita; se receber: vítima, TA, TD, interrogatório, debate oral e sentença).
Obs.: não existe IPL no JECRIM, mas sim TC (termo circunstanciado).
Institutos Processuais
1. Da Composição Civil: acordo entre vítima e autor do fato. O MP está presente, mas o acordo é essencialmente entre ofendido e agente.
Condições
a) Ação Penal Privada ou Ação Penal Pública Condicionada.
b) Título Executivo: trâmites do CPC.
c) Irrecorrível: sentença IRRECORRÍVEL.
d) Concurso de Crimes: dois ou mais autores.
Lei nº 9.099, arts. 74 e 75:
“Art. 74. A composição dos danos civis será reduzida a escrito e, homologada pelo Juiz mediante sentença irrecorrível, terá eficácia de título a ser executado no juízo civil competente.
Parágrafo único. Tratando-se de ação penal de iniciativa privada ou de ação penal pública condicionada à representação, o acordo homologado acarreta a renúncia ao direito de queixa ou representação.
Art. 75. Não obtida a composição dos danos civis, será dada imediatamente ao ofendido a oportunidade de exercer o direito de representação verbal, que será reduzida